eso1704pt — Nota de Imprensa Institucional

Assinados contratos para espelhos e sensores do ELT

18 de Janeiro de 2017

Numa cerimónia que decorreu hoje na Sede do ESO foram assinados 4 contratos para componentes principais do Extremely Large Telescope (ELT), o telescópio que o ESO se encontra a construir. Os contratos dizem respeito a: moldagem dos espelhos secundário e terciário do telescópio gigante, atribuído à SCHOTT; fornecimento de células de apoio para suportar estes dois espelhos, atribuído ao Grupo SENER; fornecimento dos sensores de borda que formam uma parte vital do sistema de controlo do enorme espelho primário segmentado do ELT, atribuído ao consórcio FAMES. O espelho secundário será o maior espelho alguma vez utilizado num telescópio e também o maior espelho convexo jamais construído.

A construção do ELT de 39 metros, o maior telescópio do mundo a operar no óptico/infravermelho próximo, continua a avançar. O telescópio gigante contará com um complexo sistema óptico pioneiro de cinco espelhos, o qual requer elementos ópticos e mecânicos que levam a tecnologia moderna aos seus limites.

Contratos para o fabrico de vários dos componentes deste telescópio acabam de ser assinados entre o Diretor Geral do ESO, Tim de Zeeuw, e os representantes de três empresas industriais dos Países Membros do ESO.

Na abertura da cerimónia, Tim de Zeeuw disse: “Sinto enorme prazer em assinar hoje estes 4 contratos, cada um deles para componentes avançados do coração do sistema óptico revolucionário do ELT. Estes contratos demonstram bem como a construção deste telescópio gigante avança a toda a velocidade — preparando-se para a sua primeira luz em 2024. O pessoal do ESO aguarda com expectativa trabalhar com a SCHOTT, SENER e FAMES — três parceiros industriais líderes dos nossos Estados Membros.”

Os dois primeiros contratos foram assinados por Christoph Fark, Vice Presidente Executivo da SCHOTT. Cobrem a moldagem dos dois maiores espelhos simples do ELT — o secundário de 4,2 metros e o terciário de 3,8 metros — que serão fabricados em Zerodur©, o material cerâmico de baixa expansão térmica da SCHOTT [1].

Pendurado de cabeça para baixo no topo do telescópio e colocado por cima do espelho primário de 39 metros, o espelho secundário será o maior espelho alguma vez utilizado num telescópio e o maior espelho convexo jamais construído [2]. O espelho terciário côncavo é também uma componente invulgar do telescópio [3]. Os espelhos secundário e terciário do ELT rivalizam em termos de tamanho com os espelhos primários de muitos telescópios de investigação modernos, e pesarão 3,5 e 3,2 toneladas, respectivamente [4]. O espelho secundário será entregue no final de 2018 e o terciário em julho de 2019.

O terceiro contrato foi assinado por Diego Rodríguez, Diretor do Departamento Espacial do Grupo SENER. Cobre o fornecimento de sofisticadas células de apoio aos espelhos secundário e terciário do ELT e os sistemas ópticos ativos complexos associados que garantirão que estes espelhos maciços mas flexíveis mantenham a forma correta e fiquem corretamente posicionados no interior do telescópio. É necessária uma enorme precisão para que o telescópio possa fornecer uma perfeita qualidade de imagem. 

O quarto contrato foi assinado por Didier Rozière, Diretor Executivo (FAMES, Fogale) e Martin Sellen, Diretor Executivo (FAMES, Micro-Epsilon), em prol do consórcio FAMES, que é composto pela Fogale e pela Micro-Epsilon. O contrato cobre o fabrico de 4608 sensores de borda para os 798 segmentos hexagonais do espelho primário do ELT [5].

Estes sensores serão os mais precisos alguma vez utilizados num telescópio e podem medir posições relativas com uma precisão de alguns nanómetros. Formam uma parte fundamental do complexo sistema que irá detectar continuamente a posição dos segmentos do espelho primário relativamente aos seus vizinhos, permitindo assim que estes segmentos trabalhem em uníssono para formar um sistema de imagem perfeito. Trata-se de um desafio enorme já que os sensores terão que ser fabricados não só com a precisão pretendida, mas também com a rapidez necessária para que milhares de unidades possam ser entregues em escalas de tempo necessariamente curtas.

A cerimónia de assinatura contou também com a presença de outros altos representantes das empresas envolvidas com o ESO. Tratou-se de uma excelente oportunidade para os representantes das empresas que fabricarão muitos dos componentes ópticos e mecânicos do telescópio gigante se conhecerem de modo informal, no momento em que começam a construir o maior olho do mundo virado para o céu.

Notas

[1] O Zerodur foi inicialmente desenvolvido para telescópios astronómicos no final dos anos 1960. Trata-se de um material com quase nenhuma expansão térmica, o que significa que, mesmo no caso de grandes flutuações de temperatura, o material não se expande. Quimicamente, é muito resistente e pode ser polido até um elevado padrão de acabamento. A camada refletora propriamente dita, composta de alumínio ou prata, é normalmente vaporizada na superfície extremamente lisa pouco antes do telescópio entrar em operação. Muitos telescópios apetrechados com espelhos de Zerodur trabalham há décadas de forma bastante fiável, como por exemplo o Very Large Telescope do ESO no Chile.

