eso2205pt-br — Nota de imprensa científica

Astrônomas descobrem a maior molécula encontrada até hoje num disco de formação planetária

8 de Março de 2022

Com o auxílio do Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) no Chile, pesquisadoras do Observatório de Leiden, na Holanda, detectaram pela primeira vez éter dimetílico num disco de formação planetária. Com nove átomos, esta é a maior molécula identificada até hoje num disco deste tipo. Esta é também a precursora de moléculas orgânicas maiores que podem levar ao surgimento da vida.

A partir desses resultados, podemos aprender mais sobre a origem da vida no nosso planeta e consequentemente ter uma ideia melhor do potencial para a existência de vida em outros sistemas planetários. É muito emocionante ver como essas descobertas se encaixam no quadro geral”, disse Nashanty Brunken, estudante de mestrado no Observatório de Leiden, parte da Universidade de Leiden, e autora principal deste estudo publicado hoje na revista Astronomy & Astrophysics.

O éter dimetílico é uma molécula orgânica observada frequentemente em nuvens de formação estelar, mas nunca tinha sido antes encontrada num disco de formação planetária. As pesquisadoras obtiveram igualmente uma possível detecção de metanoato de metila, uma molécula complexa semelhante ao éter dimetílico que também é um bloco constituinte de moléculas orgânicas maiores.

É realmente excitante detectar finalmente estas moléculas maiores em discos. Durante algum tempo, pensamos que talvez não fosse possível observá-las”, disse a co-autora do estudo Alice Booth, que também é pesquisadora no Observatório de Leiden.

As moléculas foram encontradas no disco de formação planetária que circunda a estrela jovem IRS 48 (também conhecida por Oph-IRS 48) com o auxílio do Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA), do qual o ESO é parceiro. A IRS 48, localizada a 444 anos-luz de distância na constelação de Ofiúco, tem sido objeto de vários estudos porque seu disco contém uma “armadilha de poeira” assimétrica em forma de castanha de caju. Esta região, que se formou muito provavelmente como resultado de um planeta recém nascido ou de uma pequena estrela companheira localizada entre o estrela e a armadilha de poeira, retém um grande número de grãos de poeira do tamanho de milímetros que se podem se juntar para formar objetos do tamanho de quilômetros, tais como cometas, asteroides e, potencialmente, até planetas.

Acredita-se que muitas moléculas orgânicas complexas, tais como o éter dimetílico, surjam em nuvens de formação estelar, antes ainda das próprias estrelas se formarem. Nesses ambientes frios, átomos e moléculas simples como o monóxido de carbono aderem aos grãos de poeira, formando uma camada de gelo e sofrendo reações químicas, que resultam em moléculas mais complexas. As pesquisadoras descobriram recentemente que a armadilha de poeira no disco da IRS 48 é também um reservatório gelado que contém grãos de poeira cobertos por esse gelo rico em moléculas complexas. Foi nesta região do disco que o ALMA encontrou agora sinais da molécula de éter dimetílico: quando o calor da IRS 48 sublima o gelo em gás, as moléculas prisioneiras que vieram das nuvens frias, libertam-se e podem assim ser detectadas.

O que torna tudo isto ainda mais excitante é o fato de sabermos agora que estas moléculas complexas maiores se encontram disponíveis para alimentar planetas em formação no disco”, explica Booth. “Isto não era conhecido anteriormente, já que na maioria dos sistemas estas moléculas se encontram escondidas no gelo.

A descoberta de éter dimetílico sugere que muitas outras moléculas complexas, que são normalmente detectadas em regiões de formação estelar, poderão estar também presentes em estruturas geladas em discos de formação planetária. Estas moléculas são precursoras de moléculas prebióticas tais como aminoácidos e açucares, que são alguns dos blocos constituintes básicos da vida.

Ao estudar a sua formação e evolução, os pesquisadores podem, portanto, obter uma melhor compreensão de como as moléculas prebióticas acabam nos planetas, incluindo o nosso. “Estamos incrivelmente satisfeitos por podermos agora começar a seguir toda a jornada dessas moléculas complexas, desde as nuvens que formam estrelas, aos discos que formam planetas e aos cometas. Esperamos, com mais observações, poder chegar mais perto de entender a origem das moléculas prebióticas em nosso próprio Sistema Solar”, disse Nienke van der Marel, uma pesquisadora no Observatório de Leiden, que também participou no estudo.

Estudos futuros da IRS 48 com o Extremely Large Telescope (ELT) do ESO, atualmente em construção no Chile e previsto para começar as suas operações no final desta década, permitirão à equipe estudar a química das regiões mais internas do disco, onde planetas como a Terra podem estar se formando.

Mais Informações

Esta pesquisa foi apresentada no artigo intitulado "A major asymmetric ice trap in a planet-forming disk: III. First detection of dimethyl ether" (doi: 10.1051/0004-6361/202142981) publicado na revista Astronomy and Astrophysics.

Esta publicação foi lançada no Dia Internacional da Mulher 2022 e apresenta pesquisas realizadas por seis pesquisadores que se identificam como mulheres.

