eso1904pt-br — Foto de imprensa

Um morcego cósmico em voo

O programa Joias Cósmicas do ESO captura as nuvens de poeira do Morcego Cósmico

14 de Março de 2019

Escondido num dos cantos mais escuros da constelação de Orion, este Morcego Cósmico abre as suas asas difusas no espaço interestelar a cerca de 2000 anos-luz de distância da Terra, iluminado por estrelas jovens aninhadas no seu centro — apesar de estarem cobertas por opacas nuvens de poeira, os seus raios brilhantes conseguem ainda iluminar a nebulosa. Demasiado ténue para poder ser observada a olho nu, a NGC 1788 revela as suas cores suaves nesta imagem obtida pelo Very Large Telescope do ESO — a mais detalhada obtida até à data.

O Very Large Telescope do ESO (VLT) conseguiu capturar a nebulosa etérea que se esconde nos cantos mais escuros da constelação de Orion — a NGC 1788, também conhecida por Morcego Cósmico. Esta nebulosa de reflexão em forma de morcego não emite radiação — em vez disso é iluminada por um enxame de estrelas jovens que se situa no seu centro, fracamente visível através das nuvens de poeira. Os instrumentos científicos sofreram grandes avanços desde que a NGC 1788 foi descrita pela primeira vez, o que faz com que esta imagem obtida pelo VLT seja a mais detalhada de sempre.

Apesar desta nebulosa fantasmagórica parecer estar isolada doutros objetos cósmicos, os astrónomos acreditam que a sua forma foi moldada por poderosos ventos estelares emitidos por estrelas massivas que se encontram mais longe. Estas correntes de plasma abrasador são lançadas, a grandes velocidades, a partir da atmosfera superior de uma estrela, moldando as nuvens que isolam as jovens estrelas do Morcego Cósmico.

A NGC 1788 foi inicialmente descrita pelo astrónomo alemão/inglês William Herschel, que a incluiu num catálogo que serviu mais tarde de base para uma das maiores coleções de objetos do céu profundo, o New General Catalogue (NGC) [1]. Uma imagem desta nebulosa pequena e ténue tinha sido já capturada pelo telescópio MPG/ESO de 2,2 metros, instalado no Observatório de La Silla do ESO, no entanto esta nova imagem não tem qualquer comparação. Parado em voo, os detalhes minuciosos das asas poeirentas do Morcego Cósmico foram obtidas no vigésimo aniversário de um dos instrumentos mais versáteis do ESO, o FORS2 (FOcal Reducer and low dispersion Spectrograph 2).

O FORS2 é um instrumento que se encontra montado no Antu, um dos Telescópios Principais de 8,2 metros do VLT, situado no Observatório do Paranal, e a sua capacidade de observar enormes áreas do céu com extremo detalhe tornou-o num dos membros mais procurados de entre a frota de instrumentos científicos de vanguarda do ESO. Desde a sua primeira luz há 20 anos atrás, o FORS2 tornou-se no “canivete suíço dos instrumentos”. Esta designação vem da sua enorme variedade de funções [2]. A versatilidade do FORS2 estende-se para além do uso puramente científico — a sua capacidade de capturar belas imagens de elevada qualidade como esta é particularmente útil na divulgação científca.

Esta imagem foi obtida no âmbito do Programa Joias Cósmicas do ESO, uma iniciativa que visa obter imagens de objetos interessantes, intrigantes ou visualmente atrativos, utilizando os telescópios do ESO, para efeitos de educação e divulgação científica. O programa utiliza tempo de telescópio que não pode ser usado em observações científicas e — com a ajuda do FORS2 — produz belas imagens de alguns dos objetos mais notáveis do céu noturno, tais como esta intrincada nebulosa de reflexão. Todos os dados obtidos podem ter igualmente interesse científico e são por isso postos à disposição dos astrónomos através do Arquivo Científico do ESO.

