Foto da Semana

Assine a lista esonews
potw1411-pt-br — Foto da Semana
Um arco de leite sobre o Paranal
17 de Março de 2014: Outra noite límpida no Observatório do Paranal do ESO, no Chile, perfeita para nos sentarmos e observarmos a nossa galáxia, a Via Láctea. Muitos de nós, que vivemos em cidades com muita população e poluição luminosa, não conseguimos observar a nossa casa cósmica com tantos detalhes.Sabemos que esta vista magnífica é a nossa casa galáctica, mas os antigos gregos pensavam que se tratava do trabalho dos deuses. As suas lendas contam que este trilho nebuloso ao longo do céu era na realidade o leite do seio de Hera, a esposa de Zeus. É também aos antigos gregos que devemos o nome “Via Láctea”. A frase em grego Γαλαξίας κύκλος, que se pronuncia galaxias kyklos significa “círculo lácteo” e é a raiz do nome moderno.Esta imagem foi obtida pelo Embaixador Fotográfico do ESO Gabriel Brammer. Podemos ver Brammer de pé no lado direito da imagem, a admirar a vista, depois de ...
potw1410-pt-br — Foto da Semana
O cometa da Rosetta começa a acordar
10 de Março de 2014: No dia 20 de janeiro de 2014 a sonda espacial da ESA Rosetta emergiu de uma longa hibernação de espaço profundo para se aproximar do seu alvo - o cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko (67P/CG).Visto a partir da Terra, o cometa 67P/CG acaba de reaparecer de trás do Sol. No dia 28 de fevereiro de 2014, o Very Large Telescope do ESO (VLT) apontou o seu olho para o cometa, assim que este se tornou visível a partir do Observatório do Paranal do ESO, no Chile. O ESO está a colaborar com a ESA no intuito de monitorar o cometa a partir do solo, à medida que a sonda Rosetta se aproxima deste nos próximos meses. Estas observações ajudarão a preparar o encontro principal da sonda com o cometa, previsto para agosto deste ano (ver potw1403a).Esta nova imagem, e muitas mais que ainda estão para vir, será usada pela ESA para ajustar a ...
potw1409-pt-br — Foto da Semana
Trabalhadores do ALMA salvam um filhote abandonado de vicunha
3 de Março de 2014: No alto do planalto do Chajnantor nos Andes chilenos situa-se o Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA), um observatório rodeado de grandes extensões de paisagem árida. Surpreendentemente, a região abriga uma quantidade de diferentes espécies selvagens, algumas das quais aparecem às vezes perto do observatório. Mais para sul, o Observatório de La Silla do ESO teve recentemente a visita de uma raposa cinzenta sul americana (potw1406a) e de cavalos selvagens (potw1344a).O visitante mais recente do ALMA foi este filhote de vicunha, encontrado em 16 de fevereiro de 2014 pelos trabalhadores do ALMA. O filhote tinha apenas algumas semanas de vida e estava muito fraco depois de ter sido perseguido por raposas e perdido o seu rebanho.Depois de, no dia seguinte, tentarem sem sucesso devolvê-lo ao rebanho, os trabalhadores levaram-no para o Centro de Salvamento e Reabilitação da Vida Selvagem na Universidade de Antofagasta, onde o animal está a ser tratado de ...
potw1408-pt-br — Foto da Semana
As curvas da Sede do ESO
24 de Fevereiro de 2014: Privadas de cor nesta imagem infravermelha, as curvas da Sede do ESO contrastam com a beleza natural gelada das árvores que a circundam. A curvatura extrema visível na imagem deve-se ao uso de uma lente olho de peixe, que distorce a imagem e faz com que o edifício rodeie a pálida folhagem e enquadre o céu. A vegetação parece brilhante porque reflete a radiação infravermelha e o pálido tom esbranquiçado deve-se a um balanço de cor branca aplicado às folhas das árvores.As curvas precisas de concreto, vidro e metal dão pistas quando à natureza peculiar do edifício da Sede. Em 1981 um artigo publicado na revista do ESO The Messenger descrevia  o edifício como “um labirinto do gênero dos utilizados para testar a inteligência dos ratos”. Felizmente para o ESO, o escritor rapidamente concluía que “os seres humanos são em média mais espertos do que ratos e por isso resolvem ...
