ann16086-pt-br — Anúncio

Terminado mapa tridimensional de galáxias distantes

Rastreio do VLT mostra a distribuição no espaço de 90 000 galáxias

15 de Dezembro de 2016

Durante quase 8 anos, o espectrógrafo VIMOS (VIsible MultiObject Spectrograph), montado no Very Large Telescope do ESO (VLT) no Chile, esteve a montar um mapa tridimensional de galáxias em duas regiões do céu austral. Usaram-se um total de 440 horas de observação para medir os espectros de mais de 90 000 galáxias distantes, produzindo-se um mapa de uma região no céu com 24 graus quadrados de área, até uma distância correspondente ao Universo quando este tinha metade da sua idade atual [1].

Em 2013, o ESO anunciou que a equipe internacional de astrônomos responsável pelo rastreio VIPERS (VIMOS Public Extragalactic Survey) tinha coletado dados para cerca de 60% das suas galáxias alvo. Com o conjunto de observações agora concluído, este é o maior rastreio de desvio para o vermelho já realizado com telescópios do ESO [2] e dá uma visão das estruturas no Universo mais jovem com uma combinação de detalhe e extensão espacial sem precedentes. Ao mapear como é que as galáxias se distribuíram no espaço há vários bilhões de anos atrás, os astrônomos conseguem compreender melhor a distribuição da matéria em larga escala no cosmos e também investigar o efeito que a misteriosa energia escura teve no jovem Universo, ao adquirir algumas das propriedades que vemos hoje.

Usando estes dados únicos, os astrônomos já obtiveram novos resultados relativos à evolução das galáxias — desde uma época em que o Universo era muito mais jovem — e como é que este fato se liga aos detalhes das estruturas a larga escala, tais como filamentos, aglomerados e vazios. O conjunto completo dos dados do rastreio foi tornado público em novembro de 2016, estando agora disponível de forma normal no arquivo do ESO.

Notas

[1] A luz tem um limite de velocidade finito, por isso quanto mais distante se encontra um objeto, mais tempo demorará a sua luz a chegar até nós, o que significa que vemos objetos longínquos como eles eram num passado distante.

[2] A radiação de cada galáxia separa-se nas suas componentes de cor no coração do instrumento VIMOS. Uma análise cuidada permite aos astrônomos determinar quão depressa a galáxia está se afastando de nós — o que geralmente se exprime no seu desvio para o vermelho. Este valor, por sua vez, revela-nos a distância a que o objeto se encontra de nós e, quando combinado com a sua posição no céu, a sua localização no Universo.

Mais informação

A equipe é composta por astrônomos de Itália, França, Polônia e Reino Unido. Consulte toda a informação relevante no website do VIPERS.

Links

Contatos

Luigi Guzzo
Dipartimento di Fisica, Università Statale di Milano
& INAF – Osservatorio Astronomico di Brera
Milano, Itália
Telm: +39 366 773 9704
Email: luigi.guzzo@unimi.it

Peter Grimley
ESO Assistant Public Information Officer
Garching bei München, Alemanha
Tel: +49 89 3200 6383
Email: pgrimley@partner.eso.org

Sobre o anúncio

Id:ann16086

Imagens

Uma grande fatia do Universo
Uma grande fatia do Universo

Vídeos

Uma fatia do Universo
Uma fatia do Universo