Quatro lasers sobre o Paranal

Brilhando sobre o fundo do céu noturno por cima do Observatório do Paranal do ESO, quatro raios laser são lançados na escuridão a partir do Telescópio Principal 4 (UT4) do Very Large Telescope (VLT), marcando assim a primeira utilização de lasers múltiplos no ESO. Estes lasers constituem as mais poderosas estrelas guia alguma vez utilizadas em astronomia. A cerca de 90 km de altitude na atmosfera, os lasers excitam átomos de sódio, criando estrelas artificiais para os sistemas de óptica adaptativa do telescópio.

Os telescópios modernos usam sistemas de óptica adaptativa para compensar os efeitos de distorção da atmosfera terrestre. Para isso, o telescópio precisa de ser capaz de ver uma estrela de referência brilhante ao mesmo tempo que observa o seu alvo principal. No entanto, nem sempre se consegue ter uma estrela adequada próximo do local necessário e por isso os astrónomos usam lasers para criar estrelas artificiais exatamente no sítio onde precisam. Os lasers são utilizados para fazer brilhar átomos de sódio situados a elevada altitude na atmosfera, formando assim pequenas manchas de luz que funcionam como estrelas reais.

Usar lasers múltiplos em simultâneo permite que as propriedades da atmosfera possam ser melhor caracterizadas — o que resulta numa imagem de muito melhor qualidade para um maior campo de visão, uma vez a imagem corrigida — do que o que seria possível com apenas um laser. Os quatro lasers que acabam de ser instalados no UT4 são um dos sistemas de estrelas guia laser mais sofisticados construídos até à data e são um exemplo de como o ESO tornou possível que a indústria europeia liderasse projetos complexos de investigação e desenvolvimento. Os novos lasers permitirão que o VLT produza imagens muito nítidas, quase no limite de difração do telescópio. Com esta nova infraestrutura, o Observatório do Paranal continua a dispôr do maior número dos mais avançados sistemas de óptica adaptativa atualmente em operação. Este novo sistema abre também caminho para um sistema semelhante a ser utilizado no futuro European Extremely Large Telescope, o maior olho do mundo virado para o céu.

Créditos:

ESO/F. Kamphues

Sobre a imagem

Id:potw1618a
Língua:pt
Tipo:Fotográfico
Data de divulgação:2 de Maio de 2016 às 06:00
Tamanho:3648 x 5481 px

Sobre o objeto

Nome:Very Large Telescope
Tipo:Unspecified : Technology : Observatory : Telescope

Formatos de imagens

JPEG grande
4,6 MB

Zoom


Papéis de parede

1024x768
338,2 KB
1280x1024
503,9 KB
1600x1200
683,1 KB
1920x1200
775,9 KB
2048x1536
1016,6 KB

 

Veja também