eso1502pt — Nota de Imprensa Institucional

Novos telescópios "caçadores" de exoplanetas no Paranal

Infraestrutura NGTS vê primeira luz

14 de Janeiro de 2015

O Next-Generation Transit Survey (NGTS) viu a primeira luz no Observatório do Paranal do ESO, no norte do Chile. Este projeto procurará exoplanetas em trânsito - planetas que passam em frente da sua estrela progenitora, dando por isso origem a uma pequena diminuição do brilho estelar, a qual pode ser detectada por instrumentos muito sensíveis. Os telescópios focar-se-ão na descoberta de planetas do tamanho de Neptuno e mais pequenos, com diâmetros entre duas e oito vezes o da Terra.

O Next-Generation Transit Survey (NGTS) é um sistema de observação de campo largo composto por uma rede de doze telescópios, cada um com uma abertura de 20 centímetros [1]. Esta nova infraestrutura, construída por um consórcio do Reino Unido, Suíça e Alemanha, está instalada no Observatório do Paranal do ESO, no norte do Chile, tirando assim partido das soberbas condições de observação, assim como das excelentes estruturas de apoio disponíveis no local.

“Precisávamos de um local onde tivéssemos muitas noites claras e o ar fosse límpido e seco, de modo a efectuarmos medições muito precisas o mais frequentemente possível - o Paranal foi de longe a melhor escolha,” diz Don Pollacco da Universidade de Warwick no Reino Unido e um dos líderes do projeto NGTS.

O NGTS foi concebido para operar em modo robótico e irá monitorizar de forma contínua o brilho de centenas de milhar de estrelas comparativamente brilhantes do céu austral. A infraestrutura procura exoplanetas em trânsito e atingirá um nível de precisão na medição do brilho das estrelas - um num milhão - nunca antes alcançado em instrumentos de rastreio de campo largo a operar no solo [2].

A enorme precisão na medição do brilho ao longo de um campo largo é tecnicamente complexa de atingir, mas toda a tecnologia chave do NGTS foi já demonstrada num sistema protótipo mais pequeno, que esteve em operação em La Palma, nas Ilhas Canárias, entre 2009 e 2010. O NGTS  baseia-se também no êxito obtido com a experiência SuperWASP, que tem liderado até agora a detecção de planetas gigantes gasosos.

As descobertas do NGTS serão subsequentemente estudadas usando outros telescópios maiores, incluindo o Very Large Telescope do ESO. Um dos objetivos é encontrar planetas pequenos que sejam suficientemente brilhantes para que se possa medir a sua massa. A partir daí podemos deduzir densidades, as quais por seu turno dão informação sobre a composição dos planetas. Poderá também ser possível investigar a atmosfera dos exoplanetas durante o trânsito, já que nessa altura parte da radiação estelar passa através da atmosfera do planeta, se este a possuir, deixando uma assinatura minúscula mas possível de detectar. Até agora apenas algumas observações deste género foram executadas, mas o NGTS deverá mostrar muito mais alvos potenciais.

Este é o primeiro projeto de telescópio que é acolhido, mas não operado, pelo ESO no Paranal. Alguns projetos do mesmo género estão em operação no mais antigo observatório de La Silla. Os dados NGTS irão para o sistema de arquivo do ESO e ficarão disponíveis a todos os astrónomos durante as próximas décadas.

Peter Wheatley, um dos líderes de projeto NGTS da Universidade de Warwick, conclui: “Estamos muito entusiasmados com a perspectiva de começar a procurar planetas pequenos em torno de estrelas próximas. As descobertas NGTS, e as subsequentes observações por outros telescópios no solo e no espaço, constituirão um importante passo em frente no estudo de atmosferas e composições de pequenos planetas como a Terra.”

O consórcio NGTS é composto pela Universidade de Warwick, RU; Queen´s University of Belfast, RU; Universidade de Leicester, RU; Universidade de Cambrigde, RU; Universidade de Genebra, Suíça e DLR Berlim, Alemanha.

Notas

[1] Os telescópios NGTS são versões modificadas dos pequenos telescópios comerciais de elevada qualidade construídos por Astro Systeme Austria (ASA). As câmaras NGTS são câmaras ikon-L modificadas da Andor Technology Ltd (http://www.andor.com) construídas em torno de CCDs sensíveis no vermelho, da e2v (http://www.e2v.com).

[2] A missão Kepler da NASA, que se encontra em órbita, atinge uma maior precisão nas medições de brilhos estelares, no entanto investiga uma região do céu menor que o NGTS. A procura NGTS mais alargada encontrará exemplos mais brilhantes de pequenos exoplanetas e por isso mais adequados a um estudo detalhado.

