Notas de Imprensa

Assine as Notícias do ESO
eso1018pt — Nota de Imprensa Institucional
Local do E-ELT Escolhido
26 de Abril de 2010: No dia 26 de Abril de 2010, o Conselho do ESO escolheu o Cerro Armazones como o local de instalação do provável telescópio de 42 metros, o E-ELT, European Extremely Large Telescope. O Cerro Armazones é uma montanha com uma altitude de 3060 metros situada na região central do deserto do Atacama, no Chile, a cerca de 130 quilómetros a sul da cidade de Antofagasta e a 20 quilómetros do Cerro Paranal, local do Very Large Telescope do ESO.
eso1017pt — Foto de Imprensa
VISTA Desvenda Segredos Escondidos do Gato Celeste
21 de Abril de 2010: A Nebulosa Pata de Gato, NGC 6334, é uma enorme maternidade estelar, local de nascimento de centenas de estrelas de grande massa. Numa nova imagem do ESO, obtida com o telescópio de rastreio VISTA (Visible and Infrared Survey Telescope for Astronomy) situado no Observatório do Paranal, Chile, radiação infravermelha penetra o gás brilhante e as nuvens de poeira que obscurecem a imagem fazendo com que algumas das estrelas jovens escondidas possam ser observadas.
eso1016pt — Nota de Imprensa Científica
Teoria Planetária Virada do Avesso
13 de Abril de 2010: A descoberta de nove novos exoplanetas em trânsito é hoje anunciada no Encontro Nacional de Astronomia do Reino Unido (RAS National Astronomy Meeting, NAM2010). Quando estes novos resultados foram combinados com observações anteriores de exoplanetas em trânsito, os astrónomos surpreenderam-se com o facto de seis deles, numa amostragem de 27, orbitarem na direcção oposta à da rotação da estrela hospedeira - precisamente o contrário do que se passa no nosso Sistema Solar. Estas novas descobertas põem em causa, de maneira séria e inesperada, as actuais teorias de formação planetária. As novas observações sugerem igualmente que sistemas com exoplanetas do tipo Júpiter quente não deverão, muito provavelmente, conter planetas do tipo da Terra.
eso1015pt — Nota de Imprensa Científica
O Céu de Verão de Metano e Monóxido de Carbono de Tritão
7 de Abril de 2010: Segundo a primeira análise alguma vez feita no infravermelho da atmosfera do satélite de Neptuno, Tritão, o seu hemisfério sul encontra-se em pleno Verão. Uma equipa de observação europeia utilizou o Very Large Telescope do ESO e descobriu monóxido de carbono. Foi também detectado metano na fina atmosfera de Tritão pela primeira vez a partir do solo terrestre. Estas observações revelam que a atmosfera varia de estação para estação, tornando-se mais espessa quando está quente.
eso1014pt — Foto de Imprensa
A Face Escura e Iluminada de uma Nebulosa onde se Formam Estrelas
31 de Março de 2010: Hoje o ESO divulga uma imagem de uma nebulosa de fraca luminosidade, pouco conhecida, Gum 19, que no infravermelho aparece escura numa metade e brilhante na outra. De um lado o gás de hidrogénio quente é iluminado por uma estrela azul supergigante chamada V391 Velorum. Novas estrelas encontram-se em formação no interior da fita de matéria luminosa e escura. Depois de muitos milénios, estas novas estrelas, juntamente com a explosão final de V391 Velorum como supernova, irão provavelmente alterar a actual aparência de Gum 19.
eso1013pt — Nota de Imprensa Científica
Explicado: Porque é que tantos rastreios de galáxias longínquas perdem 90% dos seus alvos
24 de Março de 2010: Os astrónomos sabem desde há muito tempo que, em muitos rastreios do Universo longínquo, uma grande fracção da radiação intrínseca total não é observada. Agora, graças a um rastreio profundo executado com dois dos quatro telescópios gigantes de 8.2 metros que compõem o Very Large Telescope do ESO (VLT) e a um filtro de alta qualidade, os astrónomos determinaram que uma enorme fracção de galáxias cuja luz demorou 10 mil milhões de anos a chegar até nós não foi descoberta. O rastreio ajudou igualmente a encontrar algumas das galáxias menos luminosas alguma vez descobertas nesta fase inicial do Universo.
