Fotografia da Semana

Subscribe to receive news from ESO in your language!
potw1512-pt — Fotografia da Semana
O grande dinamarquês
23 de Março de 2015: Esta imagem mostra a cúpula do telescópio dinamarquês de 1,54 metros que se encontra em operação no Observatório de La Silla desde 1979.O telescópio esteve envolvido em diversas observações astronómicas inovadoras incluindo a descoberta de estrelas de neutrões em fusão como possível origem de explosões de raios gama (eso0533) e a descoberta de um exoplaneta apenas cinco vezes mais massivo que a Terra (eso0603).Por cima do telescópio, a nossa casa galáctica, a Via Láctea, estende-se ao longo do céu apresentando o brilhante bojo central alinhado com a cúpula do telescópio.No fundo à direita podemos distinguir a cúpula que albergava o telescópio MarLy de 1 metro. Este telescópio teve a sua primeira luz em 1996 e foi desactivado em 2009. Antes do MarLy, a cúpula albergava o Grand Prisme Objectif de 40 centímetros, um astrógrafo fotográfico. Em frente da cúpula do MarLy, podemos ver o edifício do pequeno telescópio de 0,36 ...
potw1511-pt — Fotografia da Semana
Uma combinação estrelada
16 de Março de 2015: Esta bela imagem obtida no Observatório do Paranal do ESO mostra os quatro Telescópios Auxiliares do Very Large Telescope (VLT), sob um incrivelmente estrelado plano de fundo, no Cerro Paranal no Chile.Os Telescópios Auxiliares têm 1,8 metros de diâmetro cada um e trabalham em conjunto com os quatro Telescópios Principais de 8,2 metros de diâmetro, constituindo assim o mais avançado observatório óptico do planeta.Os telescópios trabalham em uníssono formando o Interferómetro do VLT (VLTI), um interferómetro gigante que permite aos astrónomos ver detalhes 25 vezes mais precisos do que o que seria possível com os Telescópio Principais individuais.Por cima do local vemos as proeminentes Pequena e Grande Nuvens de Magalhães, visíveis apenas no céu austral. Estas duas galáxias irregulares anãs fazem parte do Grupo Local e são por isso galáxias companheiras da nossa própria galáxia, a Via Láctea.Esta fotografia foi tirada pelo nosso amigo do Flickr John Colosimo, que a ...
potw1510-pt — Fotografia da Semana
Cidade nas nuvens numa galáxia muito muito distante...
9 de Março de 2015: Parecido com um cruzamento entre a Cidade das Nuvens Bespin e o planeta gelado Hoth da Guerra das Estrelas: O Império Contra-Ataca, vemos nesta fotografia o Observatório de La Silla do ESO coberto de neve ao pôr do Sol.As cúpulas características dos telescópios de La Silla estão fechadas, protegendo assim os instrumentos das condições climatéricas adversas e do tempo gelado. Entre a pletora de branco, o telescópio MPG/ESO de 2,2 metros distingue-se particularmente devido à sua cúpula prateada. Numa noite normal, à medida que escurece, as cúpulas dos telescópios abrir-se-iam para começar a sua rotina nocturna de observar o cosmos.Apesar de se encontrar localizada numa região muito seca do planeta, La Silla sofre ocasionalmente alguma precipitação sob a forma de neve e de chuviscos, tal como pode ser visto nesta fotografia tirada pelo Embaixador Fotográfico do ESO Malte Tewes. No entanto, apesar de fazer frio no deserto do Atacama, onde ...
potw1509-pt — Fotografia da Semana
O New Technology Telescope do ESO volta a observar a NGC 6300
2 de Março de 2015: Esta imagem mostra o centro brilhante e braços em turbilhão da galáxia em espiral NGC 6300. A NGC 6300 situa-se numa zona estrelada do céu na constelação austral do Altar, que contém uma variedade de intrigantes objetos do céu profundo.A NGC 6300 apresenta uns bonitos braços em espiral ligados a uma barra direita que passa pelo meio da galáxia. Embora possa parecer uma galáxia em espiral normal em imagens no visível como esta, este objeto é efectivamente uma galáxia do tipo Seyfert 2.Estas galáxias possuem centros invulgarmente luminosos que emitem radiação muito energética, o que significa que são frequentemente muito brilhantes nas zonas do espectro de ambos os lados do visível. Pensa-se que a NGC 6300 tenha um buraco negro massivo no seu centro, com cerca de 300 000 vezes a massa do Sol. Este buraco negro emite radiação de alta energia nos raios X à medida que “se alimenta” ...
