ann20027-pt — Anúncio

Novo espectáculo de planetário: Universo Invisível: olhe para o céu com olhos sobrehumanos

Produzido em associação com o ESO, o espectáculo traz-nos uma visão deslumbrante sobre a nova tecnologia de telescópios

14 de Outubro de 2020

Como é que os astrónomos exploram o Universo para além dos sentidos humanos? Um novo espectáculo da Evans & Sutherland, feito em associação com o ESO e o Museu de Ciências Naturais de Houston, dá-nos uma visão da maior revolução na astronomia desde a invenção do telescópio.

Universo Invisível (Unseen Universe) convida-o/a a entrar na nova era de exploração e conhecimento. Durante milhões de anos, a observação dos céus limitava-se aos nossos olhos, permitindo-nos ver apenas uma banda muito estreita da radiação electromagnética, a chamada luz visível. Atualmente, temos tecnologia que nos permite ver o céu com visão e precisão sobrehumanas.

O espectáculo de planetário Universo Invisível apresenta-nos uma visão excitante da astronomia de ponta. Aprenda mais sobre os supercomputadores que ligam grupos de telescópios instalados em continentes diferentes. Siga a frota de observatórios espaciais que estendem os nossos sentidos no espaço e no tempo. Descubra como é que os novos detectores acompanhados por software que junta observações diferentes estão a transformar o que podemos fazer a partir do solo terrestre. Veja o invisível tornar-se visível!

Uma produção para fulldome da Evans & Sutherland, feita em associação com o ESO e o Museu de Ciências Naturais de Houston, Universo Invisível trata-se de um deleite visual ao mesmo tempo que nos permite explorar os mais recentes esplendores dos céus, acompanhado por uma banda sonora executada pela Orquestra de Filme de Utah. É um olhar encorajante sobre a nova era da astronomia e o que ainda está para vir.

O espectáculo tem uma duração aproximada de 1 hora e é adequado para todo o tipo de público a partir dos 10 anos. Os planetários interessados nesta produção podem obter mais informações neste link.

Mais informações

O Planetário & Centro de Visitantes Supernova do ESO

O Planetário & Centro de Visitantes Supernova do ESO é um centro de astronomia de vanguarda para o público e uma infraestrutura educativa, situado no mesmo local que a Sede do ESO em Garching bei München. O centro acolhe um planetário digital, com uma cúpula inclinada de 360º e 14 metros de diâmetro, e uma exposição interactiva, partilhando com os seus visitantes o fascinante mundo da astronomia e do ESO, no intuito de inspirar gerações futuras a apreciar e a compreender o Universo que nos rodeia. Todo o conteúdo encontra-se disponível em inglês e alemão e a entrada é gratuita. Para os espectáculos de planetário, visitas guidas e outras atividades é necessária marcação prévia e pagamento dos bilhetes online. Para mais informações consulte o link: supernova.eso.org

O Planetário & Centro de Visitantes Supernova do ESO surge de uma colaboração entre o Observatório Europeu do Sul (ESO) e o Instituto de Estudos Teóricos de Heidelberg (HITS). O edifício foi doado pela Klaus Tschira Stiftung (KTS), uma fundação alemã e o ESO encarrega-se de gerir e operar a infraestrutura.

O Supernova do ESO é apoiado financeiramente por: LOR Foundation, Evans & Sutherland e Sky-Skan.

KTS

A Klaus Tschira Stiftung (KTS) foi fundada em 1995 pelo físico e co-fundador Klaus Tschira (1940-2015) e trata-se de uma das maiores fundações europeias financiadas a título privado sem fins lucrativos. A Fundação promove o avanço das ciências naturais, matemática e ciência de computadores, pretendendo aumentar o gosto por estas áreas. O empenhamento da Fundação começa no jardim de infância e estende-se pelas escolas, universidades e centros de investigação. A Fundação apadrinha novos métodos de transferência de conhecimento científico e apoia tanto o desenvolvimento como a apresentação cuidada de descobertas científicas.

HITS

O Instituto Heidelberg de Estudos Teóricos (HITS gGmbH) foi estabelecido em 2010 pelo físico e co-fundador Klaus Tschira (1940-2015) e a sua fundação, a Klaus Tschira Stiftung, como uma instituição privada sem fins lucrativos. O HITS leva a cabo investigação de base no âmbito das ciências naturais, matemática e ciência de computadores, com especial enfoque no processamento, estruturação e análise de grandes quantidades de dados. As áreas de investigação vão desde a biologia molecular à astrofísica. Os accionistas do HITS juntam-se na HITS Siftung, uma subsidiária da Fundação Klaus Tschira, da Universidade de Heidelberg e do Instituto de Tecnologia Karlsruhe (KIT). O HITS coopera igualmente com outras universidades e institutos de investigação e com parceiros industriais. O financiamento base do HITS vem da HITS Stiftung com fundos recebidos da Fundação Klaus Tschira. As principais agências de financiamento externo são o Ministério Federal de Educação e Investigação (BMBF), a Fundação Alemã de Investigação (DFG) e a União Europeia.

ESO

O ESO é a mais importante organização europeia intergovernamental para a investigação em astronomia e é de longe o observatório astronómico mais produtivo do mundo. O ESO tem 16 Estados Membros: Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Holanda, Irlanda, Itália, Polónia, Portugal, Reino Unido, República Checa, Suécia e Suíça, para além do país de acolhimento, o Chile, e a Austrália, um parceiro estratégico. O ESO destaca-se por levar a cabo um programa de trabalhos ambicioso, focado na concepção, construção e operação de observatórios astronómicos terrestres de ponta, que possibilitam aos astrónomos importantes descobertas científicas. O ESO também tem um papel importante na promoção e organização de cooperação na investigação astronómica. O ESO mantém em funcionamento três observatórios de ponta no Chile: La Silla, Paranal e Chajnantor. No Paranal, o ESO opera  o Very Large Telescope e o Interferómetro do Very Large Telescope, o observatório astronómico óptico mais avançado do mundo, para além de dois telescópios de rastreio: o VISTA, que trabalha no infravermelho, e o VLT Survey Telescope, concebido exclusivamente para mapear os céus no visível. O ESO é também um parceiro principal em duas infraestruturas situadas no Chajnantor, o APEX e o ALMA, o maior projeto astronómico que existe atualmente. E no Cerro Armazones, próximo do Paranal, o ESO está a construir o Extremely Large Telescope (ELT) de 39 metros, que será “o maior olho do mundo virado para o céu”.

Links

Contactos

Tania Johnston
Head of ESO Supernova
Email: supernova@eso.org

Oana Sandu
Community Coordinator & Communication Strategy Officer
Email: osandu@partner.eso.org

Sobre o anúncio

Id:ann20027

Imagens

Poster do "Universo Invisível"
Poster do "Universo Invisível"