Interferometria

The principle of interferometryEm princípio, quanto maior for o espelho do telescópio mais detalhes poderemos observar. As técnicas como a óptica adaptiva e a óptica ativa, ambas utilizadas pelo ESO, podem tirar partido de todo o potencial de um espelho grande. A óptica adaptiva ajuda a contrabalançar os efeitos da turbulência atmosférica e a óptica ativa é usada para manter estável os espelhos primáros de 8,2 metros de diâmetro do Very Large Telescope (VLT) do ESO. Estas duas técnicas poderosas permitem que os quatro Telescópios Principais do VLT distingam detalhes da ordem dos 50 milisegundos de arco, o que equivale ao tamanho de uma moeda de 2 euros vista a uma distância de 100 km. A capacidade de um telescópio de dintinguir detlahes é conhecida pela sua resolução.

Continuar a aumentar o tamanho dos espelhos de telescópio não é tarefa fácil, por isso os astrónomos desenvolveram uma nova tecnologia para ver ainda mais detalhes: a  interferometria. Esta técnica observacional combina a radiação recebida por dois ou mais telescópios, permitindo que atuem como um único telescópio com um espelho de diâmetro equivalente à distância entre os telescópios individuais.

The VLTI tunnelsOs engenheiros conceberam o VLT de tal modo que pode ser usado como um interferómetro. Para além dos quatro Telescópios Principais de 8,2 metros, quatro Telescópios Auxiliares (AT) móveis de 1,8 metros foram incluídos no conceito do VLT, formando assim o Interferómetro do Very Large Telescope (VLTI). Os ATs podem deslocar-se entre 30 posições diferentes pré-definidas e, presentemente, os telescópios podem agrupar-se a dois ou três para trabalharem em modo de interferometria.

Using interferometryUm complexo sistema de espelhos traz a radiação dos diferentes telescópios aos instrumentos astronómicos, onde é combinada e processada. Este feito requer uma extraordinária precisão - os percursos percorridos pela radiação devem ser iguais a menos de 1 milésimo de milímetro para distâncias de algumas centenas de metros. No caso dos Telescópios Principais, isto corresponde a um espelho equivalente com um diâmetro que vai até aos 130 metros e, quando se combinam os Telescópios Auxiliares, chegamos a diâmetros de espelho equivalente de 200 metros, o que corresponde a 25 vezes melhor que a resolução de um único Telescópio Principal do VLT.

O VLTI deu aos astrónomos a possibilidade de estudar objetos celestes com um detalhe sem precedentes. Podemos observar detalhes na superfície das estrelas e até estudar o ambiente próximo de um buraco negro. O VLTI permitiu a obtenção de uma das imagens mais nítidas de sempre de uma estrela, com uma resolução espacial de  apenas 4 milisegundos de arco, o que equivale a distinguir a cabeça de um parafuso a uma distância de 300 km.