eso1012pt — Nota de Imprensa Científica
APEX Fotografa de Perto, e Pela Primeira Vez, Fábricas de Estrelas no Universo Longínquo
21 de Março de 2010: Pela primeira vez, os astrónomos mediram directamente o tamanho e o brilho de regiões de formação estelar numa galáxia muito distante, graças a uma descoberta inesperada do telescópio APEX. A galáxia encontra-se tão distante, e a sua luz demorou tanto tempo a chegar até nós, que a vemos tal como era há 10 mil milhões de anos. Uma “lente gravitacional” cósmica está a amplificar a galáxia, dando-nos assim uma vista de perto, a qual seria totalmente impossível de obter de outro modo. Esta descoberta inesperada revela formação estelar vigorosa e agitada nas galáxias do Universo primitivo, com maternidades estelares a formarem-se cem vezes mais depressa do que nas galáxias mais recentes. Este trabalho é publicado hoje online na revista Nature.
eso1011pt — Nota de Imprensa Científica
Medido o Primeiro Exoplaneta Temperado
17 de Março de 2010: Combinando observações do satélite CoRoT e do instrumento HARPS do ESO, os astrónomos descobriram o primeiro exoplaneta “normal” que pode ser estudado em grande pormenor. Conhecido pelo nome de Corot-9b, o planeta passa regularmente em frente a uma estrela semelhante ao Sol, situada a cerca de 1500 anos-luz de distância, na direcção da constelação da Serpente.
eso1010pt — Nota de Imprensa Científica
Mancha de Júpiter Vista a Brilhar
16 de Março de 2010: Novas imagens térmicas obtidas com o Very Large Telescope do ESO e outros poderosos telescópios terrestres mostram redemoinhos de ar quente e regiões frias nunca antes observadas no interior da Grande Mancha Vermelha de Júpiter. Com estas novas imagens os cientistas puderam fazer o primeiro mapa detalhado das condições meteorológicas no interior desta tempestade gigante, relacionando a temperatura, ventos, pressão e composição com a cor.
eso1009pt — Foto de Imprensa
O Morcego Cósmico
3 de Março de 2010: A Nebulosa NGC 1788, situada num canto escuro e esquecido da constelação de Orion, revela-se numa nova e detalhada imagem que o ESO divulga hoje. Embora esta nuvem fantasmagórica se encontre relativamente afastada das estrelas brilhantes de Orion, os poderosos ventos e radiação oriundos destas estrelas tiveram um forte impacto na nebulosa, definindo a sua forma e tornando-a o lar de inúmeras estrelas bebés.
eso1008pt — Foto de Imprensa
Luz, Vento e Fogo
24 de Fevereiro de 2010: O ESO acaba de divulgar uma imagem de NGC 346, a região de formação estelar mais brilhante na nossa vizinha galáctica, a Pequena Nuvem de Magalhães, situada a cerca de 210 000 anos-luz na direcção da constelação de Tucano. A radiação, vento e calor emitidos por estrelas de grande massa dispersam o gás brilhante no interior e em redor deste enxame estelar, formando uma envolvente estrutura nebular em farrapos que se assemelha a uma teia de aranha. Tal como outros cenários astronómicos igualmente belos, NGC 346 encontra-se em permanente mutação, modificando-se com o passar dos éons. À medida que mais e mais estrelas se vão formando a partir da matéria dispersa na região, essas novas estrelas começam a brilhar, afastando os restos de poeira e gás, escavando grandes ondulações e alterando assim a face deste objecto tão reluzente.
eso1007pt — Nota de Imprensa Científica
Sem Lugar para se Esconderem: Descobertas Estrelas Primitivas Desaparecidas Exteriores à Via Láctea
17 de Fevereiro de 2010: Durante anos as estrelas mais primitivas residentes fora da Via Láctea conseguiram esconder-se mas agora foram finalmente desmascaradas. Novas observações utilizando o Very Large Telescope do ESO solucionaram um importante problema astrofísico relativo às estrelas mais antigas na nossa vizinhança galáctica - o qual é crucial para compreender as estrelas que se formaram muito cedo no Universo.
eso1006pt — Foto de Imprensa
Orion sob uma Nova Luz
10 de Fevereiro de 2010: A nebulosa de Orion revela-nos muitos dos seus segredos, numa imagem extraordinária obtida pelo VISTA, o novo telescópio de rastreio do ESO. O grande campo de visão do telescópio possibilita a observação da nebulosa em todo o seu esplendor enquanto que a visão infravermelha do VISTA permite-nos perscrutar profundamente regiões de poeira que se encontram geralmente invisíveis, e onde podemos observar o comportamento de estrelas jovens muito activas que aí residem.