potw1508-pt — Fotografia da Semana
Salpicos de estrelas e neve
23 de Fevereiro de 2015: Esta fotografia panorâmica mostra o vulcão Licancabur, logo à esquerda do centro, no cimo do planalto do Chajnantor próximo do local onde está instalado o Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA). Podemos ver “salpicos” de objetos brancos no céu que, embora pudessem ser tomados por neve são, na realidade, estrelas.O Licancabur tem cerca de 5920 metros de altitude e situa-se na fronteira entre o Chile e a Bolívia. A fronteira entre estes dois países passa na encosta nordeste do vulcão, o que significa que os dois terços inferiores desta encosta pertencem à Bolívia.A zona branca que vemos em primeiro plano é composta por finas lâminas de neve endurecida e gelo. Estas agulhas geladas, conhecidas por penitentes, são um fenómeno natural da região (potw1221a). O que já não é natural é o brilho que vemos à esquerda da imagem e que tem origem nas luzes de rua da pequena vila chilena de ...
potw1507-pt — Fotografia da Semana
Amanhecer em La Silla
16 de Fevereiro de 2015: A transição da noite para o dia foi capturada nesta fotografia do Observatório de La Silla do ESO. A Lua está suspensa embaixo à esquerda, diluída pelo Sol matinal.Nesta imagem, tirada pelo Embaixador Fotográfico do ESO Alexandre Santerne, podemos ver o telescópio de 3,6 metros do ESO no cimo à direita. O telescópio, que se situa 2400 metros acima do nível do mar e que se pode ver aqui em silhueta nas sombras da madrugada, foi inaugurado em 1976. Opera atualmente o espectrógrafo HARPS, o detector de exoplanetas mais produtivo do mundo.La Silla foi o primeiro observatório do ESO. Inaugurado em 1969, situa-se 600 quilómetros a norte de Santiago na periferia do deserto chileno do Atacama. La Silla foi o maior observatório astronómico do seu tempo, colocando a Europa na vanguarda da investigação astronómica.Tal como ilustrado nesta fotografia, o céu por cima de La Silla apresenta condições ideais para a ...
potw1506-pt — Fotografia da Semana
A vista para o exterior do gabinete de um astrónomo
9 de Fevereiro de 2015: Saia da sala de controlo do Very Large Telescope (VLT) durante a noite e será agraciado com um espetáculo de fazer cair o queixo. Milhares de estrelas cobrem o céu e a Via Láctea estende-se de horizonte a horizonte.Nesta imagem podemos ver as zonas escuras da Via Láctea, correspondentes a nuvens densas de gás e poeira que bloqueiam a radiação emitida por estrelas que se encontram por trás. As diversas cores das estrelas visíveis devem-se à diferentes idades e temperaturas destes objetos - as estrelas quentes e jovens são azuis/brancas, enquanto a geração mais velha se apresenta mais laranja ou vermelha.Para os astrónomos uma vista como esta significa que dados de boa qualidade estão a caminho, uma vez que não há poluição luminosa devido ao luar. De modo a manter o céu tão escuro quanto possível, as luzes que não estão a ser utilizadas no interior do edifício de controlo ...