A equipe é composta por Nashanty G. C. Brunken (Observatório de Leiden, Universidade de Leiden, Holanda [Leiden]), Alice S. Booth (Leiden), Margot Leemker (Leiden), Pooneh Nazari (Leiden), Nienke van der Marel (Leiden), Ewine F. van Dishoeck (Observatório de Leiden, Max-Planck-Institut für Extraterrestrische Physik, Garching, Alemanha).

O Observatório Europeu do Sul (ESO) permite que cientistas de todo o mundo descubram os segredos do Universo para o benefício de todos. Nós projetamos, construímos e operamos observatórios de classe mundial no solo - que os astrônomos usam para para pesquisar as maiores questões astronômicas da nossa época e levar ao público o fascínio da astronomia - e promover a colaboração internacional em astronomia. Estabelecido como uma organização intergovernamental em 1962, hoje o ESO é apoiado por 16 Estados Membros (Áustria, Bélgica, República Tcheca, Dinamarca, França, Finlândia, Alemanha, Irlanda, Itália, Holanda, Polônia, Portugal, Espanha, Suécia, Suíça e Reino Unido), além do país anfitrião, o Chile, e a Austrália, como parceiro estratégico. A Sede do ESO e seu centro de visitantes e planetário, o Supernova do ESO, estão localizados perto de Munique, na Alemanha, enquanto o deserto chileno do Atacama, um lugar maravilhoso com condições únicas para observar o céu, hospeda nossos telescópios. O ESO opera três locais de observação: La Silla, Paranal e Chajnantor. No Paranal, o ESO opera o Very Large Telescope e o Interferômetro do Very Large Telescope, bem como dois telescópios de rastreio: o VISTA trabalhando no infravermelho e o VLT Survey Telescope de luz visível. Também no Paranal, o ESO hospedará e operará o Cherenkov Telescope Array South, o maior e mais sensível observatório de raios gama do mundo. Junto com parceiros internacionais, o ESO opera o APEX e o ALMA em Chajnantor, duas instalações que observam os céus na faixa milimétrica e submilimétrica. No Cerro Armazones, perto do Paranal, estamos construindo "o maior olho do mundo virado para o céu" - o Extremely Large Telescope do ESO. De nossos escritórios em Santiago, Chile, apoiamos nossas operações no país e nos relacionamos com parceiros e a sociedade chilena.

Links

Contatos

Nashanty Brunken
Leiden Observatory, Leiden University
Leiden, The Netherlands
e-mail: brunken@strw.leidenuniv.nl

Alice Booth
Leiden Observatory, Leiden University
Leiden, The Netherlands
Tel.: +31 71 527 5737
e-mail: abooth@strw.leidenuniv.nl

Nienke van der Marel
Leiden Observatory, Leiden University
Leiden, The Netherlands
Tel.: +31 71 527 5872
e-mail: nmarel@strw.leidenuniv.nl

Bárbara Ferreira
ESO Media Manager
Garching bei München, Germany
Tel.: +49 89 3200 6670
Cel.: +49 151 241 664 00
e-mail: press@eso.org

Connect with ESO on social media

Este texto é a tradução da Nota de Imprensa do ESO eso2205, cortesia do ESON, uma rede de pessoas nos Países Membros do ESO, que servem como pontos de contato local para a imprensa. O representante brasileiro é Eugênio Reis Neto, do Observatório Nacional/MCTIC. A nota de imprensa foi traduzida por Margarida Serote (Portugal) e adaptada para o português brasileiro por Eugênio Reis Neto.

Sobre a nota de imprensa

No. da notícia:eso2205pt-br
Nome:IRS 48, Oph-IRS 48
Tipo:Milky Way : Star : Circumstellar Material : Disk : Protoplanetary
Facility:Atacama Large Millimeter/submillimeter Array
Science data:2022A&A...659A..29B

Imagens

Éter dimetílico encontrado no disco que rodeia a estrela IRS 48
Éter dimetílico encontrado no disco que rodeia a estrela IRS 48
Moléculas no disco que rodeia a estrela IRS 48
Moléculas no disco que rodeia a estrela IRS 48
Moléculas no disco que rodeia a estrela IRS 48 (composta)
Moléculas no disco que rodeia a estrela IRS 48 (composta)
Imagem ALMA da fábrica de cometas situada em torno de Oph-IRS 48
Imagem ALMA da fábrica de cometas situada em torno de Oph-IRS 48
Imagens ALMA e VLT da fábrica de cometas situada em torno de Oph-IRS 48
Imagens ALMA e VLT da fábrica de cometas situada em torno de Oph-IRS 48
Imagem ALMA da armadilha de poeira/fábrica de cometas situada em torno de Oph-IRS 48 (anotada)
Imagem ALMA da armadilha de poeira/fábrica de cometas situada em torno de Oph-IRS 48 (anotada)
A localização do sistema Oph-IRS 48 na constelação de Ofiúco
A localização do sistema Oph-IRS 48 na constelação de Ofiúco

Vídeos

Maior molécula já encontrada num disco de formação planetária (ESOcast 253 Light)
Maior molécula já encontrada num disco de formação planetária (ESOcast 253 Light)
Concepção artística da armadilha de poeira da IRS 48
Concepção artística da armadilha de poeira da IRS 48
Zoom na direcção do sistema Oph-IRS 48
Zoom na direcção do sistema Oph-IRS 48