Very Large Telescope

O observatório astronómico óptico mais avançado do mundo

O conjunto de telescópios (VLT) encontra-se na vanguarda da astronomia europeia terrestre no início do terceiro milénio. É o instrumento óptico mais avançado do mundo, sendo composto por quatro telescópios com espelhos principais de 8,2 metros e quatro telescópios auxiliares móveis, com espelhos de 1,8 metros. Os telescópios podem funcionar em conjunto, formando um gigantesco 'interferómetro', o ESO Very Large Telescope Interferometer (VLTI), o que permite aos astrónomos observar detalhes com precisão superior (até 25 vezes) à dos telescópios individuais. No VLTI, os raios de luz são combinados em túneis subterrâneos, através de um complexo sistema de espelhos. Para isso, a extensão do caminho percorrido pela luz recebida por todos os telescópios terá de ser igual, a menos de 1/1000 mm sobre 100 metros. Com este tipo de precisão o VLTI consegue reconstruir imagens com uma resolução angular do milisegundo de arco, o que significa que seria capaz de distinguir individualmente os dois faróis de um carro na Lua.

Os telescópios de 8,2 metros também podem ser usados individualmente e, com uma exposição de apenas uma hora, podem obter imagens de objetos de magnitude 30. Isto corresponde a ver objetos que são quatro mil milhões de vezes mais ténues do que aqueles que conseguimos ver a olho nu.

Os grandes telescópios chamam-se Antu, Kueyen, Melipal e Yepun.

Uma Visita ao Observatório do Paranal

Virtual Tour at ESO Very Large Telescope

Clique na imagem para uma Visita Virtual ao VLT e seus arredores.

VLTCam LIVE.

 

Visite o Observatório do Paranal

Telescópios e Instrumentos

O programa de instrumentação do VLT é o mais ambicioso já concebido para um único observatório. Inclui câmaras multicanal de grande campo, câmaras e espectrógrafos corrigidos por óptica adaptativa, assim como espectrógrafos multi-objecto de alta resolução, cobrindo uma extensa região do espectro electromagnético, desde o ultravioleta (300 nm) até ao infravermelho médio (24 µm).

Telescópios Principais

Os telescópios de 8,2 metros estão alojados em edifícios compactos e termicamente controlados, que rodam de maneira sincronizada com os telescópios. Esta estrutura minimiza os efeitos adversos às condições de observação, por exemplo, a turbulência do ar no interior do tubo do telescópio que, de outro modo, poderia ocorrer como resultado de variações na temperatura e no vento.

O primeiro Telescópio Principal, Antu, entrou em funcionamento regular a 1 de Abril de 1999. Hoje, já funcionam regularmente os quatro Telescópios Principais e os quatro Telescópios Auxiliares

Telescópios Auxiliares

Apesar dos quatro telescópios de 8,2 metros poderem ser combinados num interferómetro, o VLTI, a maior parte das vezes esses telescópios são usados para outros objetivos. Por isso, só estão disponíveis para observações interferométricas num número limitado de noites por ano. Para tirar maior partido do VLTI todas as noites, estão disponíveis quatro Telescópios Auxiliares (sigla do inglês, AT) mais pequenos.

Ciência com o Very Large Telescope

O VLT teve um impacto incontestável na astronomia observacional. É a infraestrutura terrestre mais produtiva e resultados baseados em observações do VLT originam, em média e por dia, mais de um artigo científico publicado em revistas especializadas com arbitragem científica. O VLT contribui grandemente para fazer do ESO o observatório astronómico terrestre mais produtivo do mundo. O VLT proporcionou uma nova era de descobertas, tendo sido pioneiro e responsável por várias descobertas científicas notáveis, incluindo a primeira imagem de um exoplaneta (eso0842), descobrindo estrelas individuais movendo-se em torno do buraco negro de grande massa no centro da Via Láctea (eso0846), e observando o brilho residual da mais distante explosão de Raios Gama conhecida.

A Residencia

A Residencia, edifício que ganhou um prémio, alberga tanto o pessoal como os visitantes do Paranal, e serviu de cenário para uma parte do filme de James Bond, Quantum of Solace.

Mais sobre o Very Large Telescope

  • Imagens obtidas com o Very Large Telescope
  • Imagens do Very Large Telescope
  • Encontram-se disponíveis mais informações detalhadas e de nível técnico no Livro Branco do VLT (apenas em inglês), desde a altura da primeira luz do telescópio
  • Mais imagens e vídeos encontram-se disponíveis no arquivo multimédia do ESO
  • Para cientistas: para informações mais detalhadas, veja por favor as nossas páginas técnicas.

O trailer do VLT

Download do trailer do VLT do arquivo vídeo.

 

VLT

Name: Very Large Telescope
Site: Cerro Paranal
Altitude: 2635 m
Enclosure: Compact optimised cylindrical enclosure
Type: Optical/infrared, with interferometry
Optical design: Ritchey-Chrétien reflector
Diameter. Primary M1: 8.20 m
Material. Primary M1: ZeroDur
Diameter. Secondary M2: 0.94 m
Material. Secondary M2: Beryllium
Diameter. Tertiary M3: 1.242 x 0.866 m (elliptical flat)
Mount: Alt-Azimuth mount
First Light date: UT1, Antu: 25 May 1998
UT2, Kueyen: 1 March 1999
UT3, Melipal: 26 Jan 2000
UT4, Yepun: 4 September 2000
Active Optics: Yes
Adaptive Optics: UT4: Laser Guide Star + NACO
Interferometry: UT maximum 130 m baseline
Images taken with the VLT: Link
Images of the VLT: Link
Press Releases with the VLT: Link

 

 

O VLT no mapa Google

 

Mapa mais detalhado



Faça o download de modelos a 3D dos telescópios e veja-os no Google Earth. (kmz file, 4.8MB)