Fotografia da Semana 2013

Assine as Notícias do ESO
potw1311-pt — Fotografia da Semana
Capturando a Luz
18 de Março de 2013: Os telescópios usados para fazer investigação contam com câmaras de vanguarda, as quais, juntamente com os enormes espelhos necessários para colectar radiação emitida por uma grande zona no céu, permitem aos astrónomos capturar a fraca radiação emitida por objetos celestes muito distantes. Mas podemos igualmente produzir imagens de rara beleza  sem grandes telescópios e utilizando câmaras mais modestas.Os astrofotógrafos usam câmaras mais convencionais para capturar imagens de objetos astronómicos, muitas vezes incluindo paisagens na sua composição e produzindo assim bonitos postais do Universo visto a partir da Terra.Como exemplo temos esta Fotografia da Semana, que mostra o New Technology Telescope (NTT) de 3,58 metros, situado no Observatório de La Silla do ESO, sobreposto a um fundo de céu estrelado. Vemos na imagem, de forma proeminente, a Via Láctea - a nossa Galáxia - que aparece como uma banda difusa que cruza o céu. As regiões da Via Láctea que aparecem ...
potw1310-pt — Fotografia da Semana
Cometas e estrelas cadentes sobre o Paranal
11 de Março de 2013: Esta imagem obtida por Gabriel Brammer, um dos Embaixadores Fotográficos do ESO, mostra um pôr do Sol no Observatório do Paranal, com especial relevo para dois cometas que passam atualmente pelo céu austral. Próximo do horizonte, no lado direito da imagem, o cometa C/2011 L4 (PAN-STARRS), o mais brilhante dos dois, mostra uma cauda brilhante causada principalmente por poeira que reflete a luz do sol. No centro da imagem, por cima das encostas do lado direito da montanha Paranal, podemos ver a coma esverdeada - um envelope gasoso em torno do núcleo - do cometa C/2012 F6 (Lemmon), seguida de uma cauda mais ténue. A cor verde resulta da ionização dos gases na coma devido à luz solar. Podemos também ser levados a pensar que existe ainda um terceiro cometa na imagem, mas o objeto brilhante que aparece entre os cometas Lemmon e PAN-STARRS, é uma estrela cadente que, por ...
potw1309-pt — Fotografia da Semana
A neve chega ao deserto do Atacama
4 de Março de 2013: O deserto do Atacama é um dos locais mais secos do mundo. Vários factores contribuem para as suas condições áridas. A cadeia montanhosa dos Andes e a costa chilena bloqueiam as nuvens a este e oeste, respectivamente. Adicionalmente, a corrente fria Humboldt no Oceano Pacífico, que cria uma camada de inversão de ar frio na costa, impede a formação de nuvens de chuva. Além do mais, uma região de alta pressão no oceano Pacífico sudeste dá origem a ventos que formam um anticiclone, o qual ajuda também a manter muito seco o clima no deserto do Atacama. Foram precisamente estas condições extremamente áridas que levaram o ESO a instalar o Very Large Telescope (VLT) no Paranal, no deserto do Atacama. No observatório do Paranal, situado no cimo do Cerro Paranal, os níveis de precipitação ficam normalmente abaixo dos 10 milímetros por ano, com uma humidade que desce muitas vezes aos ...
potw1308-pt — Fotografia da Semana
O cometa e o laser
25 de Fevereiro de 2013: Gerhard Hüdepohl, um dos Embaixadores Fotográficos do ESO, tirou esta fotografia espetacular do Very Large Telescope do ESO (VLT) durante os testes do novo laser para o VLT a 14 de fevereiro de 2013. Este laser será usado como parte fundamental da Infraestrutura de Estrela Guia Laser, a qual permite aos astrónomos corrigir as observações da maior parte das perturbações causadas pelo movimento constante da atmosfera, criando assim imagens muito mais nítidas. No entanto, ao ver a imagem é difícil não pensarmos num laser futurista a apontar para algum invasor espacial distante.Para além da magnifica vista da Via Láctea por cima do telescópio, existe outro objeto que torna esta imagem ainda mais especial. À direita do centro da imagem, mesmo por baixo da Pequena Nuvem de Magalhães e quase escondido pela miríade de estrelas que se vêem no escuro céu chileno, vemos um ponto verde com uma ténue cauda para ...
