eso1105pt-br — Foto de imprensa

Glória Refletida

16 de Fevereiro de 2011

A nebulosa Messier 78 é a atração principal nesta imagem obtida pelo instrumento Wide Field Imager montado no telescópio MPG/ESO de 2,2 metros instalado no Observatório de La Silla, Chile, com as estrelas responsáveis por este espetáculo brilhante em segundo plano. O brilho das estrelas ricocheteia nas partículas de poeira da nebulosa, iluminando-a com luz azul espalhada. Igor Chekalin ganhou com a sua imagem deste impressionante objeto o concurso de astrofotografia Tesouros Escondidos do ESO 2010.

Messier 78 é um bom exemplo de uma nebulosa de reflexão. A radiação ultravioleta emitida pelas estrelas que a iluminam não é suficientemente intensa para ionizar o gás e fazê-lo brilhar - as partículas de poeira simplesmente refletem a radiação estelar que as atinge. Apesar disso, Messier 78 pode ser facilmente observada com um pequeno telescópio, uma vez que é uma das nebulosas de reflexão mais brilhantes no céu. Situa-se a cerca de 1600 anos-luz de distância na constelação de Orion, podendo ser encontrada a nordeste da estrela mais a leste do cinturão de Orion.

Esta nova imagem de Messier 78 obtida pelo telescópio MPG/ESO de 2,2 metros instalado no Observatório de La Silla baseia-se nos dados selecionados por Igor Chekalin, os quais deram origem à sua imagem vencedora do concurso dos Tesouros Escondidos [1].

O matiz azul observado na imagem é uma representação bastante precisa da cor dominante na nebulosa. Tons de azul são frequentemente observados em nebulosas de reflexão devido ao modo como a radiação estelar é dispersada pelas pequeníssimas partículas de poeira aí contidas: o menor comprimento de onda da radiação azul é dispersado de maneira mais eficiente do que o maior comprimento de onda da radiação vermelha.

Esta imagem possui muitas particularidades interessantes, além da nebulosa brilhante. Uma espessa banda de poeira estende-se ao longo de toda a imagem, desde o canto superior esquerdo até ao canto inferior direito, obscurecendo assim a radiação emitida pelas estrelas de fundo. No canto inferior direito são visíveis muitas estruturas estranhas cor de rosa, as quais são criadas por jatos de matéria lançados por estrelas formadas recentemente e que ainda se encontram completamente envolvidas em nuvens de poeira.

Duas estrelas brilhantes, HD 38563A e HD38563B, são as principais forças motoras por trás de Messier 78. No entanto, a nebulosa abriga muito mais estrelas, incluindo uma coleção de cerca de 45 estrelas jovens de pequena massa (com menos de 10 milhões de anos), nas quais os núcleos ainda se encontram demasiadamente frios para se dar início à fusão do hidrogênio, as chamadas estrelas T Tauri. O estudo das estrelas T Tauri torna-se importante no sentido de compreender as fases iniciais da formação estelar, incluindo a formação de sistemas planetários.

Notavelmente, este complexo de nebulosas variou significativamente nos últimos dez anos. Em Fevereiro de 2004 um observador amador experiente, Jay McNeil, obteve uma imagem desta região com um telescópio de 75 mm e ficou surpreendido ao detectar uma nebulosa brilhante - a estrutura proeminente em forma de ventilador situada na parte de baixo desta imagem - onde nada tinha sido observado em imagens anteriores. Este objeto é agora conhecido como Nebulosa  de McNeil e parece ser uma nebulosa de reflexão altamente variável situada em torno de uma estrela jovem.

Esta imagem colorida foi criada a partir de muitas exposições monocromáticas obtidas através de filtros azuis, amarelos/verdes e vermelhos, complementadas com exposições feitas através dum filtro H-alfa, o qual mostra a radiação refletida pelo gás de hidrogênio brilhante. Os tempos de exposição por filtro foram de 9, 9, 17.5 e 15.5 minutos, respetivamente.

