eso1021pt — Foto de Imprensa

Um Zoo Cósmico na Grande Nuvem de Magalhães

1 de Junho de 2010

Os astrónomos observam muitas vezes a Grande Nuvem de Magalhães (LMC), uma das galáxias mais próximas da nossa Via Láctea, na sua procura incessante dos segredos do Universo. Nesta nova imagem espectacular obtida com o instrumento Wide Field Imager (WFI) no Observatório de La Silla do ESO, no Chile, podemos observar uma vasta colecção de diferentes objectos e fenómenos numa região da LMC, desde enormes enxames globulares até aos restos deixados por explosões de supernovas brilhantes. Esta observação fascinante fornece dados para uma enorme variedade de projectos de investigação, mostrando a vida e a morte de estrelas e a evolução de galáxias.

A Grande Nuvem de Magalhães (LMC, acrónimo do inglês Large Magellanic Cloud) encontra-se a apenas 160 000 anos-luz de distância - ou seja, muito próxima à escala cósmica. Esta proximidade torna-a um alvo importante, já que pode ser estudada com muito mais detalhe do que sistemas mais distantes. A LMC situa-se na constelação de Dourado, no céu austral, ou seja, muito bem colocada para ser observada a partir dos Observatórios do ESO, no Chile. É uma das galáxias que pertence ao Grupo Local, do qual a Via Láctea faz parte [1]. Embora seja enorme à escala humana, a LMC tem menos de um décimo da massa da nossa casa galáctica e tem um comprimento de apenas 14 000 anos-luz, a comparar aos cerca de 100 000 anos-luz da Via Láctea. Os astrónomos classificam-na como uma galáxia anã irregular [2]. As suas irregularidades, combinadas com a sua barra central proeminente de estrelas, sugerem que interacções de maré com a Via Láctea e com a sua companheira  do Grupo Local, a Pequena Nuvem de Magalhães, podem ter distorcido a sua forma de galáxia espiral barrada clássica para a sua actual forma caótica.

Esta imagem é um mosaico composto de quatro fotografias obtidas com o instrumento Wide Field Imager montado no telescópio MPG/ESO de 2.2 metros, situado no Observatório de La Silla, no Chile. A imagem cobre uma região do céu quatro vezes maior do que a coberta pela Lua Cheia. O grande campo de visão da câmara torna possível observar uma grande variedade de objectos na LMC numa única fotografia, embora apenas se inclua uma pequena parte da galáxia. Dúzias de enxames de estrelas jovens podem ser igualmente observados sob a forma de resquícios de nuvens de gás brilhante. Enormes quantidades de estrelas de fraca luminosidade enchem a imagem de ponta a ponta e no plano de fundo são visíveis mais galáxias, muito para além da LMC.

Os enxames globulares são colecções de centenas de milhar a milhões de estrelas ligadas entre si pela gravidade, dispostas em forma mais ou menos esférica, com cerca de alguns anos-luz de diâmetro. Muitos enxames orbitam a Via Láctea e a maioria é muito velha, com mais de dez milhares de milhões de anos de idade. São compostos essencialmente por estrelas vermelhas velhas. A LMC também possui enxames globulares e um deles é visível como um enxame de estrelas de forma oval branca desfocada na parte superior central da imagem. Trata-se de NGC 1978, um enxame globular de grande massa, o que é algo pouco comum. Contrariamente à maioria dos outros enxames globulares, crê-se que NGC 1978 tenha apenas 3.5 milhares de milhões de anos de idade. A presença de um objecto deste tipo na LMC leva os astrónomos a pensar que esta galáxia tem uma história mais recente de formação estelar activa do que a nossa própria Via Láctea.

Para além de ser uma região vigorosa de nascimento de estrelas, a LMC viu também muitas mortes espectaculares de estrelas, sob a forma de explosões de supernovas brilhantes. Na parte superior direita da imagem, o resto de uma tal supernova pode ser observado, sob a estranha forma de uma nuvem filamentar chamada DEM L 190, também referida muitas vezes como N 49. Esta nuvem gigante de gás brilhante é o resto de supernova mais brilhante da LMC e tem cerca de 30 anos-luz de comprimento. No centro, onde a estrela brilhava outrora, encontra-se agora uma estrela de neutrões com um campo magnético extremamente forte. Foi apenas em 1979 que satélites orbitando a Terra detectaram a poderosa explosão de raios gama emitida por este objecto, chamando a atenção para as propriedades extremas desta nova classe estelar exótica criada pelas explosões de supernovas.

Esta parte da Grande Nuvem de Magalhães encontra-se tão cheia de enxames estelares e outros objectos, que os astrónomos podem passar carreiras inteiras a explorá-la. Com tanta actividade, é fácil compreender porque é que os astrónomos têm tanta vontade de estudar as estranhas criaturas deste zoo celeste.

Notas

[1] http://en.wikipedia.org/wiki/Local_Group

[2] http://en.wikipedia.org/wiki/Galaxy_morphological_classification

Informações adicionais

O ESO, o Observatório Europeu do Sul, é a mais importante organização europeia intergovernamental para a investigação em astronomia e é o observatório astronómico mais produtivo do mundo. O ESO é financiado por 14 países: Áustria, Alemanha, Bélgica, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Itália, Holanda, Portugal, Reino Unido, República Checa, Suécia e Suíça. O ESO destaca-se por levar a cabo um programa de trabalhos ambicioso, focado na concepção, construção e funcionamento de observatórios astronómicos terrestres de ponta, que possibilitam aos astrónomos importantes descobertas científicas. O ESO também tem um papel importante na promoção e organização de cooperação na investigação astronómica. O ESO mantém em funcionamento três observatórios de ponta, no Chile: La Silla, Paranal e Chajnantor. No Paranal, o ESO opera o Very Large Telescope, o observatório astronómico, no visível, mais avançado do mundo e o VISTA, o maior telescópio de rastreio do mundo. O ESO é o parceiro europeu do revolucionário telescópio ALMA, o maior projecto astronómico que existe actualmente. O ESO encontra-se a planear o European Extremely Large Telescope, E-ELT, um telescópio de 42 metros que observará na banda do visível e próximo infravermelho. O E-ELT será “o maior olho no céu do mundo”.

Links

Contactos

João Fernandes
Departamento de Matemática, Universidade de Coimbra
Coimbra, Portugal
Tel.: 914002960
Email: eson.portugal@gmail.com

Richard Hook
ESO, Survey Telescopes PIO
Garching, Germany
Tel.: +49 89 3200 6655
Email: rhook@eso.org

Este texto é a tradução da Nota de Imprensa do ESO eso1021, cortesia do ESON, uma rede de pessoas nos Países Membros do ESO, que servem como pontos de contacto local com os meios de comunicação social, em ligação com os desenvolvimentos do ESO. A representante do nodo português é Margarida Serote.

Sobre a Nota de Imprensa

Nº da Notícia:eso1021pt
Nome:NGC 1978
Tipo:• Local Universe : Star : Grouping : Cluster : Globular
Facility:MPG/ESO 2.2-metre telescope

Imagens

Detailed view of a section of the Large Magellanic Cloud
Detailed view of a section of the Large Magellanic Cloud
apenas em inglês
Detailed annotated view of a section of the Large Magellanic Cloud
Detailed annotated view of a section of the Large Magellanic Cloud
apenas em inglês
Wide-field view of part of the Large Magellanic Cloud
Wide-field view of part of the Large Magellanic Cloud
apenas em inglês
The entire Large Magellanic Cloud with annotations
The entire Large Magellanic Cloud with annotations
apenas em inglês

Vídeos

Zooming in on the Large Magellanic Cloud
Zooming in on the Large Magellanic Cloud
apenas em inglês
Panning across part of the Large Magellanic Cloud
Panning across part of the Large Magellanic Cloud
apenas em inglês

Veja também