potw1505-pt — Fotografia da Semana
Duendes de uma noite de verão - fenómeno raro fotografado em La Silla
2 de Fevereiro de 2015: Esta imagem única do Observatório de La Silla do ESO mostra um céu sem nuvens manchado de vermelho e verde da luminescência atmosférica e salpicado de brilhantes objetos celestes. Entre o elenco celeste encontram-se a Pequena e Grande Nuvens de Magalhães logo à direita do centro da imagem, o brilho rosa-avermelhado de várias regiões de formação estelar e o ténue traço verde de um meteoro logo à esquerda da Via Láctea. Todas estas personagens celestes habituais vêem-se no entanto eclipsadas pela presença de algo muito mais evasivo e muito mais próximo de nós.Os seis paneis por baixo da imagem principal mostram em detalhe uma série de fenómenos atmosféricos extremamente raros chamados duendes atmosféricos. Algumas horas antes do nascer do dia - assinalado pelo pináculo de luz zodiacal que sobe a partir da base da Via Láctea - uma tempestade enorme apareceu no horizonte distante e a camada superior da atmosfera ...
potw1504-pt — Fotografia da Semana
Nómada celeste sobe ao palco
26 de Janeiro de 2015: Nesta nova imagem do ESO, o cair da noite é pretexto para uma subida de cortina sobre um espetáculo que ocorre nos céus sem nuvens de La Silla. Numa vibrante cena de atividade, os principais atores são o Cometa Lovejoy, brilhando a verde no centro da imagem; as Pleiades em cima à direita; e a Nebulosa Califórnia, algo contrastante, que aparece sob a forma de um arco de gás vermelho à direita do cometa.Participa igualmente nesta cena um meteoro com o seu próprio risco de luz, parecendo mergulhar na piscina de luz verde existente no horizonte.Os telescópios de La Silla são o público deste espetáculo celeste e uma fina camada de nuvens a baixa altitude agarra-se à planície que se situa por baixo do observatório, onde passa a Autoestrada Panamericana.A longa cauda do cometa Lovejoy está a ser empurrada para fora do cometa pelo vento solar. Compostos de carbono ionizados ...
potw1503-pt — Fotografia da Semana
Pôr do Sol e pôr da Lua
19 de Janeiro de 2015: Esta imagem mostra o Observatório do Paranal do ESO, no Chile, pouco depois do pôr do Sol. Os últimos raios do dia, ao passar através das camadas mais baixas e poeirentas da atmosfera, criam uma espetacular neblina alaranjada, dando origem a uma cena perfeita para esta Fotografia da Semana.Nesta imagem de exposição longa podemos ver rastros causados pelo movimento das estrelas ao longo do céu à medida que a Terra roda. Estes rastros parecem linhas pontilhadas, um efeito que é causado ao combinar uma quantidade de exposições individuais obtidas a pequenos intervalos umas das outras. A parte “mais torta” dos rastros de estrelas que se vê no fundo da imagem deve-se à máquina fotográfica ter saído do lugar.O percurso do crescente da Lua também pode ser visto na parte de baixo à esquerda da imagem. A Lua está a pôr-se, parecendo que vai afundar-se no Oceano Pacífico. Não vemos um ...
potw1502-pt — Fotografia da Semana
Um Armazones plano
12 de Janeiro de 2015: Coberto por uma camada de poeira cinzenta e salpicado de veículos pesados, o pico do Cerro Armazones aparece-nos claramente achatado, à medida que progridem os esforços na construção da plataforma para o European Extremely Large Telescope (E-ELT).Esta imagem da monumental obra em progresso foi tirada a partir dum quadricóptero (ou helicóptoro quadrotor) pelo Embaixador Fotográfico do ESO Gerd Hüdepohl, tendo como plano de fundo uma parte da cordilheira costeira chilena, com o Cerro Paranal e o Very Large Telescope. O deserto do Atacama e as suas montanhas enrugadas estendem-se em direção ao fundo da imagem, dissolvendo-se num azul enevoado no horizonte. Este plano de fundo dá-nos um palco sem estruturas de maior mas impressionantemente tranquilo para o E-ELT, que será o maior telescópio do mundo a operar no óptico e infravermelho próximo.Os céus límpidos do Atacama proprocionam ao E-ELT as condições perfeitas para observar o Universo com uma nitidez que ...