potw1407-pt-br — Foto da Semana
VST fotografa Gaia a caminho de um bilhão de estrelas
17 de Fevereiro de 2014: Estas novas imagens obtidas pelo Telescópio de Rastreio do VLT (VST) do ESO, mostram a sonda Gaia da ESA situada a cerca de 1,5 milhões de quilômetros além da órbita da Terra.Lançada na manhã de quinta-feira, 19 de dezembro de 2013, a sonda tem por objetivo construir um mapa em três dimensões da nossa Galáxia durante os próximos cinco anos. Mapear o céu tem sido uma das demandas da humanidade desde o início dos tempos e Gaia levará a compreensão da nossa vizinhança estelar a um novo nível. A sonda medirá com extrema precisão as posições e os movimentos de cerca de um bilhão de estrelas na nossa Galáxia, explorando a composição, formação e evolução da Via Láctea. Estas novas observações são o resultado de uma estreita colaboração entre a ESA e o ESO, que visa monitorar o satélite a partir do solo. Gaia é o instrumento astrométrico mais preciso ...
potw1406-pt-br — Foto da Semana
A fantástica senhora raposa
10 de Fevereiro de 2014: Empoleirada precariamente no limite do mundo habitável, a vida agarra-se tenazmente. Nos arredores do quente e seco deserto do Atacama, esta resistente raposa cinzenta sul americana acaba de acordar, espreguiçando-se vagarosamente. Estas raposas encontram-se geralmente ativas durante a noite, aproveitando a descida de temperatura que ocorre quando o quente sol chileno não se encontra no céu.No plano de fundo da imagem podemos ver outros sinais de vida. A cúpula branca aloja o Telescópio suíço de 1,2 metros Leonhard Euler, protegido das inóspitas condições por esta concha exterior. À medida que o céu escurece sobre o Observatório de La Silla do ESO, outra espécie noturna bastante famosa, o astrônomo, acorda, espreguiça-se e prepara-se para perscrutar os céus com o auxílio de tecnologia barulhenta.
potw1405a-pt-br — Foto da Semana
O ar antártico visita o Paranal
3 de Fevereiro de 2014: Esta bela vista panorâmica do Observatório do Paranal do ESO foi obtida a 5 de julho de 2012 e assinala um dos dia mais secos já registados no complexo do Very Large Telescope. O Paranal aparece-nos como uma ilha no meio da imagem, com enormes bancos de nuvens flutuando por baixo, sobre o distante oceano Pacífico.A umidade extremamente baixa no Paranal durante este período foi registrada por um radiômetro de vapor de água conhecido por LHATPRO, o qual monitora a atmosfera com o intuito de ajudar nas observações levadas a cabo no observatório [1]. Meteorologistas de duas universidades chilenas identificaram as causas destas condições secas incomuns: ar antártico a grande altitude movendo-se muito a norte e descendo sobre o Paranal.Esta frente fria permaneceu sobre o Paranal durante cerca de 12 horas, batendo um recorde de baixa umidade do ar sobre o observatório [2]. Florian Kerber (ESO) e colegas analisaram este ...
potw1404-pt-br — Foto da Semana
Interferometria na piscina
27 de Janeiro de 2014: Os astrônomos nem sempre nadam na piscina da Residencia do Observatório do Paranal, mas quando o fazem, gostam de mostrar como funcionam alguns princípios físicos. Nesta imagem, o astrônomo francês do ESO Jean-Baptiste Le Bouquin, demonstra como é que as ondas - não ondas de luz mas ondas de água - se combinam, ou interferem, para criar ondas maiores.A combinação de ondas luminosas é o princípio principal subjacente ao interferômetro do VLT: as ondas luminosas capturadas por cada um dos telescópios de 8 metros, são combinadas com o auxílio de uma rede de canais e espelhos. Deste modo, a resolução espacial do telescópio aumenta muito e, com tempo de exposição suficiente, as câmeras e instrumentos conseguem revelar o mesmo nível de detalhes que revelaria um telescópio de 130 metros de diâmetro, algo muito maior que qualquer telescópio em existência atualmente.
