eso1722pt — Nota de Imprensa Institucional

MASCARA de olhos bem abertos no Chile

Caçador de exoplanetas vê primeira luz no Observatório de La Silla do ESO

19 de Julho de 2017

A estação MASCARA (Multi-site All-Sky CAmeRA) instalada no Observatório de La Silla do ESO no Chile acaba de ver a sua primeira luz. Esta nova infraestrutura irá procurar exoplanetas em trânsito, à medida que estes passam em frente da sua brilhante estrela progenitora, e criar um catálogo de alvos para futuras observações de caracterização de exoplanetas.

Em junho de 2016 o ESO assinou um acordo com a Universidade de Leiden no intuito de colocar uma estação MASCARA no Observatório de La Silla do ESO, no Chile, tirando assim partido das excelentes condições de observação do céu do hemisfério sul. Esta estação fez agora as suas primeiras observações de teste bem sucedidas.

A estação MASCARA no Chile é a segunda a iniciar as operações; a primeira estação encontra-se no hemisfério norte no Observatório de Roque de los Muchachos, na ilha de La Palma, nas Canárias. Cada estação contém um conjunto de câmaras numa estrutura controlada em termos de temperatura, que monitoriza quase todo o céu visível a partir do local onde se encontra [1].

“Temos que colocar estações em ambos os hemisférios, para podermos obter uma cobertura total do céu,” diz Ignas Snellen da Universidade de Leiden, líder de projeto da MASCARA. “Com a segunda estação colocada em La Silla, podemos agora monitorizar quase todas as estrelas muito brilhantes do céu.”

Construída pela Universidade de Leiden na Holanda, a MASCARA é um instrumento caçador de planetas, muito compacto e com um design de baixo custo, sendo, no entanto, inovador, flexível e altamente fiável. Constituído por 5 câmaras digitais, este pequeno caçador de planetas faz várias medições do brilho de milhares de estrelas e usa software para descobrir pequenas diminuições no brilho estelar, fenómeno que ocorre quando um planeta passa em frente da sua estrela hospedeira.

Este método de procura de exoplanetas é chamado trânsito fotométrico. O tamanho e órbita do planeta podem ser diretamente determinados e, em sistemas muito brilhantes, a atmosfera do planeta pode também ser caracterizada em observações de seguimento obtidas com telescópios maiores, tais como o Very Large Telescope do ESO.

O principal objetivo da MASCARA é encontrar exoplanetas em torno das estrelas mais brilhantes do céu, que não estão a ser atualmente observadas em rastreios feitos quer a partir do espaço quer a partir do solo. A população-alvo da MASCARA é essencialmente composta por planetas do tipo “Júpiter quente” — mundos grandes fisicamente semelhantes a Júpiter mas que orbitam muito próximo da sua estrela progenitora, o que dá origem a elevadas temperaturas de superfície e períodos orbitais de apenas algumas horas. Foram já descobertas dezenas de Júpiteres quentes através do método das velocidades radiais para a detecção de exoplanetas, uma vez que este tipo de planeta exerce uma influência gravitacional considerável na sua estrela hospedeira.

“Não se consegue ainda aprender muito sobre os planetas descobertos através do método das velocidades radiais, já que são necessárias técnicas de imagem direta muito melhores, para que possamos separar a luz destes planetas velhos e frios da luz estelar,” comenta Snellen. "Em contrapartida, os planetas que transitam em frente à sua estrela hospedeira podem ser logo caracterizados.”

A MASCARA tem também o potencial de descobrir planetas do tipo super-Terra e do tamanho de Neptuno. Espera-se que o projeto forneça um catálogo dos alvos mais brilhantes e próximos para futuras observações de caracterização de exoplanetas, particularmente no que diz respeito a observações detalhadas da atmosfera planetária.

