Fotografia da Semana

Assine as Notícias do ESO
potw1234-pt — Fotografia da Semana
Estrela guia laser varre o céu estrelado
20 de Agosto de 2012: Um poderoso raio laser do Very Large Telescope (VLT) do ESO pinta o céu nocturno sobre o deserto chileno do Atacama nesta bela imagem obtida por Julien Girard. A rotação da Terra durante os 30 minutos da exposição - e o movimento que o laser executa para compensar este efeito - são a razão para o raio aparecer alargado. É também por isso que as estrelas se esticam em traços curvos, revelando subtis diferenças de cor. O laser é utilizado para criar um ponto de luz - uma estrela artificial - ao fazer brilhar átomos de sódio que se encontram a 90 quilómetros de altitude na atmosfera terrestre. As medições desta chamada estrela guia são usadas para corrigir as imagens astronómicas que aparecem desfocadas devido ao efeito de distorção da atmosfera - uma técnica conhecida como óptica adaptiva. Embora se utilizem estrelas brilhantes verdadeiras para a óptica adaptativa, uma estrela ...
potw1233-pt — Fotografia da Semana
Orion olha pelo ALMA
13 de Agosto de 2012: De guarda às antenas do Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA), Orion, o caçador, brilha no alto do céu nocturno chileno. Com a sua característica forma em ampulheta e as três estrelas brilhantes do cinturão de Orion no centro, a constelação é facilmente reconhecível. Tirada a partir do hemisfério sul, esta imagem mostra a espada de Orion por cima do cinturão. A espada alberga um dos objetos celestes mais extraordinários - a Nebulosa de Orion - que vemos como a "estrela" do meio na espada, sendo a sua nebulosidade visível a olho nu sob boas condições de observação. As três antenas ALMA visíveis na imagem representam apenas uma fração da rede ALMA completa, que é constituída por um total de 66 antenas. O ALMA combina os sinais das antenas, separadas por distâncias que vão até 16 quilómetros, formando um único telescópio gigante, através da técnica chamada interferometria. Embora a construção não ...
potw1232-pt — Fotografia da Semana
Desde um caminho de terra batida até ao observatório líder mundial
6 de Agosto de 2012: O ESO faz 50 anos este ano e, para celebrar esta importante data, mostramos momentos do nosso passado. Uma vez por mês, durante todo o ano de 2012, publicamos uma Fotografia da Semana especial de comparação "Antes e Agora", onde mostramos como é que as coisas mudaram ao longo das décadas nos observatórios de La Silla e Paranal, nos gabinetes do ESO em Santiago do Chile e na Sede do ESO em Garching bei München, Alemanha. Este par de fotografias mostra uma panorâmica da entrada do Observatório do Paranal, no norte do Chile, na direção do cume do Cerro Paranal, tal qual como o local era em 1987 e como é hoje em dia. A região do Cerro Paranal foi pela primeira vez inspeccionada, como possível local para o futuro Very Large Telescope (VLT), em 1983 por uma equipe que incluía o então Diretor Geral do ESO, Lodewijk Woltjer (ver ...
potw1231-pt — Fotografia da Semana
Casulo vermelho encerra estrelas jovens
30 de Julho de 2012: Na Terra os casulos estão associados a vida nova. Também há "casulos" no espaço, mas em vez de protegerem larvas à medida que se estas transformam em borboletas, são os locais de nascimentos de novas estrelas. A nuvem vermelha que vemos na imagem, obtida com o instrumento EFOSC2 montado no New Technology Telescope do ESO, é um exemplo perfeito de uma destas regiões de formação estelar. É uma imagem de uma nuvem chamada RCW 88, situada a cerca de dez mil anos-luz de distância e com uma dimensão de cerca de nove anos-luz. Não é feita de seda, como o casulo de um bicho-da-seda, mas sim de hidrogénio gasoso brilhante que rodeia as estrelas recém-formadas. As novas estrelas formam-se de nuvens de hidrogénio à medida que estas colapsam sob o efeito da sua própria gravidade. Algumas das estrelas mais desenvolvidas e que brilham já intensamente, podem ser vistas a espreitar ...