Notas

[1] Igor Chekalin, da Rússia, utilizou dados não processados obtidos nos arquivos do ESO na produção da imagem de Messier 78 que levou ao concurso Tesouros Escondidos (eso1102). Este concorrente processou os dados brutos demonstrando elevada habilidade e obtendo o primeiro prêmio do concurso com a sua imagem final (link Flickr). A equipe de especialistas em processamento de imagem do ESO trabalhou posteriormente e de forma independente sobre estes dados, processando-os  a alta resolução e obtendo a imagem que aqui mostramos.

Mais Informações

O ESO, o Observatório Europeu do Sul, é a mais importante organização europeia intergovernamental para a pesquisa em astronomia e é o observatório astronômico mais produtivo do mundo. O ESO é  financiado por 15 países: Alemanha, Áustria, Bélgica, Brasil, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Holanda, Itália, Portugal, Reino Unido, República Checa, Suécia e Suíça. O ESO destaca-se por levar a cabo um programa de trabalhos ambicioso, focado na concepção, construção e funcionamento de observatórios astronômicos terrestres de ponta, que possibilitam aos astrônomos importantes descobertas científicas. O ESO também tem um papel importante na promoção e organização de cooperação nas pesquisas astronômicas. O ESO mantém em funcionamento três observatórios de ponta, no Chile: La Silla, Paranal e Chajnantor. No Paranal, o ESO opera  o Very Large Telescope, o observatório astroôómico óptico mais avançado do mundo e dois telescópios de rastreio. O VISTA, o maior telescópio de rastreio do mundo que trabalha no infravermelho e o VLT Survey Telescope, o maior telescópio concebido exclusivamente para mapear os céus no visível. O ESO é o parceiro europeu do revolucionário telescópio  ALMA, o maior projeto astronômico que existe atualmente. O ESO está planejando o European Extremely Large Telescope, E-ELT, um telescópio da classe dos 40 metros que observará na banda do visível e próximo infravermelho. O E-ELT será “o maior olho no céu do mundo”.

Links

Contatos

Gustavo Rojas
Universidade Federal de São Carlos
São Carlos - SP, Brasil
Tel.: 551633519795
e-mail: grojas@ufscar.br

Richard Hook
ESO, La Silla, Paranal, E-ELT and Survey Telescopes Public Information Officer
Garching bei München, Germany
Tel.: +49 89 3200 6655
Cel.: +49 151 1537 3591
e-mail: rhook@eso.org

Este texto é a tradução da Nota de Imprensa do ESO eso1105, cortesia do ESON, uma rede de pessoas nos Países Membros do ESO, que servem como pontos de contato local para a imprensa. O representante brasileiro é Gustavo Rojas, da Universidade Federal de São Carlos. A nota de imprensa foi traduzida por Margarida Serote (Portugal) e adaptada para o português brasileiro por Gustavo Rojas.

Sobre a nota de imprensa

No. da notícia:eso1105pt-br
Nome:M 78, Messier 78
Tipo:• Milky Way : Nebula : Appearance : Reflection
Facility:MPG/ESO 2.2-metre telescope

Imagens

Messier 78: uma nebulosa de reflexão em Orion
Messier 78: uma nebulosa de reflexão em Orion
Messier 78: uma nebulosa de reflexão em Órion
Messier 78: uma nebulosa de reflexão em Órion
Highlights of Messier 78: a reflection nebula in Orion
Highlights of Messier 78: a reflection nebula in Orion
somente em inglês
McNeil's Nebula in Messier 78
McNeil's Nebula in Messier 78
somente em inglês

Vídeos

Zooming in on Messier 78
Zooming in on Messier 78
somente em inglês
Panning across the reflection nebula Messier 78
Panning across the reflection nebula Messier 78
somente em inglês
Messier 78 (3D Animation)
Messier 78 (3D Animation)
somente em inglês

Veja também