Orion, o gigante caçador, faz vigília no ALMA

Com as costas voltadas para a constelação de Orion, as 66 antenas do Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) encontram-se empoleiradas no cimo do planalto do Chajnantor nos Andes chilenos.

Ilustrando de forma clara o motivo da escolha deste local para colocar a rede, deparamo-nos com uma vista soberba da Nebulosa de Orion - também conhecida por Messier 42. Esta nebulosa situa-se no centro da imagem, com a brilhante estrela vermelha Betelgeuse (Alfa Orionis) à direita. Tratam-se de duas das visões mais espetaculares no céu noturno.

Betelgeuse é uma estrela supergigante vermelha, digna de nota por se tratar de uma provável candidata, entre as estrelas na nossa Galáxia, a transformar-se numa supernova num futuro próximo, isto é, um futuro próximo a uma escala cósmica - um relatório recente sugere 100 000 anos, um mero piscar de olhos galácticos. Quando isto acontecer, tornar-se-á no segundo objeto mais brilhante do nosso céu, logo depois da Lua.

O ALMA, no entanto, perscruta o cosmos mais profundamente de modo a estudar os locais mais antigos e frios pela detecção de radiação nos comprimentos de onda milimétricos e submilimétricos. As suas antenas podem ser deslocadas de forma independente e observam o céu em perfeita sintonia, utilizando um processo chamado interferometria para obter resultados que, de outro modo, necessitariam de um único telescópio de 14 000 metros de diâmetro.

Crédito:

ESO/B. Tafreshi (twanight.org)

Sobre a imagem

Id:potw1513a
Idioma:pt-br
Tipo:Fotográfico
Data de divulgação:30 de Março de 2015 às 10:00
Tamanho:13239 x 3829 px

Sobre o objeto

Nome:Atacama Large Millimeter/submillimeter Array, Orion
Tipo:Unspecified : Technology : Observatory

Formatos de imagens

JPEG grande
13,1 MB

Zoom


Papéis de parede

1024x768
242,5 KB
1280x1024
398,5 KB
1600x1200
499,0 KB
1920x1200
588,1 KB
2048x1536
746,2 KB

 

Veja também