eso1020pt — Foto de Imprensa

Nova Imagem de uma Espiral Clássica

19 de Maio de 2010

O ESO acaba de divulgar uma bela imagem da galáxia próxima Messier 83, obtida com o instrumento HAWK-I montado no Very Large Telescope do ESO (VLT), no observatório do Paranal, Chile. A imagem mostra a galáxia na radiação infravermelha e demonstra o impressionante poder da câmara, capaz de criar a fotografia mais nítida e mais detalhada alguma vez conseguida de Messier 83, a partir do solo terrestre.

A galáxia Messier 83 (eso0825) situa-se a cerca de 15 milhões de anos-luz de distância na constelação da Hidra. Tem um tamanho de cerca de 40 000 anos-luz, ou seja, apenas 40% do tamanho da Via Láctea, mas é, em muitos aspectos, semelhante à nossa casa galáctica, tanto na forma espiral como na presença de uma barra de estrelas no seu centro. Messier 83 é famosa entre os astrónomos devido às suas supernovas: vastas explosões que terminam a vida de algumas estrelas. Durante o século passado, foram observadas seis supernovas nesta galáxia - um número recorde apenas alcançado por uma outra galáxia. Mas, mesmo sem supernovas, Messier 83 é uma das galáxias próximas mais brilhantes, visível no céu através de simples binóculos.

Messier 83 foi observada na região infravermelha do espectro electromagnético pelo instrumento HAWK-I [1], uma poderosa câmara montada no Very Large Telescope do ESO. Quando observada no infravermelho a maior parte da poeira que obscurece a galáxia torna-se transparente. O gás muito brilhante que circunda as estrelas jovens quentes nos braços espirais também se torna menos proeminente nas imagens infravermelhas. O resultado é que podemos observar muito mais da estrutura da galáxia e dos vastos grupos das suas estrelas constituintes. Esta imagem, nitidamente mais limpa, simplifica o trabalho dos astrónomos que procuram enxames de estrelas jovens, principalmente os que se encontram escondidos nas regiões de poeira da galáxia. Estudar tais enxames estelares é um dos principais objectivos científicos destas observações [2]. Quando comparada com imagens anteriores, a visão penetrante da HAWK-I revela muito mais estrelas no interior da galáxia.

A combinação do enorme espelho do VLT, do grande campo de visão e da grande sensibilidade da câmara, com as óptimas condições de observação no Observatório Paranal do ESO, fazem da HAWK-I uma das mais poderosas câmaras no infravermelho do mundo. Os astrónomos aguardam impacientemente a sua vez para puderem utilizar este instrumento, que começou a operar em 2007 (eso0736), e obterem algumas das melhores imagens infravermelhas do céu nocturno tiradas a partir do solo.

Notas

[1] HAWK-I é o acrónimo (do inglês) de High-Acuity Wide-field K-band Imager. Detalhes técnicos sobre a câmara podem ser encontrados numa nota de imprensa anterior (eso0736).

[2] Os dados utilizados para preparar esta imagem foram obtidos por uma equipa liderada por Mark Gieles (Universidade de Cambridge) e Yuri Beletsky (ESO). Mischa Schirmer (Universidade de Bonn) fez a redução dos dados.

Informações adicionais

O ESO, o Observatório Europeu do Sul, é a mais importante organização europeia intergovernamental para a investigação em astronomia e é o observatório astronómico mais produtivo do mundo. O ESO é financiado por 14 países: Áustria, Alemanha, Bélgica, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Itália, Holanda, Portugal, Reino Unido, República Checa, Suécia e Suíça. O ESO destaca-se por levar a cabo um programa de trabalhos ambicioso, focado na concepção, construção e funcionamento de observatórios astronómicos terrestres de ponta, que possibilitam aos astrónomos importantes descobertas científicas. O ESO também tem um papel importante na promoção e organização de cooperação na investigação astronómica. O ESO mantém em funcionamento três observatórios de ponta, no Chile: La Silla, Paranal e Chajnantor. No Paranal, o ESO opera o Very Large Telescope, o observatório astronómico, no visível, mais avançado do mundo e o VISTA, o maior telescópio de rastreio do mundo. O ESO é o parceiro europeu do revolucionário telescópio ALMA, o maior projecto astronómico que existe actualmente. O ESO encontra-se a planear o European Extremely Large Telescope, E-ELT, um telescópio de 42 metros que observará na banda do visível e próximo infravermelho. O E-ELT será “o maior olho no céu do mundo”.

Contactos

João Fernandes
Departamento de Matemática, Universidade de Coimbra
Coimbra, Portugal
Tel.: 914002960
Email: eson.portugal@gmail.com

Richard Hook
ESO
Garching, Germany
Tel.: +49 89 3200 6655
Email: rhook@eso.org

Este texto é a tradução da Nota de Imprensa do ESO eso1020, cortesia do ESON, uma rede de pessoas nos Países Membros do ESO, que servem como pontos de contacto local com os media, em ligação com os desenvolvimentos do ESO. A representante do nodo português é Margarida Serote.
Bookmark and Share

Sobre a Nota de Imprensa

No. da Notícia:eso1020pt
Nome:M 83
Tipo:• Local Universe : Galaxy : Type : Spiral
• X - Galaxies
Facility:Very Large Telescope

Imagens

The classic spiral Messier 83 seen in the infrared with HAWK-I
The classic spiral Messier 83 seen in the infrared with HAWK-I
apenas em inglês
Highlights of the HAWK-I infrared image of Messier 83
Highlights of the HAWK-I infrared image of Messier 83
apenas em inglês
An infrared/visible comparison view of Messier 83
An infrared/visible comparison view of Messier 83
apenas em inglês
The sky around Messier 83
The sky around Messier 83
apenas em inglês

Vídeos

Zooming in on the HAWK-I infrared view of Messier 83
Zooming in on the HAWK-I infrared view of Messier 83
apenas em inglês
Panning across Messier 83 in the infrared
Panning across Messier 83 in the infrared
apenas em inglês
Visible/infrared cross-fades of Messier 83
Visible/infrared cross-fades of Messier 83
apenas em inglês

Veja também