potw1307-pt — Fotografia da Semana
Espelho finíssimo a ser testado no ESO
18 de Fevereiro de 2013: Este espelho muito fino deformável foi entregue ao ESO em Garching, Alemanha, e encontra-se a ser testado. Tem 1120 milímetros de diâmetro mas apenas 2 mm de espessura, o que o torna muito mais fino do que a maioria dos espelhos de vidro. O espelho é finíssimo de modo a ser suficientemente flexível para que, quando se lhe aplicam forças electromagnéticas, a sua superfície refletora se altere. Quando instalado no telescópio, a superfície do espelho será constantemente e milimetricamente alterada, corrigindo deste modo os efeitos de distorção causados pela atmosfera terrestre e produzindo assim imagens muito mais nítidas. O novo espelho secundário deformável (DSM, sigla do inglês para deformable secondary mirror) irá substituir o actual espelho secundário de um dos quatro telescópios que compõem o VLT. A estrutura secundária completa inclui um conjunto de 1170 actuadores que aplicam uma força em 1170 ímans colados na parte de baixo da estrutura ...
potw1306-pt — Fotografia da Semana
Pintura a Luz e a Laser
11 de Fevereiro de 2013: Numa noite límpida, na Baviera, o pessoal do ESO assistiu à filmagem de um episódio do ESOcast, episódio esse que tratou da nova unidade compacta de estrela guia laser, a qual pode ser observada em acção no Observatório Público Allgäu em Ottobeuren, Alemanha. Com o brilho dos seus telemóveis, o pessoal do ESO aproveitou a exposição longa desta fotografia para escrever as letras “ESO” a luz, em frente ao observatório. À esquerda do raio laser, podemos ver a Via Láctea e mesmo por cima do horizonte, sobre o observatório, é visível ao longe a linha a tracejado correspondente à passagem de um avião. O laser tem um raio poderoso de 20 watts, e para proteger pilotos e passageiros foi criado, pela Deutsche Flugsicherung (responsável pelo controle de tráfego aéreo na Alemanha), um perímetro de voo interdito em torno do observatório, durante as horas da observação nocturna.As estrelas guia laser são ...
potw1305-pt — Fotografia da Semana
Pôr do Sol no Observatório do Paranal
4 de Fevereiro de 2013: Babak Tafreshi, um Embaixador Fotográfico do ESO, capturou esta bela imagem do Observatório do Paranal do ESO iluminado pelo pôr do Sol. O céu maravilhosamente limpo sugere as condições atmosféricas excepcionais que existem aqui; uma das razões principais para o ESO ter escolhido o Paranal como local do Very Large Telescope (VLT), a sua infraestrutura emblemática. O VLT - que pode ser visto no Cerro Paranal, o pico mais alto da imagem, com uma altitude de 2600 metros - é o observatório astronómico mais avançado do mundo a operar no visível. É composto por quatro telescópios principais, cada um com um espelho primário de 8,2 metros de diâmetro, e quatro telescópios auxiliares de 1,8 metros. O VLT opera nos comprimentos de onda do visível e do infravermelho e dentre as observações pioneiras executadas com o VLT podemos destacar a primeira imagem directa de um exoplaneta (ver eso0515) e a descoberta ...
