O olho submilimétrico do ESO

A antena parabólica de 12 metros de diâmetro do APEX (Atacama Pathfinder  Experiment) nos aparece muito sozinha nesta imagem aérea do planalto do Chajnantor no norte do Chile. A neve que se vê ao fundo atesta bem as temperaturas geladas que se fazem sentir a uma altitude superior a 5000 metros. Este telescópio está situado no árido deserto do Atacama, local que experimenta uma precipitação média de apenas 100 milímetros por ano.

Desde a sua primeira luz em 2004 que o APEX tem contribuído muito para o nosso entendimento do Universo nos comprimentos de onda submilimétricos nas áreas da formação de estrelas e planetas, galáxias muito distantes do Universo primordial e condições existentes em nuvens moleculares. Entre as suas várias descobertas astronômicas, o APEX foi o primeiro telescópio a detectar peróxido de hidrogênio no espaço e foi também o primeiro a observar um disco circunstelar em torno de uma jovem estrela massiva.

O APEX foi criado a partir de uma antena protótipo modificada para o ALMA. O ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array) encontra-se a uma curta distância do APEX e é o maior projeto astronômico terrestre atualmente em operação, focando-se também na formação de estrelas e planetas, tanto no Universo local como no primordial.

Crédito:

ALMA (ESO/NAOJ/NRAO)

Sobre a imagem

Id:potw1933a
Idioma:pt-br
Tipo:Fotográfico
Data de divulgação:19 de Agosto de 2019 às 06:00
Tamanho:5464 x 3070 px

Sobre o objeto

Nome:Atacama Pathfinder Experiment
Tipo:Unspecified : Technology : Observatory : Facility

Formatos de imagens

JPEG grande
3,6 MB

Zoom


Papéis de parede

1024x768
245,8 KB
1280x1024
376,8 KB
1600x1200
534,2 KB
1920x1200
639,9 KB
2048x1536
839,4 KB

 

Veja também