eso1005pt — Foto de Imprensa
As Estrelas por detrás da Cortina
3 de Fevereiro de 2010: O ESO acaba de divulgar uma magnífica imagem obtida pelo VLT, de uma maternidade estelar gigante em torno de NGC 3603, local onde se encontram permanentemente estrelas em formação. Envolto nesta nebulosa encontra-se um dos mais compactos e luminosos enxames de estrelas jovens de grande massa da nossa Via Láctea. Este enxame é um local bastante semelhante às regiões de formação estelar muito activas que existem noutras galáxias. É também neste enxame que se encontra a estrela de maior massa observada até hoje.
eso1004pt — Nota de Imprensa Científica
Caçadores de Buracos Negros Batem Novo Recorde de Distância
27 de Janeiro de 2010: Utilizando o Very Large Telescope do ESO os astrónomos detectaram, numa outra galáxia, o buraco negro estelar mais distante descoberto até hoje. Com uma massa de cerca de quinze vezes a massa do Sol, este é igualmente o segundo buraco negro mais maciço conhecido até hoje. O objecto encontra-se em interacção com uma estrela que, em pouco tempo, irá dar origem, também ela, a um buraco negro.
eso1003pt — Foto de Imprensa
No Rasto de um Gato Cósmico
20 de Janeiro de 2010: O ESO acaba de divulgar uma nova imagem surpreendente de uma vasta nuvem conhecida como a Nebulosa Pata de Gato. Esta complexa região de gás e poeira, onde inúmeras estrelas de grande massa se estão a formar situa-se próximo do centro da Via Láctea encontrando-se por isso bastante obscurecida por nuvens de poeira.
eso1002pt — Nota de Imprensa Científica
VLT Captura Primeiro Espectro de um Exoplaneta de Forma Directa
13 de Janeiro de 2010: “O espectro de um planeta é como uma impressão digital. Fornece-nos informação importante acerca dos elementos químicos que se encontram na sua atmosfera,” diz Markus Janson, primeiro autor do artigo que relata a nova descoberta. “Com esta informação, podemos compreender melhor como é que o planeta se formou e, no futuro, poderemos inclusivamente descobrir possíveis marcas da presença de vida.“
eso1001pt — Nota de Imprensa Institucional
Apertando o laço ao ALMA
4 de Janeiro de 2010: O Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) passou uma importante fase de desenvolvimento, fase essa crucial para que se consigam imagens de alta qualidade, as quais serão a imagem de marca deste instrumento revolucionário em astronomia. Astrónomos e engenheiros conseguiram, pela primeira vez, unir com sucesso três das antenas do observatório, no local de observação, a 5000 metros de altitude, no norte do Chile. Trabalhando em uníssono, as três antenas abrem caminho para imagens do Universo frio com uma resolução sem precedentes, fornecendo assim o elo perdido necessário para corrigir erros que aparecem apenas quando duas antenas são utilizadas.
eso0950pt — Nota de Imprensa Científica
Astrónomos Encontram Mundo com Atmosfera Densa, Inóspita e com Coração Gelado
16 de Dezembro de 2009: Os astrónomos descobriram um segundo exoplaneta do tipo super-Terra [1], para o qual determinaram a massa e o raio, o que forneceu pistas vitais sobre a sua estrutura. É igualmente a primeira super-Terra onde foi encontrada uma atmosfera. O exoplaneta, que orbita uma pequena estrela a cerca de 40 anos-luz de distância, abre novas perspectivas na procura de mundos habitáveis. O planeta, GJ1214b, tem uma massa de cerca de seis vezes a massa terrestre e o seu interior é provavelmente constituído por gelo de água. A sua superfície parece ser relativamente quente e o planeta encontra-se envolvido por uma atmosfera densa, o que o torna inóspito para albergar formas de vida tais como as que conhecemos sobre a Terra.
eso0949pt — Nota de Imprensa Institucional
VISTA: Novo Telescópio Pioneiro de Rastreio Começa Operações
11 de Dezembro de 2009: Um novo telescópio - VISTA (the Visible and Infrared Survey Telescope for Astronomy) — começou a trabalhar no Observatório Paranal do ESO e fez a sua primeira divulgação de imagens. O VISTA é um telescópio de rastreio que trabalha nos comprimentos de onda do infravermelho e é o maior telescópio do mundo dedicado ao mapeamento do céu. O seu enorme espelho, grande campo de visão e detectores extremamente sensíveis dar-nos-ão uma visão completamente nova do céu meridional. Novas imagens espectaculares da Nebulosa da Chama, do Centro da nossa Via Láctea e do Enxame de Galáxias Fornax mostram que o telescópio se encontra a funcionar muitíssimo bem.
Mostrar 221 até 240 de 265