potw1501-pt — Fotografia da Semana
Asas para a Ciência voa sobre o APEX
5 de Janeiro de 2015: No cimo do planalto do Chajnantor, na região chilena do Atacama, a uma altitude de 5100 metros, o ESO opera o telescópio Atacama Pathfinder Experiment, APEX. O APEX é um percursor do ALMA, o Atacama Large Millimeter/submillimeter Array, um novo telescópio revolucionário que o ESO, em conjunto com os seus parceiros internacionais, acaba de construir próximo do APEX, no planalto do Chajnantor. O APEX baseia-se numa antena protótipo de 12 metros construída para o projeto ALMA, e procura muitos dos alvos que o ALMA poderá depois observar com maior detalhe.Esta espectacular vista aérea foi tirada em dezembro de 2012 por Clémentine Bacri e Adrien Normier, os dois membros da equipa da organização sem fins lucrativos ORA Asas para a Ciência, que voa actualmente num avião ultraleve amigo do ambiente, numa viagem de um ano em torno do mundo. Pelo caminho ajudam os cientistas em projetos tão diversos como amostragens de ...
potw1452-pt — Fotografia da Semana
Será um pássaro?...
29 de Dezembro de 2014: Esta fotografia mostra uma paisagem estelar sobre o Observatório de La Silla do ESO. Combinaram-se várias fotografias individuais de modo a obter-se esta imagem fantástica, que captura o movimento de rotação da Terra, com as estrelas a darem origem a estes longos rastros em torno do pólo sul celeste à medida que a Terra roda.A familiar cúpula prateada do telescópio MPG/ESO de 2,2 metros pode ser vista em primeiro plano. Depois temos a cúpula branca do telescópio Schmidt de 1 metro do ESO e, ao fundo, o edifício rectangular do New Technology Telescope e as cúpulas duplas do telescópio de 3,6 metros do ESO, com o seu edíficio adjacente mais pequeno, do Telescópio Auxiliar Coudé, que já não se encontra em operação.Mas o que são aqueles traços no céu? Será um pássaro? Será um avião? Sim, efectivamente, é um avião. Se olharmos com atenção podem ser vistos não apenas um ...
potw1451-pt — Fotografia da Semana
Boas Festas do Observatório Europeu do Sul!
22 de Dezembro de 2014: O Observatório Europeu do Sul deseja a todos umas Boas Festas e um Próspero Ano Novo! Links: Postal de Natal 2014
potw1450-pt — Fotografia da Semana
Nascer de arco-íris
15 de Dezembro de 2014: Os arco-íris são muito apreciados pela cor que trazem a um dia que, de outro modo, seria escuro e feio, e este arco-íris não é excepção.Este arco-íris raro aparece sobre o Local de Apoio às Operações do Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA), que se situa a cerca de 2900 metros acima do nível do mar, perto de San Pedro de Atacama. Trata-se do campo base de apoio ao local onde operam as antenas ALMA, que fica muito mais acima, a mais de 5000 metros de altitude, no planalto do Chajnantor.O Local de Apoio às Operações não é apenas o sítio de onde se opera o gigante Observatório ALMA, é também o sítio onde se montam os novos instrumentos tecnológicos, se integram e se verificam, antes de serem transportados até ao seu destino final no cimo do Chajnantor. Este trabalho tem que ser realizado aqui porque o local tem um ar ...
potw1449-pt — Fotografia da Semana
Em cima do topo de uma nuvem
8 de Dezembro de 2014: La Silla é o mais baixo de todos os observatórios do ESO no Chile. A 2400 metros de altitude, encontra-se cerca de 200 metros mais abaixo que o Paranal e está a metade da altitude do ALMA, que fica no topo do Chajnantor a uns 5000 metros acima do nível do mar.Apesar de ser o observatório mais baixo em termos de elevação, os cientistas em La Silla ainda se lembram que estão a uma altitude elevada quando saem dos edifícios e se deparam com um espectáculo como este - nuvens mesmo por baixo dos pés!Como La Silla se situa na periferia sul do deserto do Atacama, um dos locais mais secos do planeta, pode surpreender-nos ver formações de nuvens nesta região, mas o clima árido resulta da Corrente Peruana de Humboldt. Esta corrente é causada pelo movimento ascendente de água fria desde as profundezas do Oceano Pacífico, que flui para ...
