As galáxias morrem de dentro para fora

A formação estelar em galáxias que estão agora “mortas” desligou-se há bilhões de anos atrás. O Very Large Telescope do ESO e o Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA revelaram que três bilhões de anos após o Big Bang, estas galáxias ainda formavam estrelas nas suas periferias, mas isso já não acontecia nos seus interiores. O desligar da formação estelar parece ter-se iniciado nos núcleos das galáxias, espalhando-se depois para as regiões mais externas.

Este diagrama ilustra este processo. Galáxias do Universo primordial situam-se à esquerda no diagrama. As regiões azuis são onde a formação estelar se encontra ativa e as regiões vermelhas mostram as regiões “mortas” das galáxias, ou seja, onde existem apenas estrelas velhas vermelhas e não se formam já estrelas jovens azuis. As galáxias esferoidais que resultam do processo e se encontram no Universo atual estão do lado direito do diagrama.

Crédito:

ESO

Sobre a imagem

Id:eso1516a
Idioma:pt-br
Tipo:Ilustração
Data de divulgação:16 de Abril de 2015 às 20:00
Notícias relacionadas:eso1516
Tamanho:5000 x 3000 px

Sobre o objeto

Tipo:Early Universe : Galaxy : Type : Elliptical

Formatos de imagens

JPEG grande
5,7 MB

 

Veja também