Notas

[1] A MASCARA pode monitorizar estrelas até uma magnitude de cerca de 8,4 — aproximadamente dez vezes mais ténues que as observadas a olho nu numa noite escura e límpida. Devido ao seu design, a MASCARA é menos sensível às condições atmosféricas do que outros instrumentos de observação, por isso as observações podem ser levadas a cabo com um céu parcialmente nublado, aumentando assim o tempo de observação.

Informações adicionais

O ESO é a mais importante organização europeia intergovernamental para a investigação em astronomia e é de longe o observatório astronómico mais produtivo do mundo. O ESO é  financiado por 16 países: Alemanha, Áustria, Bélgica, Brasil, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Holanda, Itália, Polónia, Portugal, Reino Unido, República Checa, Suécia e Suíça, assim como pelo Chile, o país de acolhimento. O ESO destaca-se por levar a cabo um programa de trabalhos ambicioso, focado na concepção, construção e operação de observatórios astronómicos terrestres de ponta, que possibilitam aos astrónomos importantes descobertas científicas. O ESO também tem um papel importante na promoção e organização de cooperação na investigação astronómica. O ESO mantém em funcionamento três observatórios de ponta no Chile: La Silla, Paranal e Chajnantor. No Paranal, o ESO opera  o Very Large Telescope, o observatório astronómico óptico mais avançado do mundo e dois telescópios de rastreio. O VISTA, o maior telescópio de rastreio do mundo que trabalha no infravermelho e o VLT Survey Telescope, o maior telescópio concebido exclusivamente para mapear os céus no visível. O ESO é um parceiro principal no ALMA, o maior projeto astronómico que existe atualmente. E no Cerro Armazones, próximo do Paranal, o ESO está a construir o European Extremely Large Telescope (E-ELT) de 39 metros, que será “o maior olho do mundo virado para o céu”.

Links

Contactos

Margarida Serote
Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço
Portugal
Telm.: 964951692
Email: eson-portugal@eso.org

Ignas Snellen
Leiden Observatory
Postbus 9513, 2300 RA Leiden, The Netherlands
Email: snellen@strw.leidenuniv.nl

Richard Hook
ESO Public Information Officer
Garching bei München, Germany
Tel.: +49 89 3200 6655
Telm.: +49 151 1537 3591
Email: rhook@eso.org

Connect with ESO on social media

Este texto é a tradução da Nota de Imprensa do ESO eso1722, cortesia do ESON, uma rede de pessoas nos Países Membros do ESO, que servem como pontos de contacto local com os meios de comunicação social, em ligação com os desenvolvimentos do ESO. A representante do nodo português é Margarida Serote.

Sobre a Nota de Imprensa

Nº da Notícia:eso1722pt
Nome:MASCARA
Tipo:Unspecified : Technology : Observatory : Instrument
Facility:Multi-site All-Sky CAmeRA

Imagens

Sistema caçador de planetas MASCARA colocado no Observatório de La Silla
Sistema caçador de planetas MASCARA colocado no Observatório de La Silla
Sistema caçador de planetas MASCARA colocado no Observatório de La Silla
Sistema caçador de planetas MASCARA colocado no Observatório de La Silla
Sistema caçador de planetas MASCARA colocado no Observatório de La Silla
Sistema caçador de planetas MASCARA colocado no Observatório de La Silla
Sistema caçador de planetas MASCARA colocado no Observatório de La Silla
Sistema caçador de planetas MASCARA colocado no Observatório de La Silla
Sistema caçador de planetas MASCARA colocado no Observatório de La Silla
Sistema caçador de planetas MASCARA colocado no Observatório de La Silla
Sistema caçador de planetas MASCARA colocado no Observatório de La Silla
Sistema caçador de planetas MASCARA colocado no Observatório de La Silla

Vídeos

ESOcast Light 117: Novo caçador de exoplanetas de olhos bem abertos
ESOcast Light 117: Novo caçador de exoplanetas de olhos bem abertos

Veja também