potw1403-pt-br — Foto da Semana
O cometa de Rosetta
20 de Janeiro de 2014: A sonda Rosetta da ESA despertará hoje depois de 31 meses em hibernação no espaço profundo, para finalmente se aproximar do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko (67P/CG).Esta imagem mostra as mais recentes observações do cometa de 4 quilômetros de diâmetro, obtidas a 5 de outubro de 2013 pelo Very Large Telescope (VLT) do ESO, quando o cometa se encontrava a cerca de 500 milhões de quilômetros de distância - antes de passar por trás do Sol e ficar fora de vista relativamente à Terra.Para criar esta imagem foram processadas uma série de observações, que revelaram tanto o cometa sem o fundo de estrelas (no painel da esquerda), como com o campo estelar por trás e o percurso do cometa bem marcado (à direita). Observado sob um fundo de muitas estrelas, na direção do centro da Via Láctea, o cometa 67P/CG encontrava-se tão longe do Sol que o núcleo gelado ainda não estava a ...
potw1402-pt-br — Foto da Semana
ALMA e o Chajnantor durante o crepúsculo
13 de Janeiro de 2014: Graças aos Embaixadores Fotográficos do ESO, podemos desfrutar de imagens sensacionais tiradas nos locais do ESO, situados em remotos topos de montanha no Chile. Babak Tafreshi obteve esta panorâmica das antenas do Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) durante o crepúsculo. Parecendo uma cena de um filme de ficção científica, o espetáculo tecnológico do ALMA contrastando com o intocável poder natural da paisagem do planalto do Chajnantor, 5000 metros acima do nível do mar, resulta nesta imagem impressionante.O ALMA, uma infraestrutura astronômica internacional, é uma parceria entre a Europa, a América do Norte e o Leste Asiático, em cooperação com a República do Chile. A construção e operação do ALMA é coordenada pelo ESO, em prol da Europa, pelo Observatório Nacional de Rádio Astronomia (NRAO), em prol da América do Norte e pelo Observatório Astronômico Nacional do Japão (NAOJ), em prol do Leste Asiático. O Observatório ALMA (JAO) fornece uma liderança ...
potw1401-pt-br — Foto da Semana
Noites no Paranal
6 de Janeiro de 2014: Se você olhar para o céu à noite a partir do Observatório do Paranal do ESO, no Chile, poderá se deparar com um panorama tão surpreendente como este. Manchas de azul, laranja e vermelho; cada uma correspondente a uma estrela, galáxia ou nebulosa diferente que, no seu total, nos proporcionam um céu resplandecente por cima das nossas cabeças. Os astrônomos examinam este fundo maravilhoso, tentando desvendar os mistérios do Universo.Para isso, utilizam telescópios como os Telescópios Auxiliares do VLT, que podem ser vistos na imagem. A fotografia mostra três dos quatro telescópios móveis que coletam luz para o interferômetro do Very Large Telescope, o instrumento óptico mais avançado do mundo. Combinados de modo a formarem um só telescópio de maior envergadura, o resultado é bem maior que a soma das suas partes, revelando-nos detalhes que apenas seriam visíveis com um telescópio tão grande como a distância entre os vários telescópios ...
