Leviatãs no Atacama

O deserto chileno do Atacama é composto por mais de 100 000 quilômetros quadrados de terreno árido e estéril. No entanto, para os astrônomos que trabalham no maior projeto astronômico que existe na face da Terra, o Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA), algumas das medidas mais importantes ocorrem em escala milimétrica.

O Local de Apoio às Operações do ALMA situa-se a uma altitude de 2900 metros nos Andes chilenos. É aqui que astrônomos, técnicos e engenheiros controlam cada uma das 66 antenas do ALMA, antenas estas que estão colocadas 2000 metros mais acima, a um altitude de 5000 metros, no topo do planalto do Chajnantor. Levar as antenas até ao planalto representa um importante desafio de engenharia.

É por isso que precisamos do Otto e do Lore! Estes enormes monstros amarelos — um dos quais podemos ver nesta imagem — foram especialmente concebidos e construídos na Alemanha para carregarem as antenas de 100 toneladas desde o Local de Apoio às Operações até ao alto do Chajnantor (uma distância de cerca de 28 km). Quando chegam, estes transportadores colocam cada antena no seu lugar com uma precisão milimétrica. Esta posição exata é crucial para operar a rede científica, permitindo ao ALMA produzir algumas das imagens mais nítidas do Universo.

Podemos ver o Otto e o Lore em ação no ESOcast 56: Gigantes delicados no deserto.

Crédito:

ESO/B. Tafreshi (twanight.org)

Sobre a imagem

Id:potw1839a
Idioma:pt-br
Tipo:Fotográfico
Data de divulgação:24 de Setembro de 2018 às 06:00
Tamanho:35973 x 8641 px

Sobre o objeto

Nome:ALMA transporters
Tipo:Unspecified : Technology : Observatory : Telescope

Formatos de imagens

JPEG grande
37,2 MB

Zoom


Papéis de parede

1024x768
216,8 KB
1280x1024
292,3 KB
1600x1200
386,5 KB
1920x1200
454,8 KB
2048x1536
539,9 KB

 

Veja também