eso1603pt — Foto de Imprensa

A vizinha galáctica limpa e arrumada da Via Láctea

27 de Janeiro de 2016

Muitas galáxias encontram-se cheias de poeira, enquanto outras apresentam ocasionais tiras escuras de fuligem cósmica opaca que espirala entre os gás e as estrelas. No entanto, o mote desta nova imagem, obtida pela câmara OmegaCAM montada no Telescópio de Rastreio do VLT no ESO, no Chile, é bastante invulgar — a pequena galáxia chamada IC 1613 é uma maníaca da limpeza! A IC 1613 contém muito pouca poeira cósmica, o que permite aos astrónomos explorar o seu conteúdo com bastante facilidade. Não é apenas uma questão de aparência; a limpeza desta galáxia é vital para a compreendermos o Universo que nos rodeia.

A IC 1613 é uma galáxia anã situada na constelação da Baleia. Esta imagem do VST [1] mostra a beleza não convencional deste objeto, deixando-nos observar as estrelas todas espalhadas e gás rosa brilhante, em grande pormenor.

O astrónomo alemão Max Wolf descobriu o ténue brilho da IC 1613 em 1906. Em 1928, o seu compatriota Walter Baade utilizou o muito poderoso telescópio de 2,5 metros instalado no Observatório de Mount Wilson, na Califórnia, conseguindo observar as estrelas individuais. A partir destas observações os astrónomos concluíram que esta galáxia deveria estar muito perto de nós, uma vez que apenas era possível resolver estrelas individuais com tamanho aparente de alfinetes nas galáxias mais próximas.

Desde essa altura, os astrónomos confirmaram que a IC 1613 é efectivamente um membro do Grupo Local, uma coleção de mais de 50 galáxias que inclui a nossa galáxia, a Via Láctea. A IC 1613 situa-se a 2,3 milhões de anos-luz de distância de nós, encontrando-se relativamente bem estudada devido à sua proximidade. Os astrónomos descobriram que se trata de uma anã irregular, a qual não apresenta muitas das características encontradas noutras galáxias pequenas, como por exemplo um disco estrelado.

No entanto, o que falta em forma à IC 1613 é compensado em termos de limpeza. Sabemos a distância à IC 1613 com elevado grau de precisão, parcialmente devido aos níveis invulgarmente baixos de poeira que se encontram no seu seio e ao longo da nossa linha de visão — algo que permite observações muito mais claras [2].

A segunda razão da distância ser conhecida com tanta precisão prende-se com o facto desta galáxia albergar uma quantidade de estrelas de dois tipos: variáveis Cefeides e variáveis RR Lyrae [3]. Estes tipos de estrelas pulsam de forma ritmada, crescendo em brilho e tamanho de forma característica a intervalos regulares (eso1311). 

Como sabemos por experiência do dia-a-dia na Terra, os objetos que brilham, tais como as lâmpadas ou as chamas das velas, parecem mais fracos à medida que nos afastamos deles. Os astrónomos usam esta regra simples da lógica para descobrir quão distantes é que os objetos no Universo estão realmente — desde que saibam quão brilhantes são na realidade, ou seja, desde que conheçam o seu brilho intrínseco.

As variáveis Cefeides e RR Lyrae têm a propriedade especial do seu período de aumento e diminuição de brilho estar diretamente ligado ao seu brilho intrínseco. Por isso, ao medirem quão rápido flutuam, os astrónomos podem calcular o seu brilho intrínseco. Comparando depois esse valor ao brilho aparente medido, podemos saber quão distantes é que se encontram, de modo a parecerem tão ténues quando observados.

As estrelas para as quais se conhece o seu brilho intrínseco funcionam como velas padrão, como os astrónomos lhes chamam, um pouco como uma vela com determinado brilho atuaria para se calcular intervalos de distância baseados no brilho observado do cintilar da sua chama.

Usando velas padrão — tais como as estrelas variáveis que se encontram no seio da IC 1613 e as menos comuns explosões de supernova do tipo Ia, que podem ser observadas ao longo de maiores distâncias cósmicas — os astrónomos construíram uma escada de distância cósmica, que penetra o espaço cada vez mais profundamente.