potw1448-pt — Fotografia da Semana
Uma surpresa no interior de uma nuvem
1 de Dezembro de 2014: Esta imagem mostra a região da Via Láctea que se situa na constelação do Escorpião, perto do plano central da Galáxia. Esta região alberga uma densa nuvem de gás e poeira associada com a nuvem molecular IRAS 16562-3959, nuvem esta visível no centro da imagem como uma mancha laranja entre o rico campo de estrelas.Nuvens como estas são locais de nascimento de novas estrelas. No centro desta nuvem podemos ver, mesmo por trás do “véu” de gás e poeira, um objeto brilhante chamado G345.4938+01.4677. Trata-se de uma estrela muito jovem que está a formar-se, à medida que a nuvem colapsa sob a sua própria gravidade.A jovem estrela é muito brilhante e pesada - cerca de 15 vezes mais massiva que o Sol - e foi objeto de um estudo que utilizou o Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) e que resultou em algumas descobertas surpreendentes. A equipa de astrónomos descobriu que ...
potw1447-pt — Fotografia da Semana
O coração de Mira A e da sua companheira
24 de Novembro de 2014: O estudo de estrelas gigantes vermelhas ajuda os astrónomos a compreender melhor o futuro do nosso Sol - e como é que gerações anteriores de estrelas espalharam pelo Universo os elementos necessários à vida. Uma das gigantes vermelhas mais famosas do céu chama-se Mira A e faz parte do sistema binário Mira, o qual se situa a cerca de 400 anos-luz de distância da Terra. Esta imagem obtida pelo ALMA revela a vida secreta de Mira.Mira A é uma estrela velha, que começa já a lançar para o espaço, para “reciclagem”, os produtos de uma vida inteira de trabalho. A companheira de Mira A, chamada Mira B, orbita-a a uma distância que corresponde a duas vezes a distância entre o Sol e Neptuno.Sabe-se que Mira A possui um vento lento que molda delicadamente o material circundante. O ALMA confirmou agora que a companheira de Mira A é uma estrela muito ...
potw1446-pt — Fotografia da Semana
Metal pesado
17 de Novembro de 2014: Já alguma vez pensou como será o interior do Very Large Telescope do ESO? Nesta fotografia da semana mostramos-lhe precisamente a estrutura interna de um dos Telescópios Principais do VLT - mais concretamente o telescópio 3, também conhecido por Melipal.A imagem mostra a estrutura principal em aço da montagem óptica do telescópio, iluminada pelo luar. O espelho principal, com 8,2 metros de diâmetro e um peso de mais de 23 toneladas, necessita de uma estrutura robusta que lhe permita rodar mantendo uma resolução óptica elevada. Esta estrutura móvel em aço pesa mais de 430 toneladas, mais ou menos o mesmo que um avião Boeing 747 completamente carregado!A estrutura, a parte óptica e a electrónica encontram-se alojadas num edifício de metal que as protege do ambiente rigoroso do Atacama.Melipal retira o seu nome da um termo mapuche que significa a constelação do Cruzeiro do Sul. Na realidade todos os telescópios principais ...
potw1445-pt — Fotografia da Semana
Abrindo caminho para a construção do Supernova do ESO
10 de Novembro de 2014: Começou esta semana a remoção dos edifícios temporários na Sede do ESO em Garching, na Alemanha. Podemos vê-los a ser desmantelados nesta fotografia, que captura tanto o início como o fim de uma época.O pessoal do ESO que tem estado a trabalhar nestes edifícios temporários - vistos nesta fotografia aérea tirada no verão deste ano - mudou-se para a nova extensão da Sede no início do ano. A remoção dos contentores marca o final deste período de transição.E marca igualmente o início da construção do Planetário e Centro de Visitantes do ESO, Supernova. Dentro de poucos meses, no local que antes albergava estes edifícios temporários, dar-se-á início à construção do edifício mais novo do ESO. Prevê-se que o Supernova do ESO abra as suas portas em meados do ano 2017, oferecendo aos visitantes uma exposição astronómica moderna e interactiva e um dos planetários mais avançados do mundo.A remoção dos edifícios ...
Mostrar 1 até 20 de 355
Envie-nos os seus comentários!
Subscribe to receive news from ESO in your language
Accelerated by CDN77