potw1230-pt — Fotografia da Semana
O campo base do Paranal visto de cima
23 de Julho de 2012: Olhando para baixo a partir do excelente miradouro que nos proporciona o Very Large Telescope do ESO no Cerro Paranal, no deserto chileno do Atacama, podemos ver estender-se aos nossos pés o campo base do observatório. A Residencia Paranal, um porto seguro para os que trabalham na montanha, pode ser vista próximo do centro da imagem, com a caraterística cúpula do seu telhado. À esquerda da Residencia, do outro lado da estrada, encontra-se o ginásio do campo base e à esquerda está o Edifício de Manutenção dos Espelhos (MMB sigla do inglês Mirror Maintenance Building), onde os enormes espelhos do VLT são periodicamente limpos e se lhes aplica as camadas protectoras. Por trás do MMB encontra-se a central eléctrica do local e mais à esquerda podemos ver o edifício das oficinas mecânicas. Subindo pela montanha acima, em primeiro plano, vemos o Caminho das Estrelas, um trilho pedonal que vai deste ...
potw1229-pt — Fotografia da Semana
Deslocando uma antena ALMA
16 de Julho de 2012: Esta fotografia mostra uma das antenas europeias de 12 metros de diâmetro do Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) em deslocação na Infraestrutura de Suporte às Operações do projeto. Desde que esta fotografia foi tirada, esta antena, e outras como ela, foram postas em operação, quando o ALMA começou as observações científicas com uma rede parcial (ver eso1137). Mais recentemente, o período de apresentação de Propostas para a nova fase de observações do ALMA terminou na quinta-feira, 12 de Julho. Foram recebidas mais de 1100 propostas vindas de astrónomos de todo o mundo. O ALMA faz as suas observações do planalto do Chajnantor, a uma altitude de 5000 metros. Assim que a construção estiver completa, o ALMA será uma rede de 66 antenas de alta precisão, com 12 e 7 metros de diâmetro, espalhadas por distâncias que vão até aos 16 quilómetros, trabalhando em conjunto como se de um único telescópio ...
potw1228-pt — Fotografia da Semana
De volta à Nebulosa Pata de Gato
9 de Julho de 2012: A Nebulosa Pata de Gato foi revista, numa combinação de exposições obtidas com o telescópio MPG/ESO de 2.2 metros, pelos astrónomos amadores Robert Gendler e Ryan M. Hannahoe. A forma característica da nebulosa aparece revelada nas nuvens avermelhadas de gás brilhante observadas sob um fundo de céu escuro polvilhado de estrelas. A imagem foi criada a partir da combinação de observações já existentes do telescópio MGP/ESO de 2.2 metros instalado no Observatório de La Silla no Chile (ver Foto de Imprensa do ESO eso1003) com 60 horas de exposição num telescópio de 0.4 metros obtidas por Gendler e Hannahoe. A resolução das observações obtidas pelo telescópio MGP/ESO de 2.2 metros foi combinada (utilizando a sua "luminiscência" ou brilho) com a informação de cor das observações de Gendler e Hannahoe, de modo a produzir uma excelente combinação de dados obtidos por telescópios amadores e profissionais. Por exemplo, a informação adicional sobre ...
potw1227-pt — Fotografia da Semana
Um oásis para os astrónomos - a Residencia Paranal do ESO Antes e Agora
2 de Julho de 2012: O ESO faz 50 anos este ano e, para celebrar esta importante data, mostramos momentos do nosso passado. Uma vez por mês, durante todo o ano de 2012, publicamos uma Fotografia da Semana especial de comparação "Antes e Agora", onde mostramos como é que as coisas mudaram ao longo das décadas nos observatórios de La Silla e Paranal, nos gabinetes do ESO em Santiago do Chile e na Sede do ESO em Garching bei München, Alemanha. Desde Fevereiro de 2002 (ver eso0205), que a Residencia Paranal tem albergado o pessoal que trabalha no observatório principal do ESO. É no Paranal, no deserto do Atacama do Chile, que está localizado o Very Large Telescope (VLT). Este mês, a nossa fotografia do Antes e Agora - ambas tiradas pelo Embaixador Fotográfico Gerhard Hüdepohl - mostra-nos uma vista única de como foi construído este oásis no deserto. A fotografia histórica mostra a Residencia ...
potw1226-pt — Fotografia da Semana
Marte, 2099?