Informações adicionais

O ESO é a mais importante organização europeia intergovernamental para a investigação em astronomia e é o observatório astronómico mais produtivo do mundo. O ESO é  financiado por 15 países: Alemanha, Áustria, Bélgica, Brasil, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Holanda, Itália, Portugal, Reino Unido, República Checa, Suécia e Suíça. O ESO destaca-se por levar a cabo um programa de trabalhos ambicioso, focado na concepção, construção e funcionamento de observatórios astronómicos terrestres de ponta, que possibilitam aos astrónomos importantes descobertas científicas. O ESO também tem um papel importante na promoção e organização de cooperação na investigação astronómica. O ESO mantém em funcionamento três observatórios de ponta, no Chile: La Silla, Paranal e Chajnantor. No Paranal, o ESO opera  o Very Large Telescope, o observatório astronómico óptico mais avançado do mundo e dois telescópios de rastreio. O VISTA, o maior telescópio de rastreio do mundo que trabalha no infravermelho e o VLT Survey Telescope, o maior telescópio concebido exclusivamente para mapear os céus no visível. O ESO é o parceiro europeu do revolucionário telescópio  ALMA, o maior projeto astronómico que existe atualmente. O ESO encontra-se a planear o European Extremely Large Telescope, E-ELT, um telescópio de 39 metros que observará na banda do visível e do infravermelho próximo. O E-ELT será “o maior olho do mundo virado para o céu”.

Links

Contactos

Peter Wheatley
University of Warwick
Coventry, United Kingdom
Tel.: +44 247 657 4330
Email: P.J.Wheatley@warwick.ac.uk

Heike Rauer
Deutsches Zentrum für Luft- und Raumfahrt (DLR) / Institut für Planetenforschung
Berlin, Germany
Tel.: +49 30 67055 430
Email: heike.rauer@dlr.de

Stéphane Udry
Observatoire de l’Université de Genève
Geneva, Switzerland
Tel.: +41 22 379 24 67
Email: stephane.udry@unige.ch

Ather Mirza
University of Leicester
Leicester, United Kingdom
Tel.: +44 116 252 3335
Email: pressoffice@le.ac.uk

David Azocar
Universidad de Chile
Santiago, Chile
Email: dazocar@das.uchile.cl

Richard Hook
ESO Public Information Officer
Garching bei München, Germany
Tel.: +49 89 3200 6655
Email: rhook@eso.org

Connect with ESO on social media

Este texto é a tradução da Nota de Imprensa do ESO eso1502, cortesia do ESON, uma rede de pessoas nos Países Membros do ESO, que servem como pontos de contacto local com os meios de comunicação social, em ligação com os desenvolvimentos do ESO. A representante do nodo português é Margarida Serote.

Sobre a Nota de Imprensa

Nº da Notícia:eso1502pt
Nome:Next-Generation Transit Survey
Tipo:Unspecified : Technology
Facility:Next-Generation Transit Survey

Imagens

O Next-Generation Transit Survey (NGTS) no Paranal
O Next-Generation Transit Survey (NGTS) no Paranal
O Next-Generation Transit Survey (NGTS) no Paranal
O Next-Generation Transit Survey (NGTS) no Paranal
O Next-Generation Transit Survey (NGTS) no Paranal
O Next-Generation Transit Survey (NGTS) no Paranal
O Next-Generation Transit Survey (NGTS) no Paranal
O Next-Generation Transit Survey (NGTS) no Paranal
O Next-Generation Transit Survey (NGTS) no Paranal
O Next-Generation Transit Survey (NGTS) no Paranal
O Next-Generation Transit Survey (NGTS) no Paranal
O Next-Generation Transit Survey (NGTS) no Paranal
O Next-Generation Transit Survey (NGTS) no Paranal
O Next-Generation Transit Survey (NGTS) no Paranal

Vídeos

ESOcast 71: Novos telescópios "caçadores" de exoplanetas no Paranal
ESOcast 71: Novos telescópios "caçadores" de exoplanetas no Paranal
O Next-Generation Transit Survey (NGTS) no Paranal
O Next-Generation Transit Survey (NGTS) no Paranal
O Next-Generation Transit Survey (NGTS) no Paranal
O Next-Generation Transit Survey (NGTS) no Paranal
A cobertura do Next-Generation Transit Survey (NGTS) no Paranal
A cobertura do Next-Generation Transit Survey (NGTS) no Paranal
A cobertura do Next-Generation Transit Survey (NGTS) no Paranal
A cobertura do Next-Generation Transit Survey (NGTS) no Paranal

Veja também