ESOcast 140 Light: O MUSE mergulha no Campo Ultra Profundo do Hubble

Com o auxílio do instrumento MUSE montado no Very Large Telescope do ESO no Chile, os astrónomos levaram a cabo o rastreio espectroscópico mais profundo realizado até à data. Os investigadores focaram-se no Campo Ultra Profundo do Hubble, medindo distâncias e propriedades de 1600 galáxias muito ténues, incluindo 72 galáxias que nunca tinham sido detectadas antes, nem mesmo com o próprio Hubble. Esta enorme quantidade de novos dados fornece aos astrónomos informações sobre a formação estelar no Universo primordial, permitindo o estudo dos movimentos e outras propriedades das galáxias primitivas — possível graças às capacidades espectroscópicas únicas do MUSE.

Este curto ESOcast Light dá-nos um resumo rápido deste importante conjunto de dados.

Créditos:

ESO

Editing: Nico Bartmann
Web and technical support: Mathias André and Raquel Yumi Shida
Written by: Rosa Jesse, Nicole Shearer and Richard Hook
Music: Music written and performed by: tonelabs (http://www.tonelabs.com).
Footage and photos: ESO, Mark Swinbank, Institute for Computational Cosmology, Durham University, M. Fumagalli, L. Calçada, MUSE HUDF collaboration
Directed by: Nico Bartmann
Executive producer: Lars Lindberg Christensen

Sobre o vídeo

Id:eso1738a
Língua:pt
Data de divulgação:29 de Novembro de 2017 às 12:00
Notícias relacionadas:eso1738
Duração:01 m 37 s
Frame rate:30 fps

Sobre o objeto

Nome:Hubble Ultra Deep Field
Tipo:Early Universe : Cosmology

Ultra HD (info)


HD


Medium


For Broadcasters


Guião

Guião
78,0 KB

Legendas

English
1,1 KB
German
1,2 KB
Polish
1,2 KB
Vietnamese
1,5 KB

Veja também