potw1304-pt — Fotografia da Semana
Um peso-pesado intergaláctico
28 de Janeiro de 2013: Esta imagem profunda mostra o que é conhecido como um superenxame de galáxias - um grupo gigante de enxames de galáxias ligados entre si. Este, conhecido como Abell 901/902, é constituído por três enxames principais diferentes e um número de filamentos de galáxias, típicos de tais super-estruturas. Um dos enxames, Abell 901a, pode ser visto por cima e um pouco à direita da estrela vermelha bastante proeminente que se encontra em primeiro plano, próximo do meio da imagem. Um outro, Abell 901b, está situado à direita de Abell 901a, um pouco mais abaixo. Por fim, o enxame Abell 902 encontra-se diretamente por baixo da estrela vermelha, estendendo-se para baixo na imagem. O superenxame Abell 901/902 situa-se a um pouco mais de dois mil milhões de anos-luz da Terra e contém centenas de galáxias numa região com cerca de 16 milhões de anos-luz de dimensão. Em termos de comparação, o Grupo ...
potw1303-pt — Fotografia da Semana
APEX sob a Lua
21 de Janeiro de 2013: Outra noite estrelada no Planalto do Chajnantor, nos Andes chilenos. O quarto crescente da Lua brilha intensamente nesta imagem, ofuscando os demais objetos celestes. No entanto, para os rádios telescópios como o APEX (sigla do inglês para Atacama Pathfinder Experiment), que se vê na imagem, o luar não atrapalha as observações. Na realidade, uma vez que o próprio Sol não é muito brilhante nos comprimentos de onda do rádio, o telescópio pode também ser utilizado durante o dia, desde que não se aponte diretamente ao Sol.O APEX é um telescópio com 12 metros de diâmetro, que colecta radiação nos comprimentos de onda do milímetro e submilímetro. Os astrónomos que observam com o APEX podem ver fenómenos que seriam invisíveis nos comprimentos de onda mais curtos do infravermelho ou do visível. Por exemplo, o APEX  pode espreitar através de densas nuvens interestelares de gás e poeira cósmica, revelando regiões escondidas onde ...
potw1302-pt — Fotografia da Semana
ALMA tornado miniatura pelos picos das montanhas
14 de Janeiro de 2013: À primeira vista, esta imagem panorâmica mostra o cenário montanhoso do Planalto do Chajnantor, no Chile, com neve e gelo espalhados pelo terreno deserto. Os picos principais, da direita para a esquerda, são: Cerro Chajnantor, Cerro Toco, Juriques e o cone bem distinto do vulcão Licancabur (ver potw1240) - uma imagem impressionante! No entanto, as verdadeiras estrelas da fotografia são as minúsculas e quase invisíveis estruturas mesmo no centro da imagem - apenas perceptíveis se olharmos com muita atenção.Estas estruturas, minúsculas quando comparadas com a sua vizinhança montanhosa, são as antenas que formam o enorme rádio telescópio Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA). Embora pareça extremamente pequenina na imagem, a rede é composta por uma coleção de enormes antenas de 12 e 7 metros de diâmetro e quando estiver completa, contará com um total de 66 antenas espalhadas pelo planalto e separadas de distâncias que vão até aos 16 quilómetros. Espera-se ...
potw1301-pt — Fotografia da Semana
Rastos de estrelas sobre o Yepun
7 de Janeiro de 2013: Esta imagem mostra um dos telescópios que compõem o Very Large Telescope (VLT) do ESO mesmo por baixo de brilhantes rastos de estrelas que circundam o polo sul celeste, um ponto no céu onde se situa a constelação austral do Octante. Estes rastos são arcos de luz que traçam o movimento das estrelas observado no céu à medida que a Terra roda lentamente em torno do seu eixo. Para obter estes rastos de estrelas com a câmara, foram feitas muitas exposições ao longo do tempo e depois combinadas para darem a aparência final de rastos circulares. Iluminado pelo luar, o telescópio que se vê em primeiro plano é apenas um dos quatro telescópios que compõem o VLT, situado no Paranal, no Chile. Na altura da inauguração do observatório do Paranal em 1999, cada telescópio recebeu um nome na língua da tribo nativa Mapuche. Os nomes dos telescópios - Antu, Kueyen, ...
Mostrar 41 até 51 de 51
Envie-nos os seus comentários!
Assine as Notícias do ESO