eso1549pt-br — Nota de imprensa científica

O ALMA revela locais de construção planetária

Novas evidências apontam para a existência de jovens planetas em discos que rodeiam estrelas jovens

16 de Dezembro de 2015

Com o auxílio do Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA), astrônomos obtiveram as mais claras indicações conseguidas até hoje de que planetas com várias vezes a massa de Júpiter se formaram recentemente nos discos de gás e poeira que rodeiam quatro estrelas jovens. Medições do gás em torno das estrelas forneceram também pistas adicionais relativas às propriedades destes planetas.

Existem planetas em órbita de quase todas as estrelas, no entanto os astrônomos ainda não compreendem bem como — e sob que condições — é que estes corpos se formam. Para responder a estas perguntas, foi feito um estudo dos discos em rotação de gás e poeira que se situam em torno de estrelas jovens e a partir dos quais se formam os planetas. Como estes discos são pequenos e encontram-se muito distantes da Terra, foi necessário utilizar o ALMA para revelar os seus segredos.

Uma classe especial destes discos, os discos transitórios, possui uma falta surpreendente de poeira nos seus centros, na região em torno da estrela. Duas ideias principais foram adiantadas para explicar estas estranhas cavidades na poeira dos discos. A primeira diz que ventos estelares fortes e radiação intensa poderiam ter soprado para longe ou mesmo destruído o material à sua volta [1]. Alternativamente, planetas jovens massivos em processo de formação poderão também ter limpo o material à medida que orbitam a estrela [2].

A sensibilidade sem paralelo e a nitidez de imagem do ALMA permitiram a uma equipe de astrônomos, liderada por Nienke van der Marel do Observatório de Leiden, Holanda, mapear de modo muito rigoroso a distribuição do gás e poeira em quatro discos transitórios [3]. Este estudo permitiu à equipe escolher pela primeira vez entre as duas diferentes opções que poderão causar estas cavidades na poeira dos discos.

Estas novas imagens mostram que existem quantidades significativas de gás no interior das cavidades da poeira [4]. No entanto, e para surpresa da equipe, o gás possui também ele uma cavidade, embora esta seja até cerca de três vezes menor que a da poeira.

Este resultado só pode ser explicado pelo cenário de planetas massivos recém formados que limpam o gás à medida que viajam nas suas órbitas, mas que capturam as partículas de poeira mais longe [5].

Observações anteriores apontavam já para a presença de gás no interior dos espaços vazios de poeira,” explica Nienke van der Marel. “Mas como o ALMA consegue obter imagens do material no disco inteiro com muito mais detalhe do que outras infraestruturas de observação, pudemos excluir o outro cenário alternativo. Os espaços vazios apontam claramente para a presença de planetas com várias vezes a massa de Júpiter, que criam esta espécie de “cavernas” à medida que varrem o disco.

Surpreendentemente, estas observações foram feitas usando apenas um décimo do atual poder de resolução do ALMA, já que foram executadas quando metade da rede se encontrava ainda em construção no Planalto do Chajnantor, no norte do Chile.

Estudos adicionais são agora necessários para determinar se os discos mais tradicionais também apontam para este cenário de planetas que limpam o disco, embora outras observações já obtidas com o ALMA tenham também entretanto dado aos astrônomos novas pistas sobre o complexo processo de formação planetária.

Todos os discos transitórios estudados até agora que apresentam estas enormes cavidades na poeira, possuem também cavidades no gás. Por isso, com o ALMA podemos agora descobrir onde e quando é que planetas gigantes estão se formando nestes discos e comparar estes resultados com os modelos de formação planetária,” diz Ewine van Dishoeck, também da Universidade de Leiden e do Instituto Max Planck de Física Extraterrestre em Garching [6]. “Detecções planetárias diretas estão já ao alcance dos atuais instrumentos e a próxima geração de telescópios que se encontra atualmente em construção, tal como o European Extremely Large Telescope, poderá ir muito mais além. O ALMA está a nos dizer para onde é que estes telescópios devem apontar.”

Notas

[1] Este processo, que limpa a poeira e o gás de dentro para fora, é conhecido por fotoevaporação.

[2] Tais planetas são difíceis de observar de forma direta (eso1310) e estudos anteriores nos comprimentos de onda do milímetro (eso1325) não conseguiram mostrar uma vista detalhada do seu interior, i.e da região onde os planetas estão se formando, e onde estas diferentes hipóteses poderiam ser testadas. Outros estudos (eso0827) não conseguiram medir a quantidade de gás nestes discos.

[3] Os quatro alvos estudados neste trabalho foram: SR 21, HD 135344B (também conhecido por SAO 206462), DoAr 44 e Oph IRS 48.

[4] O gás presente nos discos transitórios é essencialmente constituído por hidrogênio, sendo este traçado através de observações da molécula de monóxido de carbono — CO.