25 de Junho de 2012: Numa noite escura e fria em Marte, no meio de um deserto árido, uma estrada estreita iluminada por luzes artificiais serpenteia até a um posto humano avançado no cimo de uma velha montanha. Ou, pelo menos, é o que um fã de ficção científica poderia pensar desta imagem quase extraterrestre. Na realidade, a fotografia mostra o Observatório do Paranal do ESO, local do Very Large Telescope (VLT), na Terra. No entanto, é fácil imaginá-la como uma imagem futura de Marte, talvez no final do século. Por isso mesmo é que Julien Girard, o autor da fotografia, lhe deu o nome de Marte 2099. Situado a 2600 metros de altitude, o Observatório do Paranal encontra-se numa das regiões mais secas e desoladas da Terra, no deserto do Atacama do Chile. A paisagem é tão "marciana", que a Agência Espacial Europeia (ESA) e a NASA testam os rovers marcianos nesta região. Como ...
potw1225-pt — Fotografia da Semana
O Laser do Yepun e as Nuvens de Magalhães
18 de Junho de 2012: Um dos maiores inimigos dos astrónomos é a atmosfera terrestre, que faz com que os objetos celeste apareçam desfocados quando observados por telescópios colocados no solo. Para minimizar este efeito, os astrónomos usam uma técnica chamada óptica adaptativa, na qual espelhos deformáveis controlados por computador são ajustados centenas de vezes por segundo de modo a corrigir a distorção causada pela atmosfera. Esta imagem espetacular mostra Yepun [1], o quatro telescópio de 8.2 metros do Very Large Telescope do ESO (VLT), lançando um poderoso raio laser amarelo para o céu. O raio cria um ponto brilhante - uma estrela artificial - na atmosfera terrestre ao excitar uma camada de átomos de sódio a uma altitude de 90 km. Esta Estrela Guia Laser (LGS, sigla do inglês Laser Guide Star) faz parte do sistema de óptica adaptativa do VLT. A radiação refletida da estrela artificial é utilizada como referência para controlar os ...
potw1224-pt — Fotografia da Semana
Via Láctea em Cascata
11 de Junho de 2012: Muitas fotografias astronómicas captam imagens extraordinárias do céu e esta não é uma excepção. Há, no entanto, algo invulgar neste panorama. Por trás do Very Large Telescope (VLT) do ESO, duas correntes de estrelas parecem descer tal qual quedas de água, ou talvez subir como colunas de fumo em direção aos céus. Este efeito deve-se ao facto do panorama capturar toda a cúpula do céu, desde o zénite até ao horizonte, 360º completos. As duas correntes são, de facto, uma banda única: o plano da nossa Galáxia, a Via Láctea, à medida que atravessa o céu de horizonte a horizonte. Quando passa por cima de nós, parece espalhar-se ao longo de toda a zona superior do panorama, devido à distorção que é necessária para contermos toda a cúpula do céu numa imagem plana rectangular. Para percebermos melhor a imagem, imaginemos que a extrema esquerda está ligada à extrema direita, criando ...
potw1223-pt — Fotografia da Semana
Os computadores do ESO ao longo das décadas - O avanço extraordinário da tecnologia
4 de Junho de 2012: O ESO faz 50 anos este ano e, para celebrar esta importante data, mostramos momentos do nosso passado. Uma vez por mês, durante todo o ano de 2012, publicamos uma Fotografia da Semana especial de comparação "Antes e Agora", onde mostramos como é que as coisas mudaram ao longo das décadas nos observatórios de La Silla e Paranal, nos gabinetes do ESO em Santiago do Chile e na Sede do ESO em Garching bei München, Alemanha. O nosso par de fotografias deste mês mostra como o poder computacional aumentou drasticamente ao longo do tempo. Ambas as fotografias mostram o astrónomo austríaco Rudi Albrecht em frente a sistemas de computadores do ESO, mas em datas separadas por décadas. Na imagem histórica, obtida em 1974 nos gabinetes de ESO em Santiago, Chile, podemos ver Albrecht, com um lápis na mão, a trabalhar sobre um código em frente a um teletipo. Albrecht estava ...