Notas

[1] Em 1864 John Herschel publicou o Catálogo Geral de Nebulosas e Enxames (General Catalogue of Nebulae and Clusters), construído a partir de catálogos extensos e que continha mais de 5 mil entradas de objetos do céu profundo. Vinte e quatro anos mais tarde, este catálogo foi expandido por John Louis Emil Dreyer e publicado como o Novo Catálogo Geral de Nebulosas e Enxames de Estrelas (New General Catalogue of Nebulae and Clusters of Stars — NGC), uma coleção bastante exaustiva de objetos do céu profundo.

[2] Para além de poder obter imagens de grande precisão de grandes áreas do céu, o FORS2 pode também medir espectros de objetos múltiplos do céu noturno e analisar a polarização da sua luz. Os dados obtidos pelo FORS2 estão na base de mais de 100 estudos científicos publicados todos os anos.

Mais Informações

O ESO é a mais importante organização europeia intergovernamental para a investigação em astronomia e é de longe o observatório astronómico mais produtivo do mundo. O ESO tem 16 Estados Membros: Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Holanda, Irlanda, Itália, Polónia, Portugal, Reino Unido, República Checa, Suécia e Suíça, para além do país de acolhimento, o Chile, e a Austrália, um parceiro estratégico. O ESO destaca-se por levar a cabo um programa de trabalhos ambicioso, focado na concepção, construção e operação de observatórios astronómicos terrestres de ponta, que possibilitam aos astrónomos importantes descobertas científicas. O ESO também tem um papel importante na promoção e organização de cooperação na investigação astronómica. O ESO mantém em funcionamento três observatórios de ponta no Chile: La Silla, Paranal e Chajnantor. No Paranal, o ESO opera  o Very Large Telescope e o Interferómetro do Very Large Telescope, o observatório astronómico óptico mais avançado do mundo, para além de dois telescópios de rastreio: o VISTA, que trabalha no infravermelho, e o VLT Survey Telescope, concebido exclusivamente para mapear os céus no visível. O ESO é também um parceiro principal em duas infraestruturas situadas no Chajnantor, o APEX e o ALMA, o maior projeto astronómico que existe atualmente. E no Cerro Armazones, próximo do Paranal, o ESO está a construir o Extremely Large Telescope (ELT) de 39 metros, que será “o maior olho do mundo virado para o céu”.

Links

Contatos

Calum Turner
ESO Public Information Officer
Garching bei München, Germany
Tel.: +49 89 3200 6670
e-mail: pio@eso.org

Connect with ESO on social media

Este texto é a tradução da Nota de Imprensa do ESO eso1904, cortesia do ESON, uma rede de pessoas nos Países Membros do ESO, que servem como pontos de contato local para a imprensa. O representante brasileiro é Eugênio Reis Neto, do Observatório Nacional/MCTIC. A nota de imprensa foi traduzida por Margarida Serote (Portugal) e adaptada para o português brasileiro por Eugênio Reis Neto.

Sobre a nota de imprensa

No. da notícia:eso1904pt-br
Nome:NGC 1788
Tipo:Milky Way : Nebula : Appearance : Reflection
Facility:Very Large Telescope
Instruments:FORS2

Imagens

Um morcego cósmico em voo
Um morcego cósmico em voo
Em torno da NGC 1788
Em torno da NGC 1788
O Morcego Cósmico na constelação de Orion
O Morcego Cósmico na constelação de Orion

Vídeos

ESOcast 195 Light: Um morcego cósmico em voo
ESOcast 195 Light: Um morcego cósmico em voo
ESOcast 196 Light: Vinte anos explorando o Universo
ESOcast 196 Light: Vinte anos explorando o Universo
Aproximação ao Morcego Cósmico
Aproximação ao Morcego Cósmico
Panorâmica sobre o Morcego Cósmico
Panorâmica sobre o Morcego Cósmico

Veja também