eso1823pt-br — Foto de imprensa

Uma paisagem celeste colorida

11 de Julho de 2018

Novas observações obtidas com o Very Large Telescope do ESO mostram o aglomerado estelar RCW 38 em todo o seu esplendor. Esta imagem foi obtida durante os testes da câmera HAWK-I trabalhando com o sistema de óptica adaptativa GRAAL e mostra RCW 38 e as nuvens de gás resplandecente ao seu redor com incrível detalhe, assim como os tentáculos negros de poeira passando através do núcleo brilhante deste jovem conjunto de estrelas.

Esta imagem mostra o aglomerado estelar RCW 38, obtido pela câmera infravermelha HAWK-I montada no Very Large Telescope do ESO (VLT), no Chile. Ao observar no infravermelho, o HAWK-I consegue examinar aglomerados estelares envoltos em poeira, tais como RCW 38, dando-nos uma vista sem paralelo das estrelas que estão se formando no seu interior. Este aglomerado contém centenas de estrelas massivas, quentes e jovens, e situa-se a cerca de 5500 anos-luz de distância na direção da constelação da Vela.

A região central de RCW 38 aparece-nos na imagem com um tom azul brilhante, numa área povoada por uma enorme quantidade de estrelas muito jovens e protoestrelas ainda no processo de formação. A radiação intensa emitida por estas estrelas recém nascidas faz com que o gás a redor brilhe intensamente, em contraste com as correntes de poeira cósmica mais fria que serpenteiam através da região, brilhando ligeiramente em tons escuros de vermelho e laranja. O contraste cria esta bela cena — um quadro de arte celeste.

Imagens anteriores desta região obtidas nos comprimentos de onda do visível mostram-se bastante diferentes — as imagens no visível parecem mais vazias de estrelas devido ao fato do gás e poeira bloquearem a nossa visão do aglomerado. Observações no infravermelho, por outro lado, permitem-nos ver além da poeira que obscurece as imagens no visível, mostrando-nos o coração deste aglomerado estelar.

O HAWK-I está instalado no Telescópio Principal 4 (Yepun) do VLT e opera no infravermelho próximo. Os seus objetivos científicos são muitos, incluindo a obtenção de imagens de galáxias e grandes nebulosas próximas, assim como de estrelas individuais e exoplanetas. O GRAAL é um módulo de óptica adaptativa que ajuda o HAWK-I a produzir estas imagens extraordinárias. O GRAAL utiliza quatro raios laser que são projetados no céu, criando estrelas artificiais de referência que são utilizadas para corrigir os efeitos da turbulência atmosférica, o que torna as imagens muito mais nítidas.

Esta imagem foi capturada no âmbito de uma série de observações de teste — um processo conhecido por verificação científica — do HAWK-I e do GRAAL. Estes testes fazem parte integrante do comissionamento de um novo instrumento no VLT e incluem um conjunto de observações científicas típicas que verificam e demonstram as capacidades do novo instrumento.

Mais Informações

A Pesquisadora Principal da proposta de observação que levou à captura desta imagem extraordinária foi Koraljka Muzic (CENTRA, Universidade de Lisboa, Portugal). Os seus colaboradores foram Joana Ascenso (CENTRA, Universidade do Porto, Portugal), Amelia Bayo (Universidade de Valparaiso, Chile), Arjan Bik (Universidade de Estocolmo, Suécia), Hervé Bouy (Laboratoire d’Astrophysique de Bordeaux, França), Lucas Cieza (Universidade Diego Portales, Chile), Vincent Geers (UKATC, RU), Ray Jayawardhana (York University, Canadá), Karla Peña Ramírez (Universidade de Antofagasta, Chile), Rainer Schoedel (Instituto de Astrofísica de Andalucía, Espanha) e Aleks Scholz (University of St Andrews, RU).

A Verificação Científica do HAWK-I trabalhando com o módulo de óptica adaptativa GRAAL foi descrita no artigo intitulado HAWK-I GRAAL Science Verification, que foi publicado na revista trimestral do ESO The Messenger.

A equipe de verificação científica era composta por Bruno Leibundgut, Pascale Hibon, Harald Kuntschner, Cyrielle Opitom, Jerome Paufique, Monika Petr-Gotzens, Ralf Siebenmorgen, Elena Valenti e Anita Zanella, investigadores do ESO.

O ESO é a mais importante organização europeia intergovernamental para a investigação em astronomia e é de longe o observatório astronômico mais produtivo do mundo. O ESO tem 15 Estados Membros: Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Holanda, Itália, Polônia, Portugal, Reino Unido, República Checa, Suécia e Suíça, para além do país de acolhimento, o Chile, e a Austrália, um parceiro estratégico. O ESO destaca-se por levar a cabo um programa de trabalhos ambicioso, focado na concepção, construção e operação de observatórios astronômicos terrestres de ponta, que possibilitam aos astrônomos importantes descobertas científicas. O ESO também tem um papel importante na promoção e organização de cooperação na investigação astronômica. O ESO mantém em funcionamento três observatórios de ponta no Chile: La Silla, Paranal e Chajnantor. No Paranal, o ESO opera  o Very Large Telescope e o Interferômetro do Very Large Telescope, o observatório astronômico óptico mais avançado do mundo, para além de dois telescópios de rastreio: o VISTA, que trabalha no infravermelho, e o VLT Survey Telescope, concebido exclusivamente para mapear os céus no visível. O ESO é também um parceiro principal em duas infraestruturas situadas no Chajnantor, o APEX e o ALMA, o maior projeto astronômico que existe atualmente. E no Cerro Armazones, próximo do Paranal, o ESO está a construir o Extremely Large Telescope (ELT) de 39 metros, que será “o maior olho do mundo virado para o céu”.

Links

Contatos

Gustavo Rojas
Universidade Federal de São Carlos
São Carlos, Brasil
Tel.: +551633519797
e-mail: grojas@ufscar.br

Calum Turner
ESO Assistant Public Information Officer
Garching bei München, Germany
Tel.: +49 89 3200 6670
e-mail: pio@eso.org

Connect with ESO on social media

Este texto é a tradução da Nota de Imprensa do ESO eso1823, cortesia do ESON, uma rede de pessoas nos Países Membros do ESO, que servem como pontos de contato local para a imprensa. O representante brasileiro é Gustavo Rojas, da Universidade Federal de São Carlos. A nota de imprensa foi traduzida por Margarida Serote (Portugal) e adaptada para o português brasileiro por Gustavo Rojas.

Sobre a nota de imprensa

No. da notícia:eso1823pt-br
Nome:RCW 38
Tipo:Milky Way : Star : Grouping : Cluster
Milky Way : Nebula : Appearance : Emission
Facility:Very Large Telescope
Instruments:HAWK-I

Imagens

Arte celeste
Arte celeste
RCW 38 na constelação da Vela
RCW 38 na constelação da Vela
Imagem de grande angular do céu em torno do aglomerado estelar RCW 38
Imagem de grande angular do céu em torno do aglomerado estelar RCW 38

Vídeos

ESOcast 171 Light: Uma paisagem celeste colorida (4K UHD)
ESOcast 171 Light: Uma paisagem celeste colorida (4K UHD)
Zoom em RCW 38
Zoom em RCW 38
Panorâmica sobre RCW 38
Panorâmica sobre RCW 38

Veja também