Descoberta Grande Mancha Fria em Júpiter

Tão grande que pode engolir várias Terras, a Grande Mancha Vermelha de Júpiter é uma tempestade gigantesca que existe há séculos, com ventos que ultrapassam os 600 km por hora. No entanto, esta mancha tem uma rival: os astrónomos descobriram que Júpiter tem uma segunda Grande Mancha, desta vez uma mancha fria.

Os astrónomos descobriram nas regiões polares do planeta uma mancha escura na atmosfera superior, cerca de 200º C mais fria do que o meio que a circunda. Chamada “Grande Mancha Fria”, esta intrigante estrutura é comparável em termos de tamanho à Grande Mancha Vermelha — 24000 km de um lado ao outro, 12000 km de altura. Os dados obtidos ao longo de 15 anos mostram que a Grande Mancha Fria é muito mais volátil que a sua lenta prima. Esta mancha varia drasticamente, tanto em forma como em tamanho, em poucos dias ou semanas — no entanto nunca desaparece, mantendo-se sempre mais ou menos no mesmo local.

Pensa-se que a Grande Mancha Fria é causada pelas auroras poderosas do planeta, as quais libertam energia para a atmosfera sob a forma de calor, que circula em torno do planeta. Este fenómeno dá origem a uma região mais fria na atmosfera superior, o que faz da Grande Mancha Fria o primeiro sistema climático gerado por auroras alguma vez observado.

Créditos:

ESO/T. Stallard

Sobre a imagem

Id:potw1716a
Língua:pt
Tipo:Montagem
Data de divulgação:17 de Abril de 2017 às 06:00
Tamanho:2388 x 2023 px

Sobre o objeto

Nome:Jupiter
Tipo:Solar System : Planet : Feature : Atmosphere

Formatos de imagens

JPEG grande
700,9 KB

Zoom


Papéis de parede

1024x768
137,0 KB
1280x1024
207,5 KB
1600x1200
293,7 KB
1920x1200
344,8 KB
2048x1536
473,8 KB

 

Veja também