Há décadas atrás a IC 1613 ajudou os astrónomos a determinar como usar estrelas variáveis para mapear a grande extensão do Universo. Nada mau para uma pequena galáxia sem forma!

Notas

[1] A OmegaCAM é uma câmara de 256 milhões de pixels, composta por 32 CCD, montada no Telescópio de Rastreio do VLT de 2,6 metros, no Observatório do Paranal, Chile. Neste link encontra mais imagens obtidas pela OmegaCAM.

[2] A poeira cósmica é composta por vários elementos pesados, tais como o carbono e o ferro, assim como por moléculas maiores e mais granuladas. Não só bloqueia a radiação, dificultando a observação de objetos envoltos em poeira, como dispersa de forma preferencial a radiação mais azul. Como resultado, a poeira cósmica faz os objetos parecerem mais vermelhos do que na realidade são, quando observados através dos nossos telescópios. Os astrónomos levam em linha de conta este avermelhamento quando estudam estes objetos, mas mesmo assim, quando menor o avermelhamento, mais precisas serão as observações.

[3] Para além das duas Nuvens de Magalhães, a IC 1613 é a única galáxia anã irregular no Grupo Local onde se identificaram estrelas variáveis do tipo RR Lyrae.

Informações adicionais

O ESO é a mais importante organização europeia intergovernamental para a investigação em astronomia e é de longe o observatório astronómico mais produtivo do mundo. O ESO é  financiado por 16 países: Alemanha, Áustria, Bélgica, Brasil, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Holanda, Itália, Polónia, Portugal, Reino Unido, República Checa, Suécia e Suíça, assim como pelo Chile, o país de acolhimento. O ESO destaca-se por levar a cabo um programa de trabalhos ambicioso, focado na concepção, construção e operação de observatórios astronómicos terrestres de ponta, que possibilitam aos astrónomos importantes descobertas científicas. O ESO também tem um papel importante na promoção e organização de cooperação na investigação astronómica. O ESO mantém em funcionamento três observatórios de ponta no Chile: La Silla, Paranal e Chajnantor. No Paranal, o ESO opera  o Very Large Telescope, o observatório astronómico óptico mais avançado do mundo e dois telescópios de rastreio. O VISTA, o maior telescópio de rastreio do mundo que trabalha no infravermelho e o VLT Survey Telescope, o maior telescópio concebido exclusivamente para mapear os céus no visível. O ESO é um parceiro principal no ALMA, o maior projeto astronómico que existe atualmente. E no Cerro Armazones, próximo do Paranal, o ESO está a construir o European Extremely Large Telescope (E-ELT) de 39 metros, que será “o maior olho do mundo virado para o céu”.

Links

Contactos

Margarida Serote
Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço
Portugal
Telm.: 964951692
Email: eson-portugal@eso.org

Richard Hook
ESO Public Information Officer
Garching bei München, Germany
Tel.: +49 89 3200 6655
Telm.: +49 151 1537 3591
Email: rhook@eso.org

Connect with ESO on social media

Este texto é a tradução da Nota de Imprensa do ESO eso1603, cortesia do ESON, uma rede de pessoas nos Países Membros do ESO, que servem como pontos de contacto local com os meios de comunicação social, em ligação com os desenvolvimentos do ESO. A representante do nodo português é Margarida Serote.

Sobre a Nota de Imprensa

Nº da Notícia:eso1603pt
Nome:IC 1613
Tipo:Local Universe : Galaxy : Size : Dwarf
Facility:VLT Survey Telescope
Instruments:OmegaCAM

Imagens

A galáxia anã IC 1613
A galáxia anã IC 1613
A galáxia anã IC 1613 na constelação da Baleia
A galáxia anã IC 1613 na constelação da Baleia
O céu em torno da galáxia anã IC 1613
O céu em torno da galáxia anã IC 1613

Vídeos

Aproximação à galáxia anã IC 1613
Aproximação à galáxia anã IC 1613
Panorâmica da galáxia anã IC 1613
Panorâmica da galáxia anã IC 1613
Passagem pela IC 1613 (fulldome)
Passagem pela IC 1613 (fulldome)

Veja também