potw1352-pt-br — Foto da Semana
Noite luminosa no Paranal
30 de Dezembro de 2013: Quando a noite cai os observatórios do ESO despertam. Astrónomos e técnicos ocupam os seus lugares e os telescópios são apontados ao céu. Esta imagem mostra o céu extremamente límpido sobre o Observatório do Paranal do ESO no deserto chileno do Atacama, situado bem longe das luzes citadinas.O Embaixador Fotográfico do ESO Gabriel Brammer capturou a beleza serena da Via Láctea a partir da plataforma do Very Large Telescope. Os quatro enormes blocos ao fundo da imagem são os quatro Telescópios Principais do VLT, cada um com um espelho muito preciso de 8,2 metros de diâmetro. Espalhados entre estes telescópios encontram-se os Telescópios Auxiliares do VLT, facilmente identificáveis  pelas suas cúpulas brancas redondas. O ponto de luz à esquerda é a Lua, que brilha tão intensamente como se do Sol se tratasse. Podemos ver ainda encostada à direita a sombra do fotógrafo, que nos acena com os braços esticados.Todo o ...
potw1351-pt-br — Foto da Semana
Votos de Boas Festas do Observatório Europeu do Sul
23 de Dezembro de 2013: O Observatório Europeu do Sul deseja a todos umas Boas Festas, com votos de Feliz Natal e Próspero Ano Novo! Links Postal de Natal 2013
potw1350-pt-br — Foto da Semana
Rastros de estrelas sobre o VLT no Paranal
16 de Dezembro de 2013: Esta imagem obtida por Babak A. Tafreshi, um dos Embaixadores Fotográficos do ESO, no Observatório do Paranal do ESO, mostra três dos quatro Telescópios Auxiliares do Interferómetro do Very Large Telescope. No céu por cima deles, as longas tiras de luz são rastros de estrelas, cada uma delas marcando o movimento aparente de uma única estrela no céu noturno, devido à rotação da Terra. Esta técnica faz igualmente sobressair as cores naturais das estrelas, as quais nos informam sobre as suas temperaturas, que vão desde uns 1000 graus Celsius para as mais vermelhas até a algumas dezenas de milhares de graus Celsius para as mais quentes, que vemos a azul. Neste local remoto e alto, o céu é extremamente límpido e não apresenta nenhuma poluição luminosa, oferecendo-nos este magnífico espetáculo de luz.
potw1348-pt-br — Foto da Semana
Luz zodiacal ilumina o céu do Paranal
2 de Dezembro de 2013: Esta impressionante fotografia, tirado no local do Very Large Telescope do ESO (VLT), no Observatório do Paranal, no Chile, mostra a Via Láctea, no centro à esquerda, com nebulosas, estrelas e nuvens de gás, subindo por cima dos Telescópios Principais do VLT.À direita, chamando igualmente a atenção à medida que desenha um arco por cima do horizonte, uma bonita banda de luz difusa, quase triangular, pode ser vista ao longo da eclíptica, que é o caminho aparente que o Sol percorre no céu, quando visto a partir da Terra.Esta luz tem origem na luz solar que é dispersa pela poeira que se encontra entre os planetas, espalhada ao longo do plano do Sistema Solar. Coincide com a zona no céu chamada o Zodíaco, o qual se estende oito graus para cada lado da eclíptica e contém as tradicionais constelações zodiacais.
potw1347-pt-br — Foto da Semana
Constelações antigas sobre o ALMA
25 de Novembro de 2013: Babak Tafreshi, um dos Embaixadores Fotográficos do ESO, capturou as antenas do Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) numa imagem que combina a beleza do céu austral com as prodigiosas dimensões do maior projeto astronómico do mundo.Milhares de estrelas podem ser vistas a olho nu nos céus límpidos do planalto do Chajnantor. O ar seco e transparente é uma das razões pelas quais o ALMA foi aqui construído. Surpreendentemente brilhante, no canto esquerdo da fotografia, podemos ver um grupo compacto de estrelas jovens, o enxame das Pleiades, que era já conhecido da maioria das civilizações antigas. A constelação de Orion vê-se claramente por cima da mais próxima das antenas - o cinturão do caçador é formado pelas três estrelas que se encontram mesmo à esquerda da luz vermelha. De acordo com a mitologia clássica, Orion era um caçador que perseguia as Pleiades, as belas filhas de Atlas. Quando vistas através da ...