[5] Este processo de captura da poeira foi explicado numa nota de imprensa anterior (eso1325).

[6] Outros exemplos incluem os discos transitórios da HD 142527 (eso1301 e neste link) e da J1604-2130.

Mais Informações

Este trabalho foi descrito no artigo científico intitulado “Resolved gas cavities in transitional disks inferred from CO isotopologs with ALMA”, de N. van der Marel, et al., que será publicado em dezembro de 2015 na revista especializada Astronomy & Astrophysics.

A equipe é composta por N. van der Marel (Universidade de Leiden, Leiden, Holanda; Institute for Astronomy, University of Hawaii, Honolulu, EUA), E. F. van Dishoeck (Universidade de Leiden, Leiden, Holanda; Instituto Max Planck de Física Extraterrestre, Garching, Alemanha), S. Bruderer (Instituto Max Planck de Física Extraterrestre, Garching, Alemanha), S. M. Andrews (Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics, Massachusetts, EUA), K. M. Pontoppidan (Space Telescope Science Institute, Baltimore, Maryland, EUA), G. J. Herczeg (Universidade de Pequim, Pequim, China), T. van Kempen (Universidade de Leiden, Leiden, Holanda) e A. Miotello (Universidade de Leiden, Leiden, Holanda). 

O ESO é a mais importante organização europeia intergovernamental para a investigação em astronomia e é de longe o observatório astronômico mais produtivo do mundo. O ESO é  financiado por 16 países: Alemanha, Áustria, Bélgica, Brasil, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Holanda, Itália, Polônia, Portugal, Reino Unido, República Checa, Suécia e Suíça, assim como pelo Chile, o país de acolhimento. O ESO destaca-se por levar a cabo um programa de trabalhos ambicioso, focado na concepção, construção e operação de observatórios astronômicos terrestres de ponta, que possibilitam aos astrônomos importantes descobertas científicas. O ESO também tem um papel importante na promoção e organização de cooperação na investigação astronômica. O ESO mantém em funcionamento três observatórios de ponta no Chile: La Silla, Paranal e Chajnantor. No Paranal, o ESO opera  o Very Large Telescope, o observatório astronômico ótico mais avançado do mundo e dois telescópios de rastreio. O VISTA, o maior telescópio de rastreio do mundo que trabalha no infravermelho e o VLT Survey Telescope, o maior telescópio concebido exclusivamente para mapear os céus no visível. O ESO é um parceiro principal no ALMA, o maior projeto astronômico que existe atualmente. E no Cerro Armazones, próximo do Paranal, o ESO está a construir o European Extremely Large Telescope (E-ELT) de 39 metros, que será “o maior olho do mundo virado para o céu”.

Links

Contatos

Gustavo Rojas
Universidade Federal de São Carlos
São Carlos, Brasil
Tel.: +551633519797
e-mail: grojas@ufscar.br

Nienke van der Marel
Institute for Astronomy, University of Hawaii
Honolulu, USA
e-mail: nmarel@ifa.hawaii.edu

Ewine van Dishoeck
Leiden Observatory
Leiden, The Netherlands
Tel.: +31 71 527 5814
e-mail: ewine@strw.leidenuniv.nl

Richard Hook
ESO Public Information Officer
Garching bei München, Germany
Tel.: +49 89 3200 6655
Cel.: +49 151 1537 3591
e-mail: rhook@eso.org

Connect with ESO on social media

Este texto é a tradução da Nota de Imprensa do ESO eso1549, cortesia do ESON, uma rede de pessoas nos Países Membros do ESO, que servem como pontos de contato local para a imprensa. O representante brasileiro é Eugênio Reis Neto, do Observatório Nacional/MCTIC. A nota de imprensa foi traduzida por Margarida Serote (Portugal) e adaptada para o português brasileiro por Eugênio Reis Neto.

Sobre a nota de imprensa

No. da notícia:eso1549pt-br
Nome:Stars
Tipo:Milky Way : Star : Circumstellar Material : Disk
Facility:Atacama Large Millimeter/submillimeter Array
Science data:2016A&A...585A..58V

Imagens

Concepção artística de um disco transitório em torno de uma estrela jovem
Concepção artística de um disco transitório em torno de uma estrela jovem
Figura esquemática de um disco transitório em torno de uma estrela jovem
Figura esquemática de um disco transitório em torno de uma estrela jovem
Imagem ALMA do disco transitório da estrela HD 135344B
Imagem ALMA do disco transitório da estrela HD 135344B
Imagem ALMA do disco transitório da estrela DoAr 44
Imagem ALMA do disco transitório da estrela DoAr 44

Vídeos

Concepção artística de um disco transitório em torno de uma estrela jovem
Concepção artística de um disco transitório em torno de uma estrela jovem
Concepção artística de um disco transitório em torno de uma estrela jovem
Concepção artística de um disco transitório em torno de uma estrela jovem

Veja também