Kids

eso1510pt — Foto de Imprensa

Uma extravagância grandiosa de estrelas novas

11 de Março de 2015

Esta paisagem extraordinária na constelação austral do Altar contém um tesouro de objetos celestes. Enxames de estrelas, nebulosas de emissão e regiões de formação estelar ativa são apenas alguns dos objetos mais ricos observados nesta região, que se situa a cerca de 4000 anos-luz de distância da Terra. Esta bela imagem mostra-nos a vista mais detalhada de sempre desta parte do céu e foi obtida com o VLT Survey Telescope, instalado no Observatório do Paranal, no Chile.

No centro da imagem encontra-se o enxame estelar aberto NGC 6193, que contém cerca de trinta estrelas brilhantes e forma o centro da associação OB1 do Altar. As duas estrelas mais brilhantes são estrelas gigantes muito quentes que, em conjunto, constituem a principal fonte de iluminação da nebulosa de emissão próxima, a Nebulosa da Orla ou NGC 6188, que pode ser vista à direita do enxame.

Uma associação estelar consiste num grande grupo de estrelas fracamente ligadas que ainda não se afastaram completamente do seu local de formação inicial. As associações OB são essencialmente constituídas por estrelas azul-esbranquiçadas muito jovens, 100 000 vezes mais brilhantes que o Sol e cerca de 10 a 50 vezes mais massivas.

A Nebulosa da Orla é a proeminente parede de nuvens escuras e brilhantes que marca a fronteira entre a região de formação estelar ativa no seio da nuvem molecular, conhecida por RCW 108, e o resto da associação [1]. A área em torno da RCW 108 é constituída essencialmente por hidrogénio - o ingrediente principal da formação estelar. Estas regiões são também conhecidas por regiões H II.

A radiação ultravioleta e os intensos ventos estelares lançados pelas estrelas do NGC 6193 parecem levar a nova geração de formação estelar às nuvens de gás e poeira que o rodeiam. À medida que fragmentos da nuvem colapsam, vão aquecendo e formando eventualmente novas estrelas.

À medida que a nuvem vai criando novas estrelas, vai sendo também erodida pelos ventos e radiação emitida pelas estrelas anteriormente formadas e pelas violentas explosões de supernovas. É por isso que estas regiões H II onde ocorre formação estelar tendem a ter um tempo de vida de apenas alguns milhões de anos. A formação estelar é um processo muito pouco eficiente, com apenas cerca de 10% do material a contribuir para o processo - e o restante a perder-se para o espaço.

A Nebulosa da Orla mostra também sinais de estar numa fase inicial de “formação de pilares”, o que significa que no futuro poderá ficar parecida a outras regiões de formação estelar bem conhecidas, como a Nebulosa da Águia (Messier 16, que contém os famosos Pilares da Criação) e a Nebulosa do Cone (parte da NGC 2264).

Esta imagem única foi criada a partir de mais de 500 imagens individuais obtidas através de quatro filtros de cor diferentes,  com o VLT Survey Telescope. O tempo de exposição total foi de mais de 56 horas. É a imagem mais detalhada desta região obtida até à data.

Notas

[1] Esta nebulosa é também famosa entre os astrónomos, já que uma sua imagem anterior foi usada como capa de um DVD de distribuição da coleção de software para astrónomos compilada no ESO, Scisoft, cuja versão mais recente foi lançada há algumas semanas atrás, sendo, por isso, também conhecida por Nebulosa Scisoft.

Informações adicionais

O ESO é a mais importante organização europeia intergovernamental para a investigação em astronomia e é de longe o observatório astronómico mais produtivo do mundo. O ESO é  financiado por 16 países: Alemanha, Áustria, Bélgica, Brasil, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Holanda, Itália, Polónia, Portugal, Reino Unido, República Checa, Suécia e Suíça, assim como pelo Chile, o país de acolhimento. O ESO destaca-se por levar a cabo um programa de trabalhos ambicioso, focado na concepção, construção e operação de observatórios astronómicos terrestres de ponta, que possibilitam aos astrónomos importantes descobertas científicas. O ESO também tem um papel importante na promoção e organização de cooperação na investigação astronómica. O ESO mantém em funcionamento três observatórios de ponta no Chile: La Silla, Paranal e Chajnantor. No Paranal, o ESO opera  o Very Large Telescope, o observatório astronómico óptico mais avançado do mundo e dois telescópios de rastreio. O VISTA, o maior telescópio de rastreio do mundo que trabalha no infravermelho e o VLT Survey Telescope, o maior telescópio concebido exclusivamente para mapear os céus no visível. O ESO é um parceiro principal no ALMA, o maior projeto astronómico que existe atualmente. E no Cerro Armazones, próximo do Paranal, o ESO está a construir o European Extremely Large Telescope (E-ELT) de 39 metros, que será “o maior olho do mundo virado para o céu”.

Links

Contactos

Margarida Serote
Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço
Portugal
Telm.: 964951692
Email: eson-portugal@eso.org

Richard Hook
ESO, Public Information Officer
Garching bei München, Germany
Tel.: +49 89 3200 6655
Telm.: +49 151 1537 3591
Email: rhook@eso.org

Connect with ESO on social media

Este texto é a tradução da Nota de Imprensa do ESO eso1510, cortesia do ESON, uma rede de pessoas nos Países Membros do ESO, que servem como pontos de contacto local com os meios de comunicação social, em ligação com os desenvolvimentos do ESO. A representante do nodo português é Margarida Serote.

Sobre a Nota de Imprensa

Nº da Notícia:eso1510pt
Nome:NGC 6188, NGC 6193
Tipo:Milky Way : Star : Grouping : Cluster : Open
Milky Way : Nebula : Appearance : Emission : H II Region
Milky Way : Nebula : Appearance : Dark
Facility:VLT Survey Telescope
Instruments:OmegaCAM

Imagens

O enxame estelar NGC 6193 e a nebulosa NGC 6188
O enxame estelar NGC 6193 e a nebulosa NGC 6188
O enxame estelar aberto NGC 6193 na constelação do Altar
O enxame estelar aberto NGC 6193 na constelação do Altar

Vídeos

Aproximação ao enxame estelar NGC 6193 e à nebulosa NGC 6188
Aproximação ao enxame estelar NGC 6193 e à nebulosa NGC 6188
Vista panorâmica do enxame estelar NGC 6193 e da nebulosa NGC 6188
Vista panorâmica do enxame estelar NGC 6193 e da nebulosa NGC 6188

Veja também