potw1346-pt-br — Foto da Semana
Nova imagem do cometa ISON
18 de Novembro de 2013: Esta nova imagem do cometa C/2012 S1 (ISON) foi obtida com o telescópio nacional belga TRAPPIST, instalado no Observatório de La Silla do ESO na manhã de sexta-feira, dia 15 de novembro de 2013. O cometa ISON foi inicialmente descoberto no céu em setembro de 2012 e fará a sua maior aproximação ao Sol em finais de novembro de 2013.O telescópio TRAPPIST tem vindo a monitorizar o cometa ISON desde meados de outubro, com o auxílio de filtros de banda larga, usados nesta imagem. Têm também sido utilizados filtros especiais de banda estreita que isolam a emissão de vários gases, permitindo aos astrónomos saber a quantidade de moléculas de cada tipo de gás libertadas pelo cometa.O cometa ISON manteve-se relativamente calmo até 1 de novembro de 2013, altura em que uma primeira libertação de matéria duplicou a quantidade de gás emitida pelo cometa. No dia 13 de novembro, mesmo antes ...
potw1345-pt-br — Foto da Semana
Vista panorâmica do ALMA com a Nebulosa Carina
11 de Novembro de 2013: O Embaixador Fotográfico do ESO, Babak Tafreshi, capturou esta vista panorâmica das antenas do Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) sob um céu límpido no planalto do Chajnantor, nos Andes chilenos.A mancha rosada proeminente à esquerda da imagem é a Nebulosa Carina, que se situa na constelação Carina (a Quilha), a cerca de 7500 anos-luz de distância da Terra. Esta nuvem de gás brilhante e poeira é uma das nebulosas mais brilhantes no céu e contém várias das estrelas mais brilhantes e de maior massa conhecidas na Via Láctea, tais como a estrela Eta Carinae. Algumas das imagens da Nebulosa Carina obtidas recentemente com telescópios do ESO, podem ser vistas em eso1208, eso1145 e eso1031.O ALMA, uma infraestrutura astronómica internacional, é uma parceria entre a Europa, a América do Norte e o Leste Asiático, em cooperação com a República do Chile. A construção e operação do ALMA é coordenada pelo ESO, ...
potw1344-pt-br — Foto da Semana
Visitantes equestres
4 de Novembro de 2013: Numa noite escura de setembro no Observatório de La Silla do ESO, depois de uma noite passada no telescópio, o astrónomo Klaas Wiersema estava a voltar para o restaurante. A maior parte do trabalho num observatório acontece durante a noite, por isso não é invulgar ver cientistas e técnicos a passar no meio da escuridão.Desta vez, no entanto, algo imprevisto aconteceu. De repente, Klaas ouviu um resfolegar ruidoso por trás de si e o som de enormes patas a persegui-lo. Convencido de que algum tipo de animal furioso tinha saído da sua toca e estava a caçá-lo, Klaas desatou a correr. Não fazia ideia que animal o poderia estar a perseguir nas encostas desoladas do deserto do Atacama, 2400 metros acima do nível do mar, por isso passou o resto da noite a tentar desvendar o mistério.Quando o dia nasceu Klaas saiu para explorar, descobrindo que  tinha afinal passado muito ...
potw1343-pt-br — Foto da Semana
Céu flamejante por cima do Paranal
28 de Outubro de 2013: Nesta fotografia nocturna fantasmagórica, tirada no Observatório do Paranal, podemos ver três dos quatro Telescópios Auxiliares do VLT. Cada telescópio, com 1,8 metros, foi concebido para trabalhar em uníssono com os outros três, como se de um único telescópio se tratassem, graças ao interferómetro do VLT.No fundo da imagem, na beleza calma do céu do Atacama, destaca-se uma espécie de aurora vermelha, a chamada luminescência  terrestre. Trata-se de um fenómeno causado por reacções químicas na atmosfera, que emitem radiação. Normalmente, estas emissões não são muito fortes mas, na noite em que esta fotografia foi tirada, o efeito estava particularmente brilhante, dando origem a esta invulgar imagem.
Mostrar 41 até 60 de 169
Envie-nos os seus comentários!
Assine as Notícias do ESO