potw1222-pt — Fotografia da Semana
A Via Láctea austral por cima do ALMA
28 de Maio de 2012: O Embaixador Fotográfico do ESO Babak Tefreshi, captou esta impressionante imagem das antenas da rede ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array), tendo como fundo o esplendor da Via Láctea. A riqueza do céu nesta imagem atesta bem as extraordinárias condições que oferece à astronomia o Planalto do Chajnantor, uma região do Atacama situada a 5000 metros de altitude. Nesta imagem podemos ver as constelações de Carina e da Vela. As nuvens de poeira da Via Láctea, obscuras e ténues, cruzam a imagem da zona superior esquerda à zona inferior direita. A estrela brilhante de cor laranja, em cima e à esquerda, é Suhail na Vela, enquanto que a estrela também alaranjada no meio em cima é Avior, na Carina. Das três estrelas azuis brilhantes que formam um "L" perto destas estrelas, duas delas pertencem à Vela e a da direita pertence a Carina. E exactamente no centro da imagem por baixo ...
potw1221-pt — Fotografia da Semana
Penitentes gelados ao luar em Chajnantor
21 de Maio de 2012: Babak Tafreshi, um dos Embaixadores Fotográficos do ESO, capturou este curioso fenómeno no planalto do Chajnantor, o local onde se encontra instalado o Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA). Estas estranhas formações de gelo e neve são conhecidas por penitentes (do espanhol). Aqui encontram-se iluminadas pelo luar, sendo a Lua visível no lado direito da fotografia. No lado esquerdo, mais encima no céu, podemos ver a Grande e a Pequena Nuvem de Magalhães, enquanto que o brilho avermelhado da Nebulosa Carina aparece ao fundo à esquerda, próximo do horizonte. Os penitentes são maravilhas naturais típicas de regiões de elevadas altitudes, tais como os Andes chilenos, que se encontram cerca de 4000 metros acima do nível do mar. São finos bicos e lâminas de gelo ou neve dura, que se formam geralmente em grupos, com as lâminas a apontar na direção do Sol. Atingem alturas que vão desde uns meros centímetros, assemelhando-se ...
potw1220-pt — Fotografia da Semana
Preparando o VLT para imagens ainda mais nítidas
14 de Maio de 2012: Esta fotografia mostra um dos telescópios que compõem o Very Large Telescope (VLT), o telescópio 4 (UT4, sigla do inglês), quanto esteve recentemente nas mãos dos engenheiros do ESO. O telescópio foi rodeado por uma série de andaimes temporários, que faziam parte das preparações para a instalação da nova Infraestrutura de Óptica Adaptativa (AOF, sigla do inglês). Este processo vai converter o UT4 num telescópio completamente adaptativo. A AOF corrigirá os efeitos de imagens difusas e indefinidas devido à atmosfera terrestre e permitirá a obtenção de imagens muito mais nítidas por parte dos instrumentos HAWK-I e MUSE. Estão a ser acrescentados ao UT4 muitos componentes novos que fazem parte da AOF. Entre eles encontra-se o espelho secundário deformável (DSM, sigla do inglês): um espelho muito fino, com 1.1 metros de diâmetro mas apenas 2 milímetros de espessura. O espelho é suficientemente fino para se deformar facilmente sob a ação de ...
potw1219-pt — Fotografia da Semana
Três telescópios muito diferentes em La Silla
7 de Maio de 2012: O ESO faz 50 anos este ano e, para celebrar esta importante data, mostramos momentos do nosso passado. Uma vez por mês, durante todo o ano de 2012, publicamos uma Fotografia da Semana especial de comparação "Antes e Agora", onde mostramos como é que as coisas mudaram ao longo das décadas nos observatórios de La Silla e Paranal, nos gabinetes do ESO em Santiago do Chile e na Sede do ESO em Garching bei München, Alemanha. Estas duas fotografias foram tiradas do pico mais alto de La Silla, uma montanha a uma altitude de 2400 metros, na periferia do deserto do Atacama, no Chile. La Silla foi o local do primeiro observatório do ESO. A fotografia histórica, tirada em 1975, mostra alguns dos camiões e outro equipamento utilizados na construção da cúpula do telescópio de 3.6 metros do ESO, o qual estava a ser construído numa zona por detrás do ...
potw1218-pt — Fotografia da Semana
Sol, Lua e telescópios por cima do deserto
30 de Abril de 2012: A beleza etérea do deserto do Atacama no Chile, local onde está instalado o Very Large Telescope do ESO (VLT), estende-se neste panorama até ao horizonte. Os quatro grandes telescópios do VLT, cada um com um espelho de 8.2 metros de diâmetro, situam-se no Cerro Paranal, o pico mais alto que se vê no centro da imagem. O telescópio de rastreio VISTA encontra-se no pico situado à esquerda do Cerro Paranal. Este telescópio de 4.1 metros mapeia grandes zonas do céu, procurando alvos interessantes que o VLT e outros telescópios, tanto no solo como no espaço, estudarão em grande detalhe. Esta região oferece algumas das melhores condições de observação do céu nocturno de todo o planeta. À direita deste panorama de 360 graus, o Sol está a pôr-se sobre o Oceano Pacífico, lançando grandes sombras na paisagem. À esquerda, a Lua brilha no céu. Dentro de pouco tempo, começarão as ...
potw1217-pt — Fotografia da Semana
A Lua e o Arco da Via Láctea
23 de Abril de 2012: O Embaixador Fotográfico do ESO Stéphane Guisard capturou este extraordinário panorama a partir do local do ALMA, o Atacama Large Millimeter/submillimeter Array, nos Andes chilenos. O planalto do Chajnantor extremamente seco e a 5000 metros de altitude, oferece o sítio perfeito para este telescópio de vanguarda, que estuda o Universo nos comprimentos de onda do milímetro e do submilímetro. Várias antenas gigantes dominam o centro da imagem. Quando o ALMA estiver completo, contará com um total de 54 destas antenas com 12 metros de diâmetro. Por cima da rede de antenas, o arco da Via Láctea torna o fundo resplandecente. Quando este panorama foi fotografado, a Lua encontrava-se próximo do centro da Via Láctea no céu, o luar brilhando sobre as antenas. A Grande e a Pequena Nuvem de Magalhães, as maiores galáxias satélites anãs da Via Láctea, aparecem à esquerda como duas manchas luminosas no céu. Podemos também observar ...
potw1216-pt — Fotografia da Semana
APEX de sentinela no Chajnantor
16 de Abril de 2012: O telescópio Atacama Pathfinder Experiment (APEX) perscruta o céu do Chajnantor durante uma noite iluminada pelo lunar, num dos locais mais altos e secos do planeta onde está instalado um observatório. Tesouros astronómicos enchem o céu por cima do telescópio, testemunhando as excelentes condições de observação que nos oferece esta região do deserto do Atacama, no Chile. À esquerda brilham as estrelas que compõem a cauda da constelação do Escorpião. O "espigão" do escorpião está representado pelas duas estrelas brilhantes que se encontram particularmente próximas uma da outra. Ao longo de todo o céu, podemos observar o plano da Via Láctea, que se parece com uma banda de nuvens brilhando tenuamente. Entre o Escorpião e a constelação seguinte à direita (Sagitário), que está mesmo por cima da antena do APEX, podemos ver claramente um brilhante enxame de estrelas. Trata-se do enxame aberto Messier 7, também conhecido como Enxame de Ptolomeu. ...
potw1215-pt — Fotografia da Semana
A toda a volta do Chajnantor - um panorama de 360 graus
9 de Abril de 2012: Embora o "Cerro Chico" atinja a altitude de 5300 metros acima do nível do mar, é apenas uma pequena montanha no meio da paisagem majestosa do planalto dos Andes. Efectivamente, o próprio nome significa "pequena montanha" em espanhol. No entanto, devido à sua posição no planalto Chajnantor, o topo do Cerro Chico oferece-nos um excelente miradouro, relativamente fácil de alcançar, a partir do qual podemos apreciar uma paisagem magnífica. Este panorama de 360 graus está centrado a nordeste, onde os vulções mais altos - a maioria acima dos 5500 metros - podem ser vistos. No centro encontra-se o próprio Cerro Chajnantor. À direita, no planalto, está o telescópio APEX (Atacama Pathfinder Experiment) com o Cerro Chascon mesmo por trás. Ainda mais à direita, a sudeste, o planalto Chajnantor aparece quase completamente visível. Para além do telescópio APEX, podemos avistar à direita mais três antenas do ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array). ...
Mostrar 121 até 140 de 170
Envie-nos os seus comentários!
Assine as Notícias do ESO