[2] Como o espelho secundário será altamente convexo, o seu fabrico trata-se de um desafio considerável e o resultado constituirá um exemplo verdadeiramente notável de engenharia óptica de precisão. Tal como muitos elementos do ELT, este será um trabalho verdadeiramente pioneiro nesta área da tecnologia. O peso total do espelho secundário e do seu sistema de suporte é de 12 toneladas — e uma vez que o conjunto estará pendurado sobre o espelho primário, têm que ser tomadas todas as precauções para que não caia!

[3] A maioria dos grandes telescópios atuais, incluindo o VLT e o Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA, usam apenas dois espelhos curvos para formar uma imagem. Nestes casos, é por vezes introduzido um espelho terciário para desviar a luz para um foco mais conveniente — utilizando-se normalmente um espelho pequeno e plano. No caso do ELT, o terciário terá também uma superfície curva, já que o uso de três espelhos, em vez de dois, permite a obtenção de uma melhor qualidade de imagem final sobre um grande campo de visão.

[4] O contrato para o polimento do espelho secundário já foi adjudicado.

[5] Nesta fase foram encomendados 3288 sensores (Fase 1 do ELT). Na Fase 2 do ELT serão incluídos uns adicionais 1320, num total de 4608.

Informações adicionais

O ESO é a mais importante organização europeia intergovernamental para a investigação em astronomia e é de longe o observatório astronómico mais produtivo do mundo. O ESO é  financiado por 16 países: Alemanha, Áustria, Bélgica, Brasil, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Holanda, Itália, Polónia, Portugal, Reino Unido, República Checa, Suécia e Suíça, assim como pelo Chile, o país de acolhimento. O ESO destaca-se por levar a cabo um programa de trabalhos ambicioso, focado na concepção, construção e operação de observatórios astronómicos terrestres de ponta, que possibilitam aos astrónomos importantes descobertas científicas. O ESO também tem um papel importante na promoção e organização de cooperação na investigação astronómica. O ESO mantém em funcionamento três observatórios de ponta no Chile: La Silla, Paranal e Chajnantor. No Paranal, o ESO opera  o Very Large Telescope, o observatório astronómico óptico mais avançado do mundo e dois telescópios de rastreio. O VISTA, o maior telescópio de rastreio do mundo que trabalha no infravermelho e o VLT Survey Telescope, o maior telescópio concebido exclusivamente para mapear os céus no visível. O ESO é um parceiro principal no ALMA, o maior projeto astronómico que existe atualmente. E no Cerro Armazones, próximo do Paranal, o ESO está a construir o European Extremely Large Telescope (E-ELT) de 39 metros, que será “o maior olho do mundo virado para o céu”.

Links

Contactos

Margarida Serote
Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço
Portugal
Telm.: 964951692
Email: eson-portugal@eso.org

Richard Hook
ESO Public Information Officer
Garching bei München, Germany
Tel.: +49 89 3200 6655
Telm.: +49 151 1537 3591
Email: rhook@eso.org

Connect with ESO on social media

Este texto é a tradução da Nota de Imprensa do ESO eso1704, cortesia do ESON, uma rede de pessoas nos Países Membros do ESO, que servem como pontos de contacto local com os meios de comunicação social, em ligação com os desenvolvimentos do ESO. A representante do nodo português é Margarida Serote.

Sobre a Nota de Imprensa

Nº da Notícia:eso1704pt
Nome:European Extremely Large Telescope
Tipo:Unspecified : Technology : Observatory : Telescope

Imagens

O sistema óptico do ELT onde se pode ver a localização dos espelhos
O sistema óptico do ELT onde se pode ver a localização dos espelhos
Assinatura dos contratos com a SCHOTT para os espelhos M2 e M3 do ELT
Assinatura dos contratos com a SCHOTT para os espelhos M2 e M3 do ELT
Assinatura do contrato para as células de apoio dos espelhos M2 e M3 do ELT
Assinatura do contrato para as células de apoio dos espelhos M2 e M3 do ELT
Assinatura de contratos para os sensores de borda do espelho primário do ELT
Assinatura de contratos para os sensores de borda do espelho primário do ELT
Cerimónia da assinatura do contrato para a moldagem dos espelhos M2 e M3 do ELT
Cerimónia da assinatura do contrato para a moldagem dos espelhos M2 e M3 do ELT
Cerimónia da assinatura do contrato para as células de apoio dos espelhos M2 e M3 do ELT
Cerimónia da assinatura do contrato para as células de apoio dos espelhos M2 e M3 do ELT
Cerimónia da assinatura do contrato para os sensores de borda do M1 do ELT
Cerimónia da assinatura do contrato para os sensores de borda do M1 do ELT
Participantes da cerimónia de assinatura de contratos para o ELT que decorreu na Sede do ESO
Participantes da cerimónia de assinatura de contratos para o ELT que decorreu na Sede do ESO
O sistema óptico do ELT onde se pode ver a localização dos espelhos
O sistema óptico do ELT onde se pode ver a localização dos espelhos

Vídeos

ESOcast 93 Light: Início da construção dos espelhos e sensores do maior olho do mundo virado para o céu
ESOcast 93 Light: Início da construção dos espelhos e sensores do maior olho do mundo virado para o céu

Veja também