ann14059-pt — Anúncio

ALMA localiza Plutão de modo muito preciso no intuito de ajudar a orientar a sonda New Horizons

6 de Agosto de 2014

Com o auxílio do Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) os astrónomos estão a fazer medições de alta precisão da localização de Plutão e da sua órbita em torno do Sol, no intuito de ajudarem a sonda da NASA New Horizons a atingir o seu alvo, quando esta se aproximar de Plutão e das suas cinco luas conhecidas, em julho de 2015.

Apesar de se observar Plutão desde há décadas com telescópios situados tanto na Terra como no espaço, os astrónomos ainda estão a trabalhar na sua exata órbita em torno do Sol. Esta incerteza que permanece deve-se ao facto de Plutão se encontrar a grande distância do Sol (aproximadamente 40 vezes mais afastado do que a Terra) e à sua órbita estar a ser estudada há apenas tempo suficiente para se ter observado pouco mais de um terço da órbita total. O planeta anão foi descoberto em 1930 e demora 248 anos a completar uma órbita em torno do Sol.

“Com estes dados observacionais limitados, o nosso conhecimento da posição de Plutão pode estar incorreto em vários milhares de quilómetros, o que compromete a nossa capacidade de calcular manobras de posicionamento eficientes para a sonda New Horizons,” disse Hal Weaver, cientista de projeto da New Horizons e membro da equipa de investigação do John Hopkins University Applied Physics Laboratory em Laurel, Maryland, EUA.

A equipa da New Horizons utilizou os dados de posicionamento do ALMA, juntamente com medições em luz visível analisadas de novo, que vão quase até à altura da descoberta de Plutão, para determinar a melhor maneira de fazer a primeira correção de trajetória da sonda, planeada para julho.

Para se prepararem para este importante marco, os astrónomos têm que localizar de modo preciso a posição de Plutão, usando os mais distantes e estáveis pontos de referência possíveis. Encontrar um tal ponto de referência para calcular de maneira precisa trajetórias de objetos tão pequenos a distâncias tão grandes torna-se uma tarefa assaz complicada. Normalmente, os telescópios ópticos utilizam estrelas distantes, já que estes objetos mudam muito pouco de posição ao longo de muitos anos. No entanto, para a New Horizons foi necessário fazer medições ainda mais precisas de modo a garantir-se que o seu encontro com Plutão seja tão certeiro quanto possível.

Os objetos mais distantes e aparentemente mais estáveis no Universo são quasares - galáxias muito remotas com núcleos muito brilhantes. No entanto, os quasares são muito ténues quando observados por telescópios ópticos, o que torna difícil a execução de medições precisas. Mas, devido aos buracos negros supermassivos que se encontram no seus centros e à emissão da poeira, estes objetos brilham nos comprimentos de onda do rádio, particularmente nos comprimentos de onda do milímetro que o ALMA observa.

“A astrometria ALMA utilizou um quasar brilhante chamado J1911-2006 com o intuito de diminuir para metade a incerteza da posição de Plutão,” disse Ed Formalont, astrónomo no National Radio Astronomy Observatory em Charlottesville, Virginia, EUA, a trabalhar atualmente no Local de Apoio às Operações do ALMA, no Chile.

O ALMA estudou Plutão e Caronte através da emissão rádio das suas superfícies frias, as quais se encontram a cerca de -230 graus Celsius.

A equipa observou inicialmente estes dois mundos gelados em novembro de 2013 e depois mais três vezes em 2014 - uma vez em abril e duas vezes em julho. Estão previstas observações adicionais para outubro de 2014.

“Estamos muito entusiasmados com as capacidades de vanguarda que o ALMA nos proporciona e que nos ajudam a melhorar a nossa exploração histórica do sistema de Plutão,” disse o investigador principal da missão Alan Stern, do Southwest Research Institute, em Boulder, Colorado, EUA. “Queremos agradecer a toda a equipa ALMA pelo seu apoio e pelos magníficos dados que estão a ser recolhidos para a New Horizons.”

Mais informação

O Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA), uma infraestrutura astronómica internacional, é uma parceria entre a Europa, a América do Norte e o Leste Asiático, em cooperação com a República do Chile. O ALMA é financiado na Europa pelo Observatório Europeu do Sul (ESO), na América do Norte pela Fundação Nacional para a Ciência dos Estados Unidos (NSF) em cooperação com o Conselho Nacional de Investigação do Canadá (NRC) e no Leste Asiático pelos Institutos Nacionais de Ciências da Natureza (NINS) do Japão em cooperação com a Academia Sínica (AS) da Ilha Formosa. A construção e operação do ALMA é coordenada pelo ESO, em prol da Europa, pelo Observatório Nacional de Rádio Astronomia (NRAO), que é gerido, pela Associação de Universidades (AUI), em prol da América do Norte e pelo Observatório Astronómico Nacional do Japão (NAOJ), em prol do Leste Asiático. O Observatório ALMA (JAO) fornece uma liderança e direção unificadas na construção, gestão e operação do ALMA.

Links

Contactos

Richard Hook
ESO, Public Information Officer
Garching bei München, Alemanha
Tel: +49 89 3200 6655
Telm: +49 151 1537 3591
Email: rhook@eso.org

Sobre o anúncio

Id:ann14059

Imagens

Observações ALMA de Plutão e Caronte
Observações